Pierre Michon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pierre Michon
Pierre Michon (© Jean-Luc Bertini)
Nascimento 1945 (73 anos)
Cardos
Nacionalidade França Francês
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Corps du roi
Prémios Grande prémio de romance da Academia francesa (2009)

Pierre Michon (Cardos, comuna de Châtelus-le-Marcheix, departamento da Creuse, 1945) é um escritor francês. Foi criado por sua mãe professora, quando seu pai deixou o lar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele passou a infância em Guéret, no departamento da Creuse, começando em seguida os estudos de Letras em Clermont-Ferrand, tendo dedicado seu trabalho de mestrado a Antonin Artaud. Após haver entrado numa tropa de teatro, começou a viajar pela França afora. Da mesma maneira que Arthur Rimbaud,Pierre Michon não exerceu nenhuma profissão de maneira permanente. Aos trinta e sete anos,entrou na vida literária com a publicação das Vies minuscules (Vidas minúsculas), Prêmio França Cultura, sendo aclamado por todos. Este livro é uma série de contos ou ‘’vidas’’de pessoas amigas do narrador em seus tempos de criança e que ele encontrou ou reencontrou mais tarde em sua vida de errante. Todos os textos são muito densos, com um estilo profundo que o situa na filiação de Julien Gracq ou de Louis-René des Forêts. A narração considerada em sua totalidade se assemelha ao gênero autobiográfico, não como uma confissão mas como uma exploração do destino do narrador como escritor, em proa ao desafio de terminar o livro com sucesso.

Depois deste livro, Pierre Michon publicou outros textos curtos e notáveis sobre o destino de Rimbaud (Rimbaud o filho) e, levado por uma inspiração podendo ser qualificada de romanesca, ele escrevu  :La Grande Beune (A Grande Beune) e, mais recentemente, Abbés. É assim que ele continua uma obra exigente e discreta que está sendo cada vez mais reconhecida pelo público.

Vidas minúsculas[editar | editar código-fonte]

Publicada pela primeira vez em 1984, esta autobiografia é composta de pequenas histórias, de contos que narram passagens da vida de pessoas, de pessoas simples que Pierre Michon conheceu ou das quais ouviu falar e que ele faz reviver pela escritura.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Vies minuscules (Vidas minúsculas), Gallimard (1984) e Folio (1996)
  • Vie de Joseph Roulin( Vida de Joseph Roulin), Verdier (1988), ISBN 2-86432-066-5
  • L'empereur d'Occident (O Imperador do Ocidente) de Pierre Alechinsky, Fata Morgana (1989) ; reeditado por Verdier Poche (2007) sem ilustrações ISBN 978-2-86432-493-5
  • Maîtres et serviteurs(Mestres e servidores), Verdier (1990), ISBN 2-86432-110-6
  • Rimbaud le fils(Rimbaud o filho), Gallimard (1991). Em português: Sulina, 2000.
  • La Grande Beune( O Grande Beune), Verdier (1996)
  • Le roi du bois( O rei do bosque), Verdier (1996), ISBN 2-86432-229-3
  • Mythologies d'hiver(Mitologias do inverno), Verdier (1997), ISBN 2-86432-264-1
  • Trois auteurs(Tres autores), Verdier (1997), ISBN 2-86432-263-3
  • Abbés, Verdier (2002), ISBN 2-86432-363-X
  • Corps du roi(Corpo do rei), Verdier (2002), Prix Décembre(Prêmio Dezembro), ISBN 2864323664
  • Le roi vient quand il veut : propos sur la littérature(O rei vem quando quer :propósitos sobre a literatura), Albin Michel (2007) ISBN 978-2-226-17968-5
  • Les onze(Os onze), Editeur : Verdier, Lagrasse, France ,(04/2009), ISBN 978-2-86432-552-9

Estudos[editar | editar código-fonte]

  • Vincent Pélissier, Autour du Grand Plateau’’(Sobre o palco de teatro e estúdio de cinema), com Pierre Bergounioux, Alain Lercher, Jean-Paul Michel, Pierre Michon, Richard Millet, Tulle, Edições Mille Sources, 2002.
  • Compagnies de Pierre Michon (Companhias de Pierre Michon), Théodore Balmoral- Edições Verdier, Lagrasse, 1993, (contribuições de Pierre Bergounioux, Richard Blin, Christian Bobin, Michel Deguy, Françoise Hàn, Christian Jambet, Yvan Leclerc, Jean-Michel Maulpoix, Claude Mouchard, Pierre Pachet, Jean-Baptiste Para, Jacques Réda, Jean-Pierre Richard, Gérard Titus-Carmel, ISBN 2-86432-185-8
  • Le Matricule des Anges( Matrícula dos Anjos), n° 5, dezembro de 1993-janeiro de 1994.
  • « Dossier Pierre Michon »(Dossiê Pierre Michon) em Prétexte, n° 9, 1996.
  • « Dossier Pierre Michon »( Dossiê Pierre Michon), La Femelle du Requin(A Fêmea do tubarão), n° 9, été 1997.
  • Scherzo, n° 5, novembro-dezembro 1998, (contribuições de Yves Charnet, François Bon, Jean-Claude Pinson, Wyatt Mason, Sabine et Patrick Boucheron).
  • De Revisor, n° spécial, Pays-Bas, dezembre 2000 (contribuições de P. F. Thomése, Martin de Haan Rokus Hofstede, Anneke Brassinga, Jacob Groot).
  • Pierre Michon, L’écriture absolue(A escritura total), textos reunidos por Agnès Castiglione, publicação da Universidade de Saint-Étienne, 2002.
  • Catherine Sauvard, « L'hypothèse paternelle, Pierre Michon et Jacques Lacan »(A hipótese paternal, Pierre Michon e Jacques Lacan), em Les Lettres de la Société de Psychanalyse Freudienne, n° 19, juin 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Pierre Michon
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em francês, cujo título é «Pierre Michon».
  • (em francês) Pierre Michon :"Sur le site des publications Verdier" [1]
  • (em francês) Pierre Michon :"Sur le site remue.net " [2]
  • (em francês) Pierre Michon :"Documentation critique sur les œuvres de Pierre Michon" (site Auteurs.contemporain.info) [3]
  • (em francês) Pierre Michon :"Entretien et critiques revue La Femelle du Requin" [4]
  • (em francês) Pierre Michon :"Sur le site de la revue Culture a confine:Trois auteurs [5]