Pedras de Stripple

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Plano das Pedras de Stripple

As Pedras de Stripple (ou círculo de pedras de Stripple ) são um círculo de henge e pedra localizado na encosta sul de Hawk's Tor, Blisland, a 10 quilômetros a nordeste de Bodmin on Bodmin Moor em Cornwall, Inglaterra, Reino Unido.[1][2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Registrado pela primeira vez por esse nome durante o reinado da rainha Elizabeth I[3] o círculo foi descrito por William Lukis como "o monumento mais interessante e notável do condado" . É cercado por uma vala circular e vallum que forma uma plataforma nivelada a 53 metros de diâmetro. O círculo tem 44,3 metros de diâmetro com quatro pedras de granito e várias caídas. No centro há um menir gigante caído, com cerca de 3,7 metros de comprimento e 1,5 metros no ponto mais largo, dividido em três lugares. Lukis sugeriu que, com um espaçamento médio de 3,7 metros, haveria trinta e sete pedras originais, enquanto Aubrey Burl sugeriu apenas vinte e oito.[1][4]

Arqueologia[editar | editar código-fonte]

As pedras da Stripple foram escavadas em 1905 por H. St. George Gray, que encontrou uma pedra queimada, três flocos de pedra, um osso de boi e algumas madeiras de carvão e carvalho na vala circundante. Ele também detectou uma entrada sudoeste, diretamente em direção às pedras Trippet. Gray observou que as pedras tinham sido colocadas apenas aproximadamente 46 centímetros de profundidade no chão. Quatro postholes foram encontrados ao redor da pedra central, que foi descoberta como deslocada do centro do círculo em 4,3 metros para o sudeste sudeste.[4]

Alinhamentos[editar | editar código-fonte]

O vallum ao redor do círculo tem três projeções semi-lunares voltadas para o noroeste, nordeste e leste. Foi completamente obliterado ao sul.[1] Aubrey Burl sugeriu que, a partir da localização da pedra central, quando na vertical, os alinhamentos com essas protuberâncias na margem externa marcam o pôr do sol de Mayday, o nascer do sol do Equinócio e o principal nascer da lua do norte.[4][5] Ele também sugeriu que os furos dos postes podem ter sido tentativas de estabelecer visões retrospectivas precisas para alinhamentos.[6] Norman Lockyer sugeriu que, vista da pedra central, a projeção nordeste teria se alinhado com Capella em 1250 a.C.[7]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c William C. Lukis (1885). The prehistoric stone monuments of the British Isles: Cornwall. Printed for Nichols and Sons for the Society of Antiquaries. [S.l.: s.n.] 
  2. Alexander Thom; Archibald Stevenson Thom; Aubrey Burl (1980). Megalithic rings: plans and data for 229 monuments in Britain. British Archaeological Reports. [S.l.: s.n.] pp. 81–. ISBN 978-0-86054-094-6 
  3. John Maclean (sir.) (1868). Parochial and family history of the parish of Blisland, p. 24. [S.l.: s.n.] pp. 24– 
  4. a b c Aubrey Burl (2005). A guide to the stone circles of Britain, Ireland and Brittany, p. 37. Yale University Press. [S.l.: s.n.] pp. 37–. ISBN 978-0-300-11406-5 
  5. Norman Lockyer (Abril de 2003). Stonehenge and Other British Stone Monuments Astronomically Considered. Kessinger Publishing. [S.l.: s.n.] pp. 36–. ISBN 978-0-7661-5162-8 
  6. Aubrey Burl (4 de março de 2008). Prehistoric Astronomy and Ritual. Osprey Publishing. [S.l.: s.n.] pp. 41–. ISBN 978-0-7478-0614-1 
  7. Norman Lockyer (Abril de 2003). Stonehenge and Other British Stone Monuments Astronomically Considered, p. 293. Kessinger Publishing. [S.l.: s.n.] pp. 293–. ISBN 978-0-7661-5162-8