Sieg Heil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Outubro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Maio de 1935: cidadãos alemães saúdam em Berlim seu Führer (líder), Adolf Hitler.

Sieg Heil é uma expressão alemã que significa "salve a vitória" ou "viva a vitória".[1] Foi muito utilizada durante o período Nazi, sobretudo a partir dos anos 30, e conjugando-se frequentemente com a saudação de Hitler, ou seja, Heil Hitler, que significa "Salve Hitler".[1]

O termo Sieg Heil era reservado a encontros de massas, como as de Nuremberga, onde este era proferido em uníssono por milhares de simpatizantes. Geralmente um oficial nazi proferia ao microfone Sieg, repto a que as massas respondiam com o termo Heil, e então repetia-se o termo várias vezes aumentando-se o tom de voz. Também os soldados geralmente levavam banners com o slogan Sieg Heil junto com a suástica.

O partido nazista fez um pingente em 1933 mostrando a guirlanda da vitória, a suástica e as palavras Sieg Heil.

Origem[editar | editar código-fonte]

A expressão em si surgiu durante uma reunião, quando Joseph Goebbels disse Sieg Heil e todos o acompanharam. No entanto, uma pessoa próxima de Hitler, Ernst Hanfstaengl, alega que Hitler criou o termo.[carece de fontes?]

Desde que o nazismo ingressou na guerra, esse termo se tornou uma forma de enfatizar a ideia de que os arianos seriam uma raça superior. Portanto, saudar a guerra era como dizer que todos os inimigos seriam eliminados, e um modo pseudo-darwinista (evolucionista) de se dizer que a seleção artificial seria colocada em prática.

Crime por uso[editar | editar código-fonte]

Proferir a frase na Alemanha hoje pode acarretar até três anos de prisão como punição. O mesmo vale para expressões que equivalham a Sieg Heil. Entretanto, usá-la para arte ou aulas ou ciências é isento de punições. A utilização dessa frase no Brasil é compreendida como crime pela seguinte lei:

 "§ 1º Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)
       Pena: reclusão de dois a cinco anos e multa.(Incluído pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)"[2]

Em 2008, um motorista austríaco foi demitido por se despedir dos passageiros com o microfone do bonde usando tal expressão.[1] O uso de símbolos nazistas também é crime na Áustria.[1]

Referências

DE-pahyl.svg A Wikipédia possui o