Oráculos Sibilinos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sibilinas Cristãs)
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicione esta.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Disambig grey.svg Nota: Para livros pagãos da Sibila de Cumas, veja Livros Sibilinos.

Oráculos Sibilinos ou Sibilinas Cristãs é o nome dado a um conjunto de oráculos, de origem pouco definida mas com um carácter claramente judaico-cristão, que tiveram larga difusão desde o período anterior à cristianização do Império Romano até finais da Idade Média. Os Oráculos Sibilinos são por vezes incluídas entre as Escrituras Apócrifas.

A designação deriva dos oráculos que eram produzidos pela Sibila (ou pelas diversas Sibilas da antiguidade), profetisas divinamente inspiradas que previam o futuro. Nos tempos anteriores à cristianização, os oráculos produzidos pelas Sibilas eram cuidadosamente guardados (em Roma no Templo de Júpiter Capitolino) e consultados apenas em momentos de grave crise.

Os oráculos, ou o que deles o povo conhecia ou intuía, já que os verdadeiros oráculos eram ciosamente guardados, eram de grande importância na vida religiosa da comunidade e exerciam uma grande influência na opinião pública (no contexto da época). Aproveitando esta popularidade e influência dos oráculos, grupos judeus produziram oráculos (provavelmente por alteração de outros que circulariam) contendo doutrinas e ensinamentos judaicos. Nasceram assim as Sibilinas Judaicas, que rapidamente se tornaram num poderoso veículo de propaganda religiosa.

Com a expansão do cristianismo, as Sibilinas Judaicas foram adoptadas pelos cristãos e novas foram criadas, transformando-se num importante veículo de propaganda da nova fé. Nasceram assim as Oráculos Sibilinos.

Todas elas foram escritas no mesmo estilo, aparentemente entre os séculos I e IV da era cristã (embora algumas sejam provavelmente anteriores a 180 a. C), constando de longas sequências de versos hexâmetros originalmente escritos em grego homérico. O seu conteúdo é muito diversificado, contendo alusões a diversos acontecimentos anteriores, a cidade, imperadores e outros governantes, num contexto de aparente predição do futuro. Muitas estão truncadas ou apresentam indícios de serem a junção de diversas, dados as súbitas mudanças de assunto.

As Oráculos Sibilinos foram frequentemente citadas pelos autores cristãos da antiguidade, incluindo Santo Agostinho. Com a expansão do cristianismo, o interesse pelas Sibilinas foi progressivamente diminuindo, mas ainda assim tiveram ampla difusão na Idade Média. As Oráculos Sibilinos foram utilizadas por diversos pensadores e escritores místicos, particularmente em contextos gnósticos e milenaristas.

A influência das Sibilinas é clara em autores como Joaquim de Flora e Nostradamus. Uma razoável colecção de Sibilinas sobreviveu até aos nossos dias, existindo diversas edições em várias línguas. São conhecidos actualmente 12 livros (embora alguns autores subdividam o Livro VIII em três livros, apontando assim o total como 14 livros).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]