Síndrome compartimental abdominal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2010). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Medicina.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

Síndrome compartimental abdominal é o aumento da pressão intra-abdominal a ponto de provocar mau funcionamento ou falência de vários órgãos como rins, coração, pulmão, fígado e trato gastrointestinal. Possui causas e tratamentos diversos.

Tecnicamente, pode ser definida como pressão intra-abdominal (PIA) constantemente maior que 20mmHg mais a falência de pelo menos um órgão.

Não deve ser confundido com hipertensão intra-abdominal, que seria o aumento da PIA acima de 16,2mmHg, podendo ou não ocorrer anormalidades na perfusão de alguns órgãos e queda do débito urinário. A PIA normal varia de 0 a 12mmHg.

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

A principal característica é o aumento da pressão abdominal a ponto de comprimir vasos sanguíneos agravando em primeiro lugar o retorno venoso para o coração e a a drenagem de sangue renal. Como o diafragma tem dificuldade de se expandir, existe uma restrição na ventilação.

A pressão abdominal acima de 12mmHg já pode provocar distúrbios de perfusão.

Para o entendimento leigo[editar | editar código-fonte]

Uma síndrome compartimental ocorre quando a pressão dentro de uma cavidade ou loja anatômica aumenta a ponto de bloquear o fluxo venoso e/ou arterial de sangue da região.

Quando ocorre um trauma ou pancada no braço, por exemplo, ocorre uma inflamação e inchaço da região. Contudo, o braço não tem a capacidade de edemaciar indefinidamente. Os músculos da sua estrutura estão envoltos por uma membrana resistente, chamada fáscia, que delimita um espaço anatômico. Após certo ponto, o inchaço dos músculos do braço aumenta a pressão nesse espaço anatômico, fazendo com que nem mesmo o sangue consiga vencer tal resistência. Seria como um “fusca lotado”: muita gente em um espaço bem apertado, não sobra nem entra oxigênio suficiente para todos.

Isso pode ocorrer em várias regiões do corpo: o glaucoma do globo ocular(compartimento delimitado pela esclera), a hipertensão intra-craniana (compartimento delimitado pelo crânio), a síndrome compartimental da perna (fáscia da perna) e na cavidade abdominal (compartimento delimitado por músculos, fáscias e o osso da pelve).

A Síndrome Compartimental Abdominal é patologia de gravidade e comprometimento sistêmico, pois o bloqueio de fluxo sanguíneo implica o comprometimento de grandes vasos (como a veia cava) e de órgãos nobres como rins e pulmão.

Órgãos acometidos e suas alterações[editar | editar código-fonte]

Coração: O aumento da resistência vascular periférica e queda do retorno venoso levam à queda do débito cardíaco.

Sistema nervoso central: aumento da pressão intra-craniana.

Pulmão: Aumenta pressão intratorácica e diminui a ventilação e expansibilidade pulmonar devido à restrição do diafragma.

Rim: diminui fluxo sanguíneo e taxa de filtração glomerular. Queda do débito urinário.

Gastrointestinal: Diminui fluxo sanguíneo. Queda do pH, isquemia.

Na medicina como regra mnemônica usamos para a síndrome compartimental os "5Ps" Pain (DOR) Pulseless(Diminuição do pulso) Parestesia Paralisia Palidez

Etiologia[editar | editar código-fonte]

Fechamento com tensão do abdômen

Ascite e acumulo de fluido intra abdominal

Massa e tumores intra-abdominais

Pancreatite

Obstrução intestinal

Excesso de fluidos (infusão de soro fisiológico)

Trauma abdominal, pack abdominal para controle de hemorragias

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O objetivo principal é tratar causa de base. O tratamento complementar pode ser cirúrgico ou não cirúrgico.

Não cirúrgico[editar | editar código-fonte]

Medidas gerais como jejum, esvaziamento intestinal com enemas, laxantes e passagem de sonda nasogástrica.

Controle rigoroso do balanço hídrico

Analgesia e sedação adequados.

Drenagem de excesso de fluidos da cavidade abdominal por paracentese (para retirada de ascite, por exemplo).

Cirúrgico[editar | editar código-fonte]

Abertura da cavidade abdominal e fechamento quando o processo de base esfriar, como a diminuição do edema das alças intestinais. A cavidade abdominal pode ser mantida aberta utilizando-se a Bolsa de Bogotá, que consiste na proteção das vísceras expostas ao ar livre com uma bolsa plástica para evitar sua desidratação e perda de calor.