Respiração cutânea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Plethodon glutinosus, espécie de salamandra que não possui pulmão e apenas realiza respiração cutânea.

A respiração cutânea ocorre em animais que não apresentam estruturas especializadas para a realização de trocas gasosas (a respiração pulmonar pode representar 70% e a respiração cutânea pode chegar a contribuir com 30% do total). Nesse estágio evolutivo, estas se realizam por difusão realizada pelas células superficiais (pele). Esse tipo de respiração ocorre em protistas, poríferos, cnidários, platelmintos, asquelmintos, anelídeos e cefalocordados. Ocorre também, não como única forma de trocas gasosas, em anelídeos poliquetas, moluscos e até mesmo em anfíbios. Os anfíbios só podem realizar a respiração cutânea quando estão dentro ou em contato com a água. A pele dos anfíbios é muito fina e também é responsável por "pegar" a água para eles, pois os anfíbios não tem como a obter por meio da boca. A respiração cutânea é basicamente um auxílio, pois o anfíbio não da conta de obter todo o oxigênio com a respiração pulmonar, porque possui circulação dupla e incompleta, ou seja, o sangue que vai para seu corpo não está totalmente purificado.[1][2]

Referências

  1. «Respiração Cutânea». TodaBiologia. Consultado em 17 de fevereiro de 2018 
  2. «Respiração Cutânea». Portal São Francisco. Consultado em 17 de fevereiro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.