Pitaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pitaia-branca (Hylocereus undatus), rosa por fora

A pitaia[1], também conhecida como fruta-do-dragão[2], é o fruto de várias espécies de cactos epífitos dos gêneros Hylocereus e Selenicereus, nativas de regiões da América Central e México, também cultivadas em Israel, no Brasil e na China. O termo "pitaia" significa "fruta escamosa". Existem três espécies, todas muito comercializadas pelos seus frutos, que lhes dão os nomes: a pitaia-branca (rosa por fora e branca por dentro), a pitaia-amarela (amarela por fora e branca por dentro) e a pitaia-vermelha (avermelhada por dentro e por fora). A planta da pitaia só floresce à noite (com grandes flores brancas), pelo que as suas flores abarcam o rol das várias plantas chamadas de flor-da-noite[3].

Pitaia-vermelha (Hylocereus monacanthus)

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

O fruto da Hylocereus undatus dá, ainda, pelos nomes comuns de fruta-dragão e fruta-gelatina.[3] As flores da mesma planta, dão ainda pelos nomes de rainha-de-honolulu e rainha-da-noite.[3]

Clima e solo[editar | editar código-fonte]

Pitaia-amarela (Selenicereus megalanthus)
Flores da pitaia, no Havai
Pitaia

A pitaia pode ser cultivada de 30 até 700 metros acima do nível do mar. Quanto às condições edafoclimáticas, carece de climas razoavelmente quentes, mostrando um desenvolvimento opimo em zonas em que a média das temperaturas se situe entre os 18 e os 26 °C.[2][4] Do que toca à precipitação, os valores mais adequados rondam os 500 e os 700 milímetros de chuva. Privilegia os solos ricos em matéria orgânica, com boa drenagem, de textura franco-arenosa e onde não haja alagamentos.[4]

Fruta[editar | editar código-fonte]

Existem três variedades, todas com a pele folhosa:

A fruta pode pesar entre 50-1000 gramas e seu interior, que é ingerido cru, é doce e tem alto nível de calorias. Da fruta se faz suco ou vinho; as flores podem ser ingeridas ou usadas para fazer chá. As sementes se assemelham às do gergelim e se encontram dispersas no fruto cárneo.

Crê-se que a variedade de interior vermelho é rica em antioxidantes.

A pitaia (Hylocereus) dá em cactos como este.

Utilização[editar | editar código-fonte]

Composição nutricional[editar | editar código-fonte]

[6]

Pitaia Vermelha Polpa Branca

100g

Acido ascórbico (Vitamina C) 25.0 mg
Cálcio 6.0 mg
Calorias 40.1
Carboidratos 9.2g
Proteínas 0.15g
Fibra 0.3g
Fósforo 19.0 mg
Gorduras 0.1g
Ferro 0.4 mg
Niacina 0.2 mg

Referências

  1. Infopédia. «pitaia | Definição ou significado de pitaia no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 11 de março de 2021 
  2. a b «Pitaia, a fruta do dragão!». dica.madeira.gov.pt. Consultado em 11 de março de 2021 
  3. a b c Duarte, Amílcar (2020). 4º Simpósio Nacional de Fruticultura (PDF). Col: Actas Portuguesas de Horticultura, N.º 32. Lisboa: [s.n.] p. 245-250. 475 páginas. ISBN 978-972-8936-35-8 
  4. a b Le Bellec, F. (2006). Pitahaya (Hylocereus spp) - a new fruit crop, a market with a future. Cambridge: Cambridge University Press. p. 237-250. doi:10.1051/fruits:2006021 
  5. Ariffin, Abdul Azis; Bakar, Jamilah; Tan, Chin Ping; Rahman, Russly Abdul; Karim, Roselina & Loi, Chia Chun (2008). Essential fatty acids of pitaya (dragon fruit) seed oil.. Food Chemistry.
  6. [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]