República de Córdova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
República de Córdova
República de Córdova
Califato de Córdoba - 1000-pt.svg
1031 – 1070 Location map Taifa of Seville.svg
Localização de República de Córdova
Continente Europa
Capital Córdova
Religião Islão, cristianismo, judaísmo
Governo República
História
 • 1031 Fundação
 • 1070 Dissolução

A República de Córdova foi uma taifa republicana e independente que surgiu em 1031 em Al-Andalus por causa da desintegração que, de 1008, vinha sofrendo o Califado de Córdova e que desapareceria em 1091 após ser conquistada pela Taifa de Sevilha às mãos de Almutâmide.

Após a queda do Califado Omíada, Al-Andalus começou a fraturar-se em pequenos Emirados independentes, os chamados reinos de taifas. Córdova, como centro do poder e sede do Califado foi a última em declarar-se independente.[1] Após a abdicação do último califa e a sua fuga de Córdova, a cidade ficou sem liderado. Um conselho de notáveis da cidade decidiu dar o poder ao xeique mais proeminente; Abul Hazm Iauar ibne Maomé. Este desenvolveu um sistema de governo pseudo-republicano, com um conselho de estado de ministros e juízes com o qual consultaria antes de tomar qualquer decisão política. Assim, sob Abul Hazm, Córdova foi governada por uma elite coletiva em lugar de um só emir, como era comum em outras taifas. De fato, mais que ver-se a si mesmo como o senhor da povoação, Abul Hazm via-se como o protetor de Córdova, que cuidava da cidade e os seus habitantes.

Abul Hazm governou a cidade de 1031 até a sua morte em 1049, quando foi sucedido pelo seu filho Abul Ualide Maomé. Abul Ualide continuou o governo benevolente do seu pai durante outros 21 anos. À medida que se foi fazendo maior, Abul Ualide começou a ceder o poder da República de Córdova aos seus dois filhos: Abderramão de Córdova e Abdal Malique de Córdova.

Os dois irmãos pronto enfrentaram-se, até Abdal Malique conseguir arrebatar todo o poder a Abderramão. O confronto fraternal desestabilizou a República e Abdal Malique recorreu ao Emir de Sevilha, Abade II Almutadide. A cooperação entre Córdova e Sevilha alarmou o Emir de Toledo, Almamune, quem mandou um exército para sitiar Córdova e capturar a Abdal Malique.

A ocupação toledana de Córdova durou até Maomé ibne Abade Almutâmide suceder o seu pai como Emir de Sevilha em 1069. Almutâmide derrotou o exército toledano em 1070, mas em lugar de libertar Córdova a capturou e a anexou a Taifa de Sevilha. Abdal Malique foi feito prisioneiro e posteriormente exilado à ilha de Saltês, o que marcou o fim da República Cordovesa.

Referências

  1. Viguera Molins, María Jesús. Los reinos de taifas y las invasiones magrebíes, Mapfre, Madrid 1992 nova edição 2007. RBA. ISBN 84-473-4815-6 páginas 131-134

Bibliografia[editar | editar código-fonte]