Expressão idiomática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Uma expressão idiomática ou idiotismo (do grego ίδιωτισμὀς, que vem do latim idiotismus[1] ) é um conjunto de duas ou mais palavras que se caracteriza por não ser possível identificar o seu significado mediante o sentido literal dos termos que constituem a expressão. Assim, sua tradução literal não faz sentido numa outra língua de estrutura análoga, por ter um significado não dedutível dos significados dos elementos que a constituem. Desta forma, em geral, é muito difícil ou mesmo impossível traduzir as expressões idiomáticas para outras línguas, sendo o caso de expressões como "A vaca foi para o brejo", "Cair o Carmo e a Trindade" e "Ver Braga por um canudo".

As expressões idiomáticas muitas vezes estão associadas a gírias, jargões ou contextos culturais específicos a certos grupos de pessoas que se distinguem pela classe, idade, região, profissão ou outro tipo de afinidade. Muitas destas expressões têm existência curta ou ficam restritas ao grupo onde surgiram, enquanto algumas outras resistem ao tempo e acabam por ser usadas de forma mais abrangente, extrapolando o contexto original. Neste último caso, a origem histórica do seu significado muitas vezes perde-se de todo ou fica limitada a um relativamente pequeno grupo de usuários da língua.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  • Em inglês
I am going to call him – Traduzindo literalmente: Eu estou indo para chamá-lo (em vez de, por exemplo, "Eu vou ligar para ele")
It is raining cats and dogsEstão chovendo cães e gatos (em vez de, por exemplo, "Está chovendo canivete")
He's trembling like a leafEle está tremendo como uma folha (em vez de "Ele treme como vara verde")
  • Em francês
Poser un lapinColocar um coelho (em vez de, por exemplo, "dar o bolo" ou "não comparecer a um compromisso")
Ça va? - Isso vai? (em vez de, por exemplo, "Tudo bem?/Você está bem?")

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Em inglês[editar | editar código-fonte]

Na língua inglesa, o termo idiom corresponde ao conceito de "expressão idiomática" em português. Segundo o linguista John Saeed, um "idiom" pode ser definido como "um conjunto de palavras que se tornou fixo, petrificado, através do tempo e do uso" [2] . Essa justaposição de palavras, originalmente usada por um grupo determinado, altera a definição literal de cada palavra ali posicionada e cria um significado novo e original, desta forma enriquecendo a linguagem. A importância dos "idioms" em inglês é às vezes ainda maior que a das expressões idiomáticas no português, visto que o inglês tem carência, num certo sentido, de certas palavras e expressões.

Deve-se observar que o termo idioma em português, significa uma língua (corrente ou extinta) falada por seres humanos e usada como instrumento de comunicação oral e/ou escrita. Desta forma a palavra "idioma" não dever ser traduzida para o inglês por idiom e sim por language.

Referências

  1. "etimo" (em francês). Consult. 2 de Janeiro de 2016. 
  2. Saeed, John I. (2003), Semantics. 2nd edition. Oxford: Blackwell (em inglês).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Casa da Mãe Joana, de Reinaldo Pimenta (Editora Campus, Rio de Janeiro).
  • A Vida Íntima das Palavras – Origem e Curiosidades da Língua Portuguesa, de Deonísio da Silva (Editora Arx, São Paulo).
  • As Faces Secretas das Palavras, de Ana Costa, Ana Ferreira e Alice Póvoa (Edições Asa, Porto).
  • Dicionário de Expressões Correntes, de Orlando Neves (Editorial de Notícias, Lisboa).
  • Tesouro da Fraseologia Brasileira, Antenor Nascentes (editora Nova Fronteira).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]