Khami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ruínas de Khami)
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Ruínas de Khami *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Khamiruins3.jpg
Ruínas de uma parede em Khami
País  Zimbabwe
Critérios (iii)(iv)
Referência 365
Coordenadas 20° 9′ S 28° 22′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 1989  (13ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Khami (também escrito Khame, Kame ou Kami) é uma cidade em ruínas localizada a 22 quilômetros a oeste de Bulawayo, no sul do Zimbabwe. No passado, era a capital do Reino de Butua da Dinastia Torwa, que se desenvolveu depois do Grande Zimbabwe ter sido abandonado em meados do século XIV. Na atualidade, é um monumento nacional e Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1986.

A descoberta de objectos da Europa e da China revelam que Khami foi um importante centro comercial durante um longo período. Pelo seu grande significado para a história do homem, este local foi inscrito pela UNESCO em 1986 na lista dos locais que são Património da Humanidade.

Khami era a capital do Estado Torwa entre os séculos XV e XVII, formado por “refugiados” do colapso do Primeiro Estado do Zimbabwe (ver História de Moçambique). O “mambo” (“rei”) ocupava a parte mais alta da cidade, uma cidadela bem protegida e rodeada pelas residências dos aristocratas, enquanto que as classes trabalhadoras viviam fora da zona murada. As casas dos ricos eram construídas sobre plataformas formadas por paredes maciças de pedra, cheias com terra e ornamentadas com hematite e grafite.

A parte norte do complexo, sobre uma colina, contém a cidadela real, onde foi encontrado um pequeno tesouro, numa plataforma semicircular no topo de três degraus. O principal acesso a esta plataforma era coberto por um telhado de adobe, cujos suportes se encontram ainda de pé.

As ruínas ao sul de Khami contêm várias estruturas interessantes: plataformas de terra batida que se pensa terem servido como currais; muito perto, o “mujejeje”, uma pedra ressonante que toca como um sino; e a lindamente decorada muralha com seis metros de altura e 60 de comprimento da Plataforma do Precipício, com um desenho em xadrês ao longo de toda a sua extensão.

A comunidade de Khami floresceu até à sua invasão pelos povos Ndebele de Mzilikazi durante a década de 1830. A partir dessa altura, a cidadela foi conservada como “reserva real” – um lugar sagrado e secreto, escondido dos olhos dos Europeus - até 1893. Neste ano, Lobengula teve de fugir das hordas de colonos e o complexo ficou nas mãos dos “ladrões legais” da Companhia das Antigas Ruínas da Rodésia (Rhodesia Ancient Ruins Company).

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Monumento é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.