Calque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em linguística, e mais precisamente em lexicologia, etimologia e linguística comparada, chama-se calque, calco ou decalque a um procedimento de formação de palavras que consiste em cunhar novos termos mediante a tradução de vocábulos estrangeiros e conforme as estruturas da língua de origem. É um tipo de empréstimo léxico particular, no qual o termo emprestado foi traduzido literalmente de uma língua para a outra, considerando mais a forma do que a ideia. Portanto, é basicamente uma tradução do empréstimo. Em consequência, pode-se dizer que um calque é menos criativo do que um neologismo nativo (a exemplo dos termos 'proativo', 'acessar' e 'deletar' , do inglês; 'parapente', do francês; 'esbórnia', do italiano) e mais criativo do que um empréstimo de palavra estrangeira.

Trata-se de um recurso usado especialmente quando se quer exprimir um conceito novo, chegado do exterior, e não se quer adotar a palavra estrangeira. Para alguns autores, no entanto, esse tipo de empréstimo pode ser bastante problemático. Segundo o linguista italiano Vittore Pisani (1899 – 1990), alguns puristas, tentando escapar de influências externas, recorrem ao decalque - não percebendo que "enquanto eliminam um elemento puramente exterior, introduzem, por meio do calco, uma forma de pensamento bem mais perigosa para a essência da língua nacional". [1]

Na língua portuguesa, há inúmeros exemplos de decalque. São principalmente lexias compostas e majoritariamente provindas do inglês.[2]

Em geral, distinguem-se calques semânticos e morfológicos.

Calque semântico[editar | editar código-fonte]

A criação de uma palavra pode simplesmente consistir em dar um significado novo a um termo já existente. Por exemplo, em anos recentes, o verbo realizar tem sido usado, na linguagem coloquial, no sentido de 'perceber' ou 'dar-se conta de algo'. Tal acepção não é portuguesa, mas provém do inglês to realize, e a sua admissibilidade é discutível. Da mesma forma, é usado o termo 'salvar' com referência à memorização digital. Nesse caso também se trata de um calco semântico do inglês to save, que prevê também essa acepção.

Calque morfológico[editar | editar código-fonte]

No calco morfológico ou estrutural, uma palavra composta pode ser criada a partir de uma combinação de elementos anteriormente desconhecida na língua de chegada. É o caso da palavra 'arranha-céu' - um calco morfológico do inglês skyscraper - criado porque não existia, em português, uma palavra apropriada para indicar esse tipo de edificação.

Presença dos mesmos calques em diferentes idiomas[editar | editar código-fonte]

A existência de correspondentes idênticos (ou quase idênticos) em diversas línguas indica a existência de decalques. [2]

Possíveis calques presentes em várias línguas
Português Inglês Francês Italiano Espanhol
cartão postal post card carte postale cartolina postale tarjeta postal
conta-gotas drop counter compte-gouttes contagocce cuentagotas
conto de fadas fairy tale conte de fées racconto di fate cuento de hadas
guarda-roupas wardrobe garde-robe guardaroba guardaropas
jogo de azar game of chance jeu de hasard gioco d'azzardo juego de azar
lente de contato contact lens lentilles de contact lente a contatto lente de contacto
lista negra blacklist liste noire lista nera lista negra
lua-de-mel honeymoon lune de miel luna de miele luna de miel
ovelha negra black sheep mouton noire pecora nera oveja negra
palavras cruzadas crossword mots croisés parole crociate palabras cruzadas
palavra de honra word of honor parole d’honneur parola d’onore palabra de honor
passatempo pastime passe-temps passatempo pasatiempo
roleta russa russian roulette roulette russe roulette russa ruleta rusa
sexo frágil gentle sex sexe faible sesso debole sexo débil
tênis de mesa table tennis tennis de table tennis da tavolo tenis de mesa
terceiro mundo third world thiers monde terzo mondo tercer mundo

Exemplos de calques do inglês para o português[editar | editar código-fonte]

Locuções e palavras portuguesas calcadas no inglês
Termo original inglês Calque
air conditioner condicionador de ar
automation automação
cable TV TV a cabo
electronic mail (ou e-mail) correio eletrônico
fiberglass fibra de vidro
free-thinker livre-pensador
high-fidelity alta-fidelidade
high society alta sociedade
high technology alta tecnologia
hot dog cachorro-quente
honeymoon lua de mel
introjection introjeção
loudspeaker alto-falante
miniskirt minissaia
remote control controle remoto
single simples
social climber alpinista social
stagflation estagflação
skyscraper arranha-céu
computer computador[3]
server servidor[4]
supermarket supermercado
plant planta

É comum é a existência de calques análogos em várias línguas. Assim, a forma anglófona skyscraper está presente, como tradução de empréstimo, não só na língua portuguesa ('arranha-céu') mas igualmente em francês (gratte-ciel), espanhol (rascacielos), italiano (grattacielo), alemão (Wolkenkratzer, com 'nuvens' em lugar de 'céu'), russo (nieboskriob). [2]

Mas nem sempre é fácil ou possível estabelecer a língua de origem de determinada expressão que surge como decalque em outras línguas. A expressão dente do siso, por exemplo, é encontrada em francês (dent de sagesse), italiano (dente del giudizio), romeno (masea de minte) e alemão (Weisheitszahn), inglês (wisdom tooth), russo (zub mudrosti), búlgaro (madrec), húngaro (bölcsességfog) e dinamarquês (visdomstand). [2]

Certas formas verbais compostas também parecem ser, por vezes, calcadas. Frases tais como "Vou estar transferindo sua ligação", em que aparece um uso desnecessário do gerúndio, são, possivelmente, calcadas no inglês (ver future progressive ou future continuous). [5]

Mesmo frases inteiras podem ser calcadas:

Exemplos de calques fraseológicos
Frase inglesa Calque Equivalente português
Don't even think about it Nem pense nisso! Não vale a pena pensar nisso.
No chance! Sem chance ! Não há possibilidade (de isso acontecer)!
Forget about it! Pode esquecer ! Isso não será possível.
To throw the baby out with the bathwater Jogar fora o bebê com a água do banho Eliminar os erros juntamente com os acertos.[6]
Now it's history. Agora é história. Pertence ao passado. Passou.

Exemplos de calques do francês para o português[editar | editar código-fonte]

Exemples de expressões portuguesas calcadas no francês
Termo original francês Calque
avant-garde vanguarda
beaux-arts belas-artes
carte blanche carta branca
cache-sexe tapa-sexo
chef de cuisine chefe de cozinha
coup d'état golpe de estado
dame d'honneur dama de honra
dame de compagnie dama de companhia
franc-tireur franco-atirador
haute-couture alta-costura
gentilhomme gentil-homem
marché aux puces mercado de pulgas
mot d'ordre palavra de ordem
nouveau riche novo-rico
pare-brise para-brisa
vers libre versos livres
mariage de convenance casamento de conveniência
petit-bourgeois pequeno-burguês
point de vue ponto de vista
sang-froid sangue-frio
vieille garde velha guarda
tiers monde Terceiro Mundo

Calques históricos[editar | editar código-fonte]

Exemplos de palavras portuguesas calcadas no grego
Termo original grego Calque
ὑδράργυρος (transl. hudrárguros) hidrargiro

Pseudocalques[editar | editar código-fonte]

Pseudocalques são palavras que, levadas de uma cultura para outra, mudam de significado.

Nos países lusófonos, frequentemente utiliza-se, por exemplo, a palavra francesa nécessaire (em português, 'necessário') para designar uma pequena bolsa ou maleta usada para guardar objetos de asseio pessoal. Esse uso é um pseudocalco, porque, em francês, um nécessaire não indica precipuamente uma bolsa de produtos de higiene pessoal, embora possa designar uma bolsa ou estojo contendo o necessário para realizar uma atividade qualquer (nécessaire à couture, nécessaire de fumeur etc), inclusive a de fazer o asseio do próprio corpo (faire sa toilette). O pseudocalque (ou pseudocalco) deriva da expressão francesa nécessaire de/ à toilette, que, entre os lusófonos, perdeu o complemento de toilette, enquanto que, para os francófonos, esse complemento é o que especifica o objeto. [7]

Referências

  1. PISANI, Vittore. Linguistica generale e indeuropea. Torino: Rosemberg & Sellier, s.d. 225, apud MANZOLILLO, Vito César de Oliveira, Empréstimo semântico, decalque e retroversão: breve estudo do empréstimo linguístico .
  2. a b c d MANZOLILLO, Vito César de Oliveira, Empréstimo semântico, decalque e retroversão: breve estudo do empréstimo linguístico
  3. Dicionário Houaiss: 'computador'
  4. Algumas palavras como 'servidor' e 'provedor', embora já existentes na língua portuguesa há séculos, são consideradas decalques quando empregadas com significado diferente. Ver SILVA, Ana Cristina Barbosa da , Empréstimos linguísticos nos livros didáticos de português. Recife: UFPE, 2003.
  5. FREITAS, Vagner Ramos de, Tradução literal: possível origem do "gerundismo". Mariana: UFOP, 2008.
  6. Expressio
  7. TLFi: nécessaire

Ver também[editar | editar código-fonte]