Pitaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pitaia-branca (Hylocereus undatus), rosa por fora

Pitaia (do espanhol pitaya, e este do latim Pitahaya)[1] é o nome dado ao fruto de várias espécies de cactos epífitos dos gêneros Hylocereus e Selenicereus, nativas de regiões da América Central e México, também cultivadas em Israel, no Brasil e na China. O termo pitaia significa "fruta escamosa". É também chamada de fruta-dragão em algumas línguas, como o inglês e em línguas asiáticas. Existem três espécies, todas muito comercializadas pelos seus frutos, que lhes dão os nomes: a pitaia-branca (rosa por fora e branca por dentro), a pitaia-amarela (amarela por fora e branca por dentro) e a pitaia-vermelha (avermelhada por dentro e por fora). Como a planta da pitaia só floresce pela noite (com grandes flores brancas), suas flores são algumas das várias plantas chamadas de "flor da noite".

Pitaia-vermelha (Hylocereus monacanthus)

Clima e solo[editar | editar código-fonte]

Pitaia-amarela (Selenicereus megalanthus)

A pitaia pode ser cultivada de 30 até 700 metros acima do nível do mar, desde que as temperaturas sejam em média de 14 a 32°C, com chuvas de 500 a 3.600 mm/ano, mas se adapta também a climas mais secos.

Fruta[editar | editar código-fonte]

Existem três variedades, todas com a pele folhosa:

A fruta pode pesar entre 50-1000 gramas e seu interior, que é ingerido cru, é doce e tem alto nível de calorias. Da fruta se faz suco ou vinho; as flores podem ser ingeridas ou usadas para fazer chá. As sementes se assemelham às do gergelim e se encontram dispersas no fruto cárneo.

Crê-se que a variedade de interior vermelho é rica em antioxidantes.

A pitaia (Hylocereus) dá em cactos como esse da foto.

Utilização[editar | editar código-fonte]

Composição nutricional[editar | editar código-fonte]

[3]

Pitaia Vermelha Polpa Branca

100g

Acido ascórbico 25.0mg
Cálcio 6.0mg
Calorias 40.1
Carboidratos 9.2g
Proteínas 0.15g
Fibra 0.3g
Fósforo 19.0mg
Gorduras 0.1g
Ferro 0.4mg
Niacina 0.2mg

Referências

  1. «Pitaia». Michaelis On-Line. Consultado em 2016-06-15. 
  2. Ariffin, Abdul Azis; Bakar, Jamilah; Tan, Chin Ping; Rahman, Russly Abdul; Karim, Roselina & Loi, Chia Chun (2008). Essential fatty acids of pitaya (dragon fruit) seed oil.. Food Chemistry.
  3. http://www.lideragronomia.com.br/2012/10/pitaya.html

Referência bibliográfica[editar | editar código-fonte]