Reduto de Castelo Branco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

O Reduto de Castelo Branco localizava-se na freguesia de Castelo Branco, no concelho da Horta, na costa sul da ilha do Faial, nos Açores.

Em posição dominante sobre este trecho do litoral, constituiu-se em uma fortificação destinada à defesa deste ancoradouro contra os ataques de piratas e corsários, outrora frequentes nesta região do oceano Atlântico.

História[editar | editar código-fonte]

Poderá ter sucedido o 1º Forte de Castelo Branco e o 2º Forte de Castelo Branco.

A "Relação" do marechal de campo Barão de Bastos em 1862 refere-o e informa que "Tem uma caza arruinada" e que se encontra arruinado. A seu respeito observa ainda: "Idem Idem" ("Pode desde já desprezar-se, porque alem de não ser efficaz para a defeza da ilha, por isso é que esta é acessível por todos os lados, e as fortificações se achão tão arruinadas que teria de se fazer avultadas despezas para a sua reedificação.")[1]

Encontra-se referido como "Reduto de Castelo Branco" no "Dicionário Corográfico dos Açores":

"Um grande morro assente sobre uma pequena península, ligada a terra por um istmo muito estreito. Sobre este morro se construiu um reduto e por ser de pedra branca, deu o nome à povoação."[2]

Esta elevação ergue-se a 148 metros acima do nível do mar.

A estrutura não chegou até aos nossos dias.

Referências

  1. BASTOS, 1997:270.
  2. Op. cit., p. 84. Entretanto, se o reduto é que deu nome à povoação, tratar-se-á do 1º ou do 2º redutos de Castelo Branco, que lhe são anteriores.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BASTOS, Barão de. "Relação dos fortes, Castellos e outros pontos fortificados que se achão ao prezente inteiramente abandonados, e que nenhuma utilidade tem para a defeza do Pais, com declaração d'aquelles que se podem desde ja desprezar." in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. LV, 1997. p. 267-271.
  • RIBEIRO, José Rodrigues. Dicionário Corográfico dos Açores. Angra do Heroísmo (Açores): SREC/DRaC, 1979. 326p. tabelas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.