Realidade de consenso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Realidade de consenso ou realidade consensual é aquilo que é geralmente aceito como sendo realidade, com base em uma visão de consenso.[1][2]

A dificuldade com a questão decorre da preocupação de que os seres humanos não compreendem plenamente de fato ou concordam sobre a natureza do conhecimento ou ontologia, e consequentemente não é possível ter-se certeza além da dúvida do que é real.[3][4] Assim, esta linha de lógica conclui, não podemos de fato ter certeza além de qualquer dúvida sobre a natureza da realidade. Podemos, no entanto, procurar obter alguma forma de consenso, com os outros, do que é real. Podemos usar este consenso pragmático como um guia, ou na hipótese de que ele pareça aproximadamente algum tipo de realidade válido, ou simplesmente porque é mais "prático" do que as alternativas percebidas. A realidade de consenso visa, portanto, a conceitos acordados de realidade que as pessoas, ou uma cultura ou grupo, tem no mundo, acreditando o que seja verdadeira (real ou tratado como), geralmente com base em suas experiências comuns como acreditam que sejam; quem não concorda com isto é às vezes definido como "em efeito ... vivendo em um mundo diferente."[5]

Referências

  1. "Reality by Consensus": An Analysis of the Metapragmatic and Therapeutic Dimensions of Vampiric Live Action Role-playing. Reviews Indiana University, 1998. - books.google.com.br
  2. Quantum Consciousness. By Lily Splane. Pg 51
  3. Lakoff, George (1987). Women, Fire, and Dangerous Things: What Categories Reveal About the Mind. [S.l.]: University of Chicago Press. 259 páginas. ISBN 0-226-46804-6. In summary, Putnam has shown that existing formal versions of objectivist epistemology are inconsistent; there can be no objectively correct description of reality from a God's eye point of view. This does not, of course, mean that there is no objective reality—only that we have no privileged access to it from an external viewpoint. 
  4. Putnam, Hilary (1981). Reason, Truth, and History. Cambridge: Cambridge University Press 
  5. Stork, David G., editor (1998). Hal's Legacy: 2001's Computer as Dream and Reality. [S.l.]: MIT Press. p. 201. ISBN 0-262-69211-2 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]