Possidônio Carneiro da Fonseca Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Possidônio Carneiro da Fonseca Costa (Rio de Janeiro, 10 de julho de 1815 – Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 1854), primeiro Rei de Armas do Império do Brasil. Foi escrivão de nobreza e fidalguia, junto ao Cartório de Nobreza e Fidalguia, durante muitos anos. Era capitão da Guarda Nacional.

Era filho do Dr. José Maria da Fonseca Costa e Libânia Carneiro da Silva. Era irmão da viscondessa de Fonseca Costa, sobrinho do marquês da Gávea, neto do capitão Manuel Álvares da Fonseca Costa, e primo-irmão do visconde de Majé, do barão de Barra Grande, do barão de Suruí, do visconde da Penha e da segunda condessa de Tocantins. Descendia dos primeiros povoadores da cidade do Rio de Janeiro; chegados ainda no século XVI.

No fim da vida, enlouqueceu. Morreu em 1854, aos 38 anos. Os livros e papéis que estavam em seu poder, que remontavam do período joanino ao Primeiro Reinado, estão desaparecidos. Acredita-se que Fonseca Costa os tenha destruído.

Seu sucessor como Rei de Armas, Luís Aleixo Boulanger, tentou reaver o conteúdo dos registros desaparecidos.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.