Raio iônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O raio iônico é medido em picómetros { 1 pm=10−12 m ou ångström ( 1 Å=10−10 m )}, e como o raio atômico, é a distância entre o centro do núcleo do átomo até o elétron estável mais afastado do mesmo, porém não fazendo referência a um átomo, mas ao seu íon (cátion ou ânion), visto que o ganho ou a perda de elétrons  são fatores determinantes no tamanho de um átomo, assim como sua carga nuclear.[1]

Raio iônico dos cátions[editar | editar código-fonte]

No caso dos cátions, a perda dos elétrons faz com que o número de cargas positivas (prótons) no núcleo exceda o número de cargas negativas(elétrons) na nuvem eletrônica, dessa forma, o núcleo exerce maior atração nos níveis diminuindo o tamanho efetivo do átomo original.[2]

Raio iônico dos ânions[editar | editar código-fonte]

Já no caso dos ânions, o ganho de elétrons faz com que o número de cargas negativas na nuvem eletrônica exceda o número de cargas positivas no núcleo, fazendo com que a repulsão entre os elétrons se torne mais efetiva do que a atração exercida pelos prótons do núcleo, assim o tamanho original do átomo aumenta.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Theodore L. Brown, H. Eugene LeMay Jr (1 de janeiro de 2005). Química: A Ciência Central, 9ª ed (2005) [REGULADO] + respostas. [S.l.: s.n.] 
  2. «Raio iônico. Definição de Raio iônico - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 28 de março de 2018. 
  3. «Raio iônico. Definição de Raio iônico - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 28 de março de 2018.