Pemon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pemon
Three Pemon Men.JPG
População total
Regiões com população significativa
 Venezuela 30.148 (2011)
 Brasil 792 (2014)
Guiana 4.700
Línguas
Língua macuxi, língua taurepang, língua arekuna e língua kapón
Religiões
Grupos étnicos relacionados
Caribe
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Pemon

Os pemon são um grupo étnico-linguístico vinculado à família linguística caribe. Hoje, os povos pemon (ou pemón, na grafia em espanhol) distribuem-se pelo sudeste do estado venezuelano de Bolívar, nas regiões da Gran Sabana, no Parque Nacional Canaima, e ao longo tríplice fronteira Venezuela-Guiana-Brasil, onde abrange também a extensão noroeste do estado brasileiro de Roraima[1].

O nome pemon significa "pessoa" em algumas línguas destes povos e a palavra pode se referir tanto ao grupo étnico quanto ao conjunto línguas de mesma filiação genética faladas por esses povos. Apesar de a língua Kapón pertencer ao grupo Pemón, o povo que a fala se autodenomina Kapón[2].

Povo[editar | editar código-fonte]

Etnicamente, os antropólogos subdividem os pemon em 4 povos diferentes: os Arekuna, os Kamarakoto, os Taurepang (em espanhol Taurepán) e os Macuxi [3]. Na Venezuela, a população pemon em 2011 somava aproximadamente 30.148 indivíduos[4]. No Brasil, autodenominados Taurepang, contabilizavam cerca de 792 indivíduos em 2014 [3]. Na Guiana, onde são conhecidos como Patamóna ou Akawaio (mas se autodenominam Kapón)[2] a população consta de 4.700 indivíduos[5].

Língua[editar | editar código-fonte]

Os linguistas classificam as línguas faladas por estes povos em um grupo chamado Pemóng (dentro do ramo venezuelano da família caribe), que compreende os grupos menores Kapóng, Pemón e Macuxi [6].

A língua Kapón distingue-se internamente entre as variações Akawaio, Patamuna (ou Pantamóna) e Ingarikó. Já a língua Pemón varia dialetalmente entre os mutuamente inteligíveis dialetos Taurepang, Arekuna e Kamarakoto[6]. Enquanto Taurepang e Arekuna parecem guardar grande semelhança, ambos se distanciam do Kamarakoto, o que leva estudiosos a acreditar que os três talvez sejam na verdade apenas duas variações geográficas, dialetalmente bem definidas[2]. O Macuxi, por sua vez, permanece sem subdivisões dialetais.

No Brasil, há cerca de 580 falantes do dialeto taurepang ou taurepang. Outros estudos apontam 900 falantes do dialeto ingarikó e 90 do Patamóna[7].

Referências

  1. Cruz, Alessandra; Aleixo, Felipe (2020). Roraima entre línguas : contatos linguísticos no universo da tríplice fronteira do extremo-norte brasileiro. Boa Vista: Editora da UFRR. p. 80 
  2. a b c QUEIXALÓS; LESCURE (2000). As linguas amazonicas hoje. [S.l.: s.n.] 
  3. a b Instituto Socioambiental. Povos indígenas do Brasil. Taurepang. por Geraldo Andrello.
  4. «Censo 2011 Redatam» 
  5. «UNESCO/JLU - Caribbean Indigenous and Endangered Language, The University of West Indies at Mona» 
  6. a b Gildea, Spike (16 de janeiro de 2012). «Linguistic studies in the Cariban family». In: Campbell, Lyle; Grondona, Veronica. The Indigenous Languages of South America: A Comprehensive Guide (em inglês). Berlin, Boston: De Gruyter Mouton. p. 445 
  7. Rodrigues, Aryon Dall’Igna (2013). «Línguas indígenas brasileiras» (PDF). Brasília, DF: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB. Consultado em 11 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre povos indígenas é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.