Planar (gráfico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em computação gráfica, planar é o método de representar cores de pixels com vários bitplanos de memória RAM. Cada bit num bitplano está relacionado a um pixel da tela. Diferentemente dos gráficos chunk, highcolor ou truecolor, os dados completos para um pixel individual não estão numa locação específica da RAM, mas espalhados pelos bitplanos que constituem o display.

Por exemplo, num display chunk, cada byte representa um pixel. Três pixels numa linha serão armazenados da forma como se segue, onde até 256 cores diferentes estão disponíveis:

Byte 0: 00000000 = Pixel preto
Byte 1: 00000001 = Pixel azul
Byte 2: 00000010 = Pixel verde

Por outro lado, o armazenamento de dados planares poderia usar 2 bitplanos, provendo um display de 4 cores:

Uma linha de 8 pixels pretos:
Plano 0, Byte 0: 00000000
Plano 1, Byte 0: 00000000

Uma linha com 1 pixel azul, 2 pixels pretos, 1 pixel verde, 4 pixels pretos:
Plano 0, Byte 0: 10000000
Plano 1, Byte 0: 00010000

Acrescentar um terceiro plano disponibilizaria 23=8 cores. Onde menos de 256 cores são necessárias, gráficos planares economizam RAM, em comparação com gráficos chunk. Exemplo: para exibir 8 cores usando 3 bitplanos, de forma que cada pixel possui 3 bits designados para ele em vez de 8, reduz os requisitos de memória e largura de banda em 62,5%. Esta economia era mais significativa na década de 1980 e início dos anos 1990 quando RAM rápida era cara e a maioria dos gráficos de computador exibiam menos de 256 cores.

Uma desvantagem dos gráficos planares é que mais ciclos de endereçamento de RAM eram necessários para rolagem de tela e animações, embora estas operações possam ser tornadas mais rápidas por meio de hardware dedicado.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]