Proteção magnética nuclear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A proteção magnética nuclear é a prática de reduzir o campo electromagnético num espaço nuclear, bloqueando o campo electromagnético com barreiras feitas de condutores de materiais magnéticos. A proteção magnética que bloqueia a radiação electromagnética de radiofrequência também é conhecida como proteção RF .[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 1941, Willis E. Lamb apresentou na Physical Review 60 a expressão inicial sobre a constante de proteção magnética. Neste trabalho o desenvolvimento da expressão da constante de proteção magnética (tensor proteção magnética) foi elegantemente realizada através dos fundamentos do eletromagnetismo clássico.[1]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Lamb obteve a referida expressão

Onde H” é o campo secundário produzido pela orbital molecular quando irradiado por um pulso de rf, e = carga e-. esta expressão é também demonstrada de uma forma mais didática

onde Na = ρ , onde ρ é a densidade de carga do sistema e J é densidade de corrente, como a carga eletrônica está circulando ao redor do núcleo, tem uma velocidade (ω x r) em cada ponto de coordenadas r, referidas ao núcleo como origem. Logo a densidade de carga pode ser expressa,

como

onde

(Z)

pela lei de Biot-Savart ,temos

(X)

a junção de (Z) com (X) , temos

Em 1950, Norman F. Ramsey apresentou um trabalho na Physical Review 78 , o qual desenvolveu duas expressões para a proteção magnética nuclear. Como o campo magnético do núcleo não é igual ao campo externo aplicado devido ao campo secundário que surge do movimento dos elétrons na orbital molecular. A expressão para a contribuição do elétron para o campo magnético foi mostrada consistindo em duas partes.[1] A primeira é um termo simples que é semelhante à correção diamagnética desenvolvida por Lamb para átomos. O segundo é complicado surgindo do paramagnetismo de segunda-ordem e é análogo ao termo dependente nos elementos de matriz de freqüência na teoria do diamagnetismo molecular. Debaixo de circunstancias o termo paramagnético de segunda-ordem pode ficar muito grande.

Desde que ambos termos são alterados quando o mesmo núcleo está em moléculas diferentes, eles explicam o efeito químico que foi informado por vários observadores em medidas de momentos nucleares pelo menos parcialmente e talvez completamente.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

campo magnético

momento magnético

Referências

  1. a b c Bathista, André Luis Bonfim Bathista e Silva (2013). André Luis Bonfim .Bathista e Silva, ed. Elementos Históricos de Ressonância Magnética Nuclear (PDF). Ressonância Magnética Nuclear. 1 1 ed. Instituto de Física de São Carlos: [s.n.] 48 páginas