Recuperação de desastres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Recuperação de desastre (RD), ou plano de resposta a sinistros (português de Portugal), do inglês disaster recovery (DR), envolve um conjunto de políticas e procedimentos para permitir a recuperação ou continuação da infraestrutura de tecnologia e sistemas vitais na sequência de um desastre natural ou provocado pelo homem.[1] A recuperação de desastre foca na TI ou sistemas de tecnologia que suportam funções de negócio críticas,[2] em oposição à continuidade do negócio, que envolve manter todos os aspectos essenciais de um negócio em funcionamento apesar de eventos disruptivos significantes. A recuperação de desastre é, portanto, um subconjunto da continuidade do negócio.[3]

O plano de recuperação de desastres é composto, por cenários e procedimentos, que deverão ser aplicados sempre que ocorrer uma falha devido a alguma inconsistência provocada em virtude de ameaças como incêndios, inundações, vandalismo, sabotagem ou falhas de tecnologia.

É conhecido como DRP - disaster recovery plan, os planos normalmente são desenvolvidos pelos gestores de ativos, muitas vezes por exigências de regulamentações internacionais como a lei Sarbanes-Oxley, Bacen 3380, ISO 27000, ou devido a exigências de acionistas ou do próprio negócio.

Geralmente é composto de três fases

  • Programa de Administração de Crise
Plano desenvolvido em conjunto, com definição de atividade, pessoas, dados lógicos e físicos
  • Plano de Continuidade Operacional
Possui diretivas do que fazer em cada operação em caso de desastres
  • Plano de Recuperação de Desastres
É a aplicação na prática do plano de continuidade operacional

Estratégias[editar | editar código-fonte]

Antes de selecionar uma estratégia de recuperação de desastres, um planejador de recuperação de desastre primeiro refere-se ao plano de continuidade de negócios da sua organização, que deverá indicar as principais métricas de objetivo de ponto de recuperação (RPO) e objetivo de tempo de recuperação (RTO) para vários processos de negócios (como o processo de execução de folha de pagamento, geração de uma ordem, etc.). As métricas especificadas para os processos de negócios são então mapeadas para os sistemas de TI subjacentes e infraestrutura que suportam esses processos.[4]

RTOs e RPOs incompletos podem rapidamente desviar-se de um plano de recuperação de desastres. Cada item no plano de RD requer um ponto de recuperação definido e um objetivo de tempo, uma vez que a incapacidade de criá-los pode levar a problemas significativos que podem estender o impacto do desastre.[5] Uma vez que as métricas de RTO e RPO foram mapeadas para infraestrutura de TI, o planejador da RD pode determinar a estratégia de recuperação mais adequado para cada sistema. A organização, em última análise define o orçamento de TI e, portanto, as métricas de RTO e RPO precisam se encaixar com o orçamento disponível. Enquanto a maioria dos chefes das unidades de negócios gostaria de zero perda de dados e perda de tempo zero, o custo associado a esse nível de proteção pode fazer as soluções de alta disponibilidade desejadas impraticável. Uma análise custo-benefício muitas vezes dita que sejam implementadas medidas de recuperação de desastres.

Algumas das estratégias mais comuns para a proteção de dados incluem:

  • backups feitos em fita e enviados off-site em intervalos regulares
  • backups feitos para o disco on-site e automaticamente copiados para o disco off-site, ou feito diretamente no disco off-site
  • replicação de dados para um local off-site, o que supera a necessidade de restaurar os dados (apenas os sistemas em seguida, precisam ser restaurados ou sincronizados), muitas vezes fazendo uso de tecnologia de rede de área de armazenamento (SAN)
  • soluções de Nuvem Privada que replicam os dados de gestão (VMs, modelos e discos) para os domínios de armazenamento, que são parte da configuração de nuvem privada. Estes dados de gerenciamento são configurados como uma representação XML chamada OVF (Open Virtualization Format), e podem ser restaurados a partir da base de dados em caso de ocorrência de um desastre.
    Por exemplo, recuperação de desastres com oVirt.[6]
  • soluções de Nuvens Híbridas que replicam tanto on-site e off-site dos centros de dados. Estas soluções fornecem a capacidade de fail-over instantaneamente para hardware on-site local, mas no caso de um desastre físico, os servidores podem ser criados em centros de dados de nuvem também. Exemplos incluem Quorom,[7] rCloud da Persistent Systems[8] ou EverSafe.[9][10]
  • a utilização de sistemas de alta disponibilidade que mantêm ambos os dados e sistema replicados off-site, permitindo o acesso contínuo a sistemas e dados, mesmo depois de um desastre (muitas vezes associado com armazenamento em nuvem)[11]

Em muitos casos, uma organização pode optar por usar um provedor de recuperação de desastres terceirizado para fornecer um site e sistemas de stand-by em vez de utilizar as suas próprias instalações remotas, cada vez mais através de computação em nuvem.

Além de preparar-se para a necessidade de recuperar os sistemas, as organizações também implementam medidas cautelares com o objetivo de prevenir um desastre, em primeiro lugar. Estas podem incluir:

  • espelhos locais de sistemas e/ou dados e uso de tecnologia de proteção de disco como RAID
  • protetores contra surtos - para minimizar o efeito de picos de energia em equipamentos eletrônicos sensíveis
  • uso de uma fonte de alimentação ininterrupta (UPS) e/ou gerador de backup para manter os sistemas funcionando em caso de uma falha de energia
  • sistemas de prevenção/mitigação de incêndio, tais como alarmes e extintores de incêndio
  • software anti-vírus e outras medidas de segurança

Referências

  1. Disaster recovery. Computer Business Research... Retrieved 3 August 2012.
  2. Systems and Operations Continuity: Disaster Recovery. Georgetown University. University Information Services. Retrieved 3 August 2012.
  3. Disaster Recovery and Business Continuity, version 2011. IBM. Retrieved 3 August 2012.
  4. Gregory, Peter. CISA Certified Information Systems Auditor All-in-One Exam Guide, 2009. ISBN 978-0-07-148755-9. Page 480.
  5. «Five Mistakes That Can Kill a Disaster Recovery Plan». Dell.com. Consultado em 22 de junho de 2012 
  6. Import Storage Domain feature handling Disaster Recovery in oVirt
  7. Site to site business continuity Site to Site replication solutions
  8. Instant Disaster Recovery supporting all Backup Software
  9. Hybrid Cloud Business Continuity Hybrid Cloud Business Continuity and Disaster Recovery Solutions
  10. Disaster Recovery and Business Continuity Disaster Recovery and Business Continuity
  11. Brandon, John (23 de junho de 2011). «How to Use the Cloud as a Disaster Recovery Strategy». Inc. Consultado em 11 de maio de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre Administração é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.