Revolução de Abril (Coreia do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o movimento ocorrido na Venezuela, veja Revolução de 19 de Abril de 1810. Para a revolução que ocorreu em Portugal, veja Revolução de 25 de Abril de 1974.
Coreanos protestando durante a Revolução de Abril

A Revolução de Abril (conhecido na Coreia como 4·19 혁명), também chamada de Revolução de 19 de Abril ou Movimento de 19 de Abril, foi uma revolta popular que aconteceu entre 11 e 26 de abril de 1960, liderada por grupos trabalhistas e estudantis, que derrubou o governo autocrático de Syngman Rhee, encerrando a Primeira República da Coreia do Sul. A renúncia de Rhee possibilitou a transição do país para uma Segunda República.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

As eleições presidenciais de 15 de março de 1960 foram marcadas:

  1. pela morte do candidato da oposição: Chough Pyung-ok, no dia 15 de fevereiro, o que fez com que Syngman Rhee concorresse como candidato único[2] [3];
  2. pelas denúncias de fraudes envolvendo a disputa pela vice-presidência[4] [5].

Nesse contexto, na noite do dia 15 de março, ocorreram protestos, em Masan, que foram duramente reprimidos[6].

No dia 11 de abril, um pescador descobriu, no porto de Masan, o cadáver de um estudante do ensino médio que havia desaparecido durante os distúrbios de 15 de março. As autoridades anunciaram que a causa da morte teria sido: afogamento, mas muitos rejeitaram essa explicação e alguns manifestantes forçaram a entrada no hospital onde seu corpo estava mantido. Eles constataram que o crânio do estudante tinha sido destruído por uma granada de gás lacrimogêneo. Isso indicava que a polícia tinha disparado a granada em um ângulo inferior a 45 graus, o que teria provocado a morte.

O regime de Rhee tentou censurar as notícias deste incidente, no entanto, a história foi relatada pela imprensa coreana juntamente com uma foto do corpo do estudante, logo após o resgate. A Associated Press divulgou a foto pelo mundo. Em Masan, ocorreram protestos em massa espontâneos que levaram a novos confrontos violentos[7].

No dia 18 de abril, as manifestações chegaram à capital Seul. Estima-se que 186 pessoas foram mortas durante as duas semanas de protesto.[8] [9]

No dia 19, em Seul, milhares de estudantes foram às ruas e marcharam até a Casa Azul, a residência oficial do presidente. Estima-se que 100 mil pessoas participaram dessa marcha para pedir a renúncia de Rhee do poder. A polícia que protegia o palácio presidencial abriu fogo e matou 180 pessoas. Depois disso, o governo declarou lei marcial.[10]

No dia 25 de abril de 1960, professores, líderes trabalhistas e civis de todas as idades se juntaram aos estudantes e as manifestações se tornaram gigantescas. Em um sinal de ruptura com o governo, o exército e a polícia se recusaram a obedecer ordens de reprimir os manifestantes. Os protestos ganharam força devido a denúncias de corrupção e má gestão da economia por parte do regime, que na última década se tornava cada vez mais autoritário.[11]

No dia a 26 de abril de 1960, o presidente Rhee renunciou. No dia seguinte, Lee Ki-Poong, o vice presidente do país que havia sido usado como bode expiatório dos escândalos de corrupção, cometeu suicídio, junto com sua família. O ministro do interior e chefe da segurança, Choi In-Kyu, que havia comandado a repressão em Masan, também renunciou.[1]

A renúncia de Rhee levou ao fim do governo do Partido Liberal. A Coreia do Sul passou então a ser uma república parlamentarista, com o Parlamento assumindo o controle da nação, sob a direção do primeiro-ministro Chang Myon. Em 13 de agosto, Yun Bo-seon foi eleito o novo presidente.[1]

O país, contudo, permaneceu instável politicamente, levando a um golpe de estado pelo exército, em maio de 1961, que e colocou o general Park Chung-hee no poder. A Coreia do Sul ficou sob comando de uma junta militar autocrática. Em 1963, foi proclamada a Terceira República.[12]

Referências

  1. a b c "April 19th student revolution in South Korea 1960". Página acessada em 15 de agosto de 2015.
  2. Andrew C. Nahm and James E. Hoare, Historical Dictionary of the Republic of Korea (Scarecrow Press, 2004), p21
  3. II. The Vice Presidency - The Death of Chough Pyong-ok and the Foul Play in the March 15 Election
  4. South Korea: a country study, em inglês, acesso em 12/09/2021.
  5. The April 1960 Korean Student Movement, em inglês, acesso em 12/09/2021.
  6. From Protest to Change of Regime: The 4-19 Revolt and the Fall of the Rhee Regime in South Korea, em inglês, acesso em 12/09/2021.
  7. [http://english.chosun.com/site/data/html_dir/2008/07/07/2008070761019.html 60 Years of the Republic: The End of Syngman Rhee's Rule © This is copyrighted material owned by Digital Chosun Inc. No part of it may be reproduced or transmitted in any form or by any means without prior written permission.], em inglês, acesso em 12/09/2021.
  8. "Remembering April 19, 1960 Student Revolution". Página acessada em 15 de agosto de 2015.
  9. Remembering the April 19 Revolution, em inglês, acesso em 11/09/2021.
  10. Rhee, Moon Young (18 de abril de 2011). «4·19때 경찰이 계엄사령관에 총탄 10만발 빌려달라 요청». Hankyoreh. Consultado em 25 de maio de 2013 
  11. Brazinsky, Gregg. Nation Building in South Korea. [S.l.]: The University of North Carolina Press. ISBN 978-0807861813 
  12. Seuk-Ryule, Hong. 2002. "Reunification Issues and Civil Society in South Korea: The Debates and Social Movement for Reunification during the April Revolution Period, 1960–1961." Journal of Asian Studies 61, no. 4: 1237.