Sérgio Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o designer, veja Sérgio Rodrigues (designer).
Sérgio Rodrigues
O autor no Salão do Livro de Paris 2015
Nascimento 1962 (55 anos)
Muriaé,  Brasil
Prémios Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura (2014)
Género literário Romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus O Drible
Página oficial
www.srodrigues.com.br

Sérgio Rodrigues (Muriaé, 1962) é um escritor, jornalista e crítico literário brasileiro, vencedor do 12o. Grande Prémio Portugal Telecom de Literatura (2014) nas categorias Romance e Grande Prêmio pelo livro "O drible" (Companhia das Letras), um drama de família que tem como pano de fundo cinco décadas de história do futebol brasileiro.[1]

Radicado no Rio de Janeiro desde 1979, é autor de diversos livros e foi editor-executivo da revista eletrônica "NoMínimo". É colunista semanal do caderno Cotidiano do jornal Folha de S. Paulo e mantém os blogs "Todoprosa", sobre literatura, e "Melhor dizendo", sobre a língua portuguesa.[1] O trabalho como pesquisador e colunista nas áreas de gramática e linguística rendeu seu livro mais recente, o almanaque "Viva a língua brasileira!", publicado em setembro de 2016.

O romance "O drible" (2013) foi lançado em abril de 2014 na Espanha, com o título "El regate" e tradução de Juan Pablo Villalobos, e em francês como "Dribble" no ano seguinte, traduzido por Ana Sardinha e Antoine Volodine. Saiu ainda em Portugal e na Dinamarca. Segundo o jornalista João Máximo, trata-se do "melhor romance já escrito sobre futebol em qualquer idioma".[2]

Durante a Copa do Mundo de 2014, publicou no jornal francês Le Monde um folhetim policial em 24 capítulos chamado "Jules Rimet, meu amor"[2], sobre o roubo da taça da FIFA conquistada definitivamente pela seleção brasileira em 1970. O folhetim foi lançado em português no formato e-book.

O romance "Elza, a garota" foi publicado também em Portugal, em 2010, e lançado nos EUA em setembro de 2014.[1]

Pelo conjunto da obra, recebeu o Prêmio de Cultura do Estado do Rio de Janeiro 2011 na categoria Literatura.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O homem que matou o escritor (contos, 2000)
  • Manual do mané (humor, 2003), em coautoria com Arthur Dapieve e com Gustavo Poli.
  • What língua is esta? (crônicas e artigos, 2005)
  • As sementes de Flowerville (romance, 2006)
  • Elza, a garota (romance, 2009)
  • Sobrescritos: 40 histórias de escritores, excretores e outros insensatos (contos, 2010)
  • O drible (romance, 2013)
  • Jules Rimet, meu amor (novela, 2014)
  • Viva a língua brasileira! (almanaque, 2016)

Referências

  1. a b «Autores brasileiros: Sérgio Rodrigues». Agência RIFF. Consultado em 21 de outubro de 2010 
  2. Sérgio Rodrigues (12 de junho de 2014). «Jules Rimet, meu amor». Le Monde. Consultado em 29 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.