Pilares da Criação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pilares da Criação na Nebulosa da Águia.

Os pilares da criação são aglomerados de poeira e gás com tamanho interestelar na nebulosa da Águia, situado há cerca de 6.500-7.000 anos-luz da Terra.[1] No nome, "pilares" é sugestivo ao formato do lugar, e a parte "Criação" originou-se devido ao local ser um enorme berço de estrelas. Sua primeira imagem, datada em 1 de abril de 1995, foi tirada pelo telescópio espacial Hubble.[2]

Características[editar | editar código-fonte]

Composição[editar | editar código-fonte]

Os pilares são, basicamente, compostos de hidrogênio molecular, que tem sido, além de vitais para o nascimento de novas estrelas, erodido por foto-evaporação, devido à forte exposição à luz violeta gerada à estrelas tecnicamente próximas.[3] Conforme isso vai acontecendo, pequenos globos de gases dentro da nuvem são expostos. Estes globos tem sido chamados "EGGs" — um acrônimo para "Evaporating Gaseous Globules" (PTBR: Globos de evaporação de gás). As sombras dos EGGs protegem o gás, resultando em estruturas como formato semelhante à um dedo no topo dos pilares. O tamanho do maior pilar está em torno de 6 anos luz de altura. O local, abriga ainda, um grande aglomerado de estrelas jovens, que se formaram ali.[4]

Provável destruição[editar | editar código-fonte]

Segundo a NASA (National Aeronautics and Space Administration - Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço) os pilares não existem mais. Vemos o que era antigamente por conta da velocidade da luz. Imagens mais recentes tiradas com o telescópio espacial Spitzer mostraram uma nuvem quente em torno dos pilares da criação. O que foi o bastante para ser interpretado por muitos como sendo uma onda de choque gerada por uma supernova. O formato da nuvem, sugere que a supernova explodiu há cerca de 6.000 anos e devastou as três colunas.[5] Considerando a distância de 7.000 anos luz da terra, dentro de 1.000 anos a explosão será visível aqui na Terra.[6] Há ainda outra teoria defendida por outros astrônomos, que argumentam que esta nuvem quente nada mais é do que uma emissão de radio e raio-x maior do que esperado para a supernova, e que a poeira poderia ter sido aquecida pelo vento estelar. Se este for o caso, os pilares da criação vão sofrer uma erosão mais gradual.[7]

Fotografias[editar | editar código-fonte]

Hubble[editar | editar código-fonte]

Fotografia de 2014.

A imagem obtida pelo telescópio é uma junção de 32 imagens de quatro câmeras diferentes. As cores foram emitidas pelos elementos da nuvem que são: verde para hidrogênio, vermelho para enxofre ionizado e azul para átomos de oxigênio duplamente ionizados.[8]

A parte que falta da imagem no canto superior direito decorre do fato de que uma das quatro câmeras tem uma visão ampliada dessa parte, o que permite aos astrônomos ver detalhes mais finos. Assim, as imagens dessa câmera são reduzidas em tamanho proporcional para combinar com as outras três câmeras.

Herschel[editar | editar código-fonte]

Em 2010, o observatório espacial Herschel, capturou uma nova imagem em ondas longas de infravermelho, que permitiu aos astronomos verem dentro dos pilares e suas estruturas e assim, chegar a uma compreensão muito mais ampla das forças criativas e destrutivas no interior da Nebulosa da Águia.[9]

Revisita do Hubble[editar | editar código-fonte]

Em comemoração dos 25 anos desde o lançamento do Telescópio Espacial Hubble, os astrônomos reuniram uma fotografia maior e com maior resolução dos Pilares da Criação que foi revelada em janeiro de 2015 na reunião da American Astronomical Society, em Seattle.[10]

Referências

  1. Clavin, Whitney. «'Elephant Trunks' in Space». Consultado em 9 de março de 2011 
  2. Best Hubble Space telescope images from Space.com. [archived copy]
  3. «NOVA | Origins | The Pillars of Creation image 1». PBS. Consultado em 13 de fevereiro de 2012 
  4. «The Birth of Stars». Csep10.phys.utk.edu. Consultado em 13 de fevereiro de 2012 
  5. Flagey, Nicholas; et al. (Janeiro de 2009). «The Eagle Nebula Unveiled by the Spitzer/MIPSGAL Survey». Bulletin of the American Astronomical Society. 41 (1): 37. Bibcode:2009AAS...21332401F 
  6. Lovett, Richard. «Photo in the News: Supernova Destroys "Pillars of Creation"». Consultado em 13 de março de 2011 
  7. Shiga, David (10 de janeiro de 2007). «'Pillars of creation' destroyed by supernova». Consultado em 4 de maio de 2012 
  8. «NOVA | Origins | The Pillars of Creation image 3». PBS. Consultado em 13 de fevereiro de 2012 
  9. «Revisiting the 'Pillars of Creation'». NASA. 18 de janeiro de 2012. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  10. «Hubble Goes High-Definition to Revisit Iconic 'Pillars of Creation'». NASA. 5 de janeiro de 2015. Consultado em 6 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]