Sérgio Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por o designer, veja Sérgio Rodrigues (designer). Se procura por o nadador, veja Sérgio Rodrigues (nadador). Se procura por o jogador de basquete, veja Sergio Rodríguez.
Sérgio Rodrigues
O autor no Salão do Livro de Paris 2015
Nascimento 1962 (59 anos)
Muriaé
Prémios Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura (2014)
Género literário romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus O Drible
Página oficial
www.srodrigues.com.br

Sérgio Rodrigues (Muriaé, 1962) é um escritor, jornalista e crítico literário brasileiro, vencedor do 12° Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura (2014) nas categorias Romance e Grande Prêmio pelo livro "O drible" (Companhia das Letras), um drama de família que tem como pano de fundo cinco décadas de história do futebol brasileiro.[1]

Radicado no Rio de Janeiro desde 1979, é autor de diversos livros, foi editor-executivo da revista eletrônica "NoMínimo" e trabalhou como repórter, editor e colunista nas principais empresas de comunicação do país. Atualmente é colunista semanal do caderno Cotidiano do jornal Folha de S. Paulo e roteirista do programa Conversa com Bial, da TV Globo.[2] O trabalho como pesquisador e colunista nas áreas de gramática e linguística rendeu um de seus livros mais recentes, o almanaque "Viva a língua brasileira!", publicado em setembro de 2016.

O romance "O drible" (2013) foi lançado em abril de 2014 na Espanha, com o título "El regate" e tradução de Juan Pablo Villalobos, e em francês como "Dribble" no ano seguinte, traduzido por Ana Sardinha e Antoine Volodine. Saiu ainda em Portugal. Segundo o jornalista João Máximo, trata-se do "melhor romance já escrito sobre futebol em qualquer idioma".

Durante a Copa do Mundo de 2014, publicou no jornal francês Le Monde um folhetim policial em 24 capítulos chamado "Jules Rimet, meu amor"[3], sobre o roubo da taça da FIFA conquistada definitivamente pela seleção brasileira em 1970. O folhetim foi publicado em português como novela no livro "A visita de João Gilberto aos Novos Baianos".

O romance "Elza, a garota" foi publicado também em Portugal, em 2010, e lançado nos EUA, com tradução de Zoë Perry e o título "Elza: the girl", em setembro de 2014.[2]

Pelo conjunto da obra, Rodrigues recebeu o Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro 2011 na categoria Literatura.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O homem que matou o escritor (contos, 2000)
  • Manual do mané (humor, 2003), em coautoria com Arthur Dapieve e com Gustavo Poli.
  • What língua is esta? (crônicas e artigos, 2005)
  • As sementes de Flowerville (romance, 2006)
  • Elza, a garota (romance, 2009)
  • Sobrescritos: 40 histórias de escritores, excretores e outros insensatos (contos, 2010)
  • O drible (romance, 2013)
  • Jules Rimet, meu amor (novela, 2014)
  • Viva a língua brasileira! (almanaque, 2016)
  • Cartas brasileiras (coletânea, 2017), organizador
  • A visita de João Gilberto aos Novos Baianos (contos, 2019)

Referências

  1. Sérgio R vence Telecom Folha de S. Paulo
  2. a b «Autores brasileiros: Sérgio Rodrigues». Agência RIFF. Consultado em 21 de outubro de 2010 [ligação inativa]
  3. Sérgio Rodrigues (12 de junho de 2014). «Jules Rimet, meu amor». Le Monde. Consultado em 29 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.