Payback

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Payback (finanças))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) outros significados, veja Payback (desambiguação).

O período de recuperação do investimento (PRI), em inglês, payback period, é o tempo decorrido entre o investimento inicial e o momento no qual o lucro líquido acumulado se iguala ao valor desse investimento. O PRI pode ser:

Qualquer projeto de investimento possui de inicio um período de despesas (em investimento) a que se segue um período de receitas liquidas(liquidas dos custos do exercício). As receitas recuperam o capital investido. O período de tempo necessário para as receitas recuperam a despesa em investimento é o período de recuperação. O período de recuperação pode ser considerado com o fluxo de caixa atualizado ou sem o fluxo de caixa atualizado.


Trata-se de uma das técnicas de análise de investimento alternativas ao método do valor presente líquido (VPL). A sua principal vantagem em relação ao VPL é que o PRI leva em conta o prazo de retorno do investimento e, consequentemente, é mais apropriado em ambientes de risco elevado.

Investimento implica saída imediata de dinheiro; em contrapartida, espera-se receber fluxos de caixa que compensem essa saída ao longo do tempo. O período de recuperação do investimento consiste no cálculo desse tempo (em número de períodos, sejam meses ou anos) necessário à recuperação do investimento realizado.


Algebricamente tem-se:

  • , quando

Sendo:

  • = Período de Recuperação do Investimento.
  • = Fluxo de caixa (Cash-Flow) total no ano t.
  • = Fluxo de caixa (Cash-Flow) do investimento Inicial.

Nota: Admite-se que em cada ano os fluxos se distribuem regularmente ao longo do mesmo.

No caso dos fluxos de caixa anuais serem iguais, pode-se determinar o PRI pelo quociente entre o I e um CF anual.


Exemplo: João deseja comprar um computador para desenvolver sites, um computador com todos os recursos e softwares devidamente licenciados sairá no valor de R$3.000,00. João já tem 10 contratos de sites confirmados todos no valor de R$600,00 cada. Se joão leva 1 mês para fazer um site e recebe o pagamento na entrega do mesmo, ele terá reembolsado o valor investido no computador na entrega do 5º site que seria ao final do 5º mês.


PRI= R$3.000,00 = 5 meses



O PRI simples não leva em consideração a taxa de juros, nem a inflação do período ou o custo de oportunidade. Além disso, nem sempre os fluxos esperados são constantes. o João poderia receber os R$600,00 do primeiro site em duas vezes. Assim, uma análise mais apurada deve levar em conta outros aspectos.


DESVANTAGENS DO MÉTODO DO PRI

  • O método do PB apresenta o inconveniente de não ter em conta os fluxos de caixa gerados depois do ano de recuperação, tornando-se assim, desaconselhável na avaliação de projetos de longa duração.
  • O PB valoriza diferentemente os fluxos recebidos em diferentes períodos, mas apenas segundo o critério dualista: antes ou depois do PB, sendo indiferente o período em que recebe dentro de cada um destes intervalos.


VANTAGENS DO MÉTODO DO PRI

Este método tem como principais vantagens:

  • O facto de ser bastante simples na sua forma de cálculo e de fácil compreensão;
  • Fornece uma ideia do grau de liquidez e de risco do projecto;
  • Em tempo de grande instabilidade e pela razão anterior, a utilização deste método é uma forma de aumentar a segurança dos negócios da empresa;
  • Adequado à avaliação de projectos em contexto de risco elevado;
  • Adequado à avaliação de projectos com vida limitada;


Conclusão

Trata-se sobretudo de um critério de avaliação de risco, sendo, nesta perspectiva, mais atraentes aqueles projectos que permitam uma recuperação do capital investido em menor tempo. Outra forma de considerar o PB passa por estabelecer um determinado período limite, relativamente ao qual o PB deve ser inferior ou igual. Por exemplo, pode-se assumir o horizonte temporal do investimento enquanto período limite.

Quando não for possível determinar um número inteiro que verifique a condição de os fluxos de caixa acumulados serem nulos, o PB será igual ao número de períodos cujo somatório seja negativo, adicionado da fração entre o valor simétrico desse somatório e a amplitude até ao somatório seguinte, ou seja, determina-se por interpolação linear. O período de recuperação do investimento dá-nos a medida do tempo necessário para que um projeto recupere o capital investido. É aplicável, sem restrições, a projetos convencionais de investimento. Em projetos não convencionais, onde ocorrem múltiplas mudanças de sinal nos fluxos de caixa, a análise do PB deve ser efetuada de forma cautelosa, tal como a sua interpretação.

Apesar das suas limitações, o PB pode ser particularmente útil, como indicador auxiliar no processo de análise.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.