Paradoxo francês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Paradoxo francês é uma expressão utilizada pelos anglo-saxões e nutricionistas para referir o paradoxo existente entre a alimentação dos franceses e a sua saúde.

Samuel Black em 1819 reparou que os franceses apesar de consumirem muitas gorduras saturadas sofriam pouco de aterosclerose coronária.

Uma explicação para este fenômeno está, possivelmente, no clima presente no território francês e da influência que as condições meteorológicas têm na saúde humana. Nessa altura e, ainda hoje, a França apresenta um clima de tipo temperado continental, com invernos rigorosos e verões quentes e chuvosos. Normalmente, os naturais de regiões com este tipo de clima tendem a ser mais altos e mais resistentes de massa óssea e muscular, afetando positivamente o metabolismo, absorvendo assim melhor as gorduras.

Outra hipótese levantada seria que, os efeitos benéficos do consumo frequente de vinho pelo povo francês contrabalancearia a dieta rica em gordura[1].[2]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Biagi, Marco; Alberto A. E.. (2015-06-15). "Wine, alcohol and pills: What future for the French paradox?". Life Sciences 131: 19–22. DOI:10.1016/j.lfs.2015.02.024.
  2. «Paradoxo Francês | O vinho pode ser o melhor amigo do coração?». Ciências e Tecnologia. 2016-06-05. Consultado em 2016-06-06.