Seminário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: ""Seminarista"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Seminarista (desambiguação). Para outros significados, veja Seminário (desambiguação).

O seminário é uma instituição educacional dedicada à formação de seus candidatos ao cargo de ministro do evangelho. Os estudantes são os "seminaristas" e recebem preparação cultural e Teológica, bem como filosófica, e espiritual. Há os seminários católicos, que preparam os futuros padres e os seminários evangélicos que preparam os futuros Pastores de suas respectivas denominações.

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

O primeiro e único seminário para formação de ministros eclesiásticos anterior ao Concílio de Trento era o de Valência, Espanha, fundado por São Tomás de Vilanova. Em princípio, era um seminário para a formação dos futuros clérigos diocesanos cujos candidatos eram geralmente pobres – daí a preocupação de Tomás por criá-lo.

Já posteriormente, a história dos seminários tem origem no decreto emanado em 1563 durante a fase conclusiva do Concílio de Trento, quando foi decidida a instituição para garantir aos candidatos ao ministério uma maior preparação cultural e uma formação espiritual mais profunda. Foi fundamental a contribuição original de São Bartolomeu dos Mártires, na definição institucional e material dos seminários.

Há diversos tipos de seminários: os seminários menores recebem alunos mais novos, que não estão ainda em idade para o ensino superior.[1]Os seminários maiores incluem os alunos que estão já na última etapa da sua formação para o sacerdócio e que frequentam o curso superior de Teologia. Além destes, de forma um pouco diferente existem os pré-seminários, que recebem potenciais ingressantes nos seminários.

A vida dentro de um seminário divide-se entre alguns tempos de oração – sobretudo de manhã –, a missa diária, as aulas, os serviços comuns, os tempos de convívio, de estudo e de preparação de atividades pastorais. Na formação apresentada por um seminário católico é observado geralmente quatro dimensões, sendo elas: a dimensão espiritual (oração, inclusive a Missa), a dimensão intelectual (aprendizado, estudo e aulas), a dimensão comunitária (convivência, relações humanas-afetivas, caridade) e a dimensão pastoral (sua capacidade de desenvolver trabalhos propostos pela Igreja em meio ao povo e a comunidade de atuação), tudo isso em vista da preparação para um futuro sacerdote colaborador.

Cristianismo evangélico[editar | editar código-fonte]

As Igrejas evangélicas também têm seminários. Geralmente, a formação é de licenciatura em Teologia.[2] E, inclusive, há seminários protestantes que são de orientação interdenominacional ou que funcionam como agências independentes de ensino teológico.

Significados alternativos[editar | editar código-fonte]

Outro significado significativo de "seminário" é o seminário acadêmico, que é uma apresentação científica, literária ou artística oral utilizada para fins avaliativos.

Outra definição ainda possível é o de um grupo de estudos, pesquisas, hipóteses, planejamentos, teses, opiniões, teorias, análises, ideias, projetos, pensamentos ou discussões a respeito de determinado assunto.

Referências

  1. William J. Collinge, Historical Dictionary of Catholicism, Scarecrow Press, USA, 2012, p. 399-400
  2. Michel Deneken, Francis Messner, Frank Alvarez-Pereyre, La théologie à l'Université: statut, programmes et évolutions, Editions Labor et Fides, France, 2009, p. 132