SkeptiCamp

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eventos abertos SkeptiCamp

SkeptiCampssão conferências céticas, de pequeno a médio porte e de auto-organização popular, em que os membros da audiência são também os apresentadores.[1] A ênfase é o Ceticismo científico, e todos, desde os céticos casuais até os mais experientes participam.[2] O objetivo é compartilhar maneiras de divulgar o pensamento crítico para outros.[3]

O SkeptiCamp usa um modelo de evento que tem por base um conjunto de práticas adaptadas a partir do modelo de conferência do BarCamp. Como no BarCamp, todos participam, seja fazendo uma apresentação, interagindo com os palestrantes, ajudando a organizar e executar o evento, ou fazendo o que eles aprenderam e compartilhando com o mundo.[4] Uma diferença do BarCamp é que os apresentadores devem estar preparado para citar suas fontes para qualquer alegação que seja susceptível a ser questionada. A intenção desta regra é permitir que os outros possam avaliar o conteúdo de cada conversa por si mesmos.[5]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Passado[editar | editar código-fonte]

Reed Esau, fundador do SkeptiCamp, Recebendo o prêmio James Randi por Ceticismo de Interesse Público, TAM 2012.

O conceito SkeptiCamp foi fundado em 2007 por Reed Esaú,,[6] e foi parcialmente inspirado no ensaio de Daniel Loxton sobre o estado do movimento Cético ,"Where Do We Go From Here?",[7] e de participar da The Amaz!ng Meeting 2007, conferência anual que incide sobre ciência, ceticismo e pensamento crítico.[8]

Da apresentação de Loxton, Esaú escreveu: "Loxton atinge a marca de reconhecer que o entusiasmo está a desempenhar um papel fundamental no futuro do ceticismo organizado ... Os recentes desenvolvimentos habilitados por tecnologias sociais nos dá novas ferramentas para tirar proveito desse entusiasmo [9]"

A bagagem de Esaú como engenheiro de software lhe proporcionou familiaridade com o conceito de indústria de TI chamada BarCamp, um formato de conferência destinada a distribuir conhecimento dentro da comunidade técnica.[10] Esau escolheu o modelo BarCamp como base para SkeptiCamp com um objetivo semelhante:. "A oportunidade conferida pela SkeptiCamp enfatiza partilha de conhecimentos no seio das comunidades locais dos céticos. Ele estende a mão a cada um de nós e fornece um caminho concreto para crescer como um cético e ganho de proficiência nesses tópicos que dirigem nossos interesses neste domínio em benefício não só de nós mesmos como de nossos colegas céticos[9]"

O formato SkeptiCamp também permite a formação de grupos ad hoc, e evita a sobrecarga associada com canais de conteúdo mais formal. Atividades como a formação de uma organização sem fins lucrativos, eleição de oficiais, publicação de um boletins informativos, solicitação de contribuições e manutenção a liderança entusiasta enquanto evita a exaustão do organizador não são problemas com este modelo.[9]

Fort Collins, Colorado, 2011
Daniela Meli e Luis Garcia Castro, Madrid, Spain, 2012

Eventos[editar | editar código-fonte]

O primeiro SkeptiCamp foi realizada em agosto de 2007, em Denver, e foi organizado por Reed Esau junto com Rico Ludwig e Crystal Yates-White.[11] Desde a sua criação, pelo menos, 70 SkeptiCamps de que se têm conhecimento foram realizados.[12] O primeiro SkeptiCamp fora do Estados Unidos ocorreu em Vancouver, em junho de 2008. O primeiro SkeptiCamp fora da América do Norte foi organizada pelos Céticos de Edimburgo na Escócia, em agosto de 2009.[13] O primeiro SkeptiCamp não-Inglês ocorreu em Madrid, em janeiro de 2012.[14]

Nos Estados Unidos, SkeptiCamps foram organizados no Arizona, no Colorado, Georgia, Illinois, Kentucky, Maryland, Massachusetts, Minnesota, Missouri, New Hampshire, Nova Iorque, e Ohio. O conceito SkeptiCamp também tem sido muito popular fora dos Estados Unidos, com eventos em todo o Canadá, como em Alberta, British Columbia, Manitoba e Ontário, bem como Aireys Inlet, Melbourne e Sydney, na Austrália; Edimburgo, no Reino Unido; Madri e Alicante, na Espanha.

Das cidades que sediaram um SkeptiCamp em 2010, 83% sediaram outro em 2011.[15]

Participatição[editar | editar código-fonte]

SkeptiCamps são geralmente livres de custo, embora eles não foram feitos para ser livre de esforço. Todos são encorajados (embora não de forma obrigatória) a participar, de alguma forma, como ajudando na organizar o evento (ou iniciando uma SkeptiCamp em um novo local), [16] [17] ou dando uma palestra. [16][17] or giving a talk.[18] Mas todos são incentivados para contribuir com os seus pensamentos, ideias e atividades para as discussões.[10]

Formato[editar | editar código-fonte]

Não há um formato prescrito para eventos céticos abertos, mas eles geralmente envolvem a locução sem curadoria de pessoas da comunidade local de céticos. O foco não é, geralmente, na divulgação cética, mas sim sobre a partilha e desenvolvimento de habilidades para os céticos, essas coisas são o pré-requisito para real divulgação cética.[19] Para alguns eventos, palestrantes aparecem e inscrevem-se para os espaços de tempo na data de o evento, mas muitos outros têm palestrantes se inscrevendo no site do evento, sendo o horário exato dos palestrantes depois determinado pelos organizadores do evento. Para a maior parte, as apresentações são de 15 minutos a uma hora de duração, embora o evento mais antigo, SkeptiCamp Denver, geralmente limite as falas 25 minutos, e tem falas de 15 minutos também. Para seu evento de 2012, os organizadores Denver introduziram o conceito de "conversa relâmpago" de cinco minutos; Skepticamps locais têm permitido eventos de sala única e de várias salas com palestras simultâneas.[carece de fontes?]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Grosseiro[editar | editar código-fonte]

Há, por vezes, a expectativa de um evento organizado mais profissionalmente, ou a sensação de que as apresentações deveriam ser mais polidas. Isto é combatido com a observação de que o valor do modelo SkeptiCamp reside sim na sua acessibilidade, a riqueza, interação e oportunidades de crescimento pessoal.[20]

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Loxton, Daniel (2009). «The Paradoxical Future of Skepticism» (journal). The Skeptical Inquirer. 33 (6): 24–27. Consultado em 22 de março de 2012 
  2. «SkeptiCamp Main Page». SkeptiCamp Wiki. Consultado em 1 de março de 2012 
  3. Plait, Phil. «Camp Skeptic». Discover Magazine, Bad Astronomy blog. Consultado em 1 de março de 2012 
  4. «The Rules of BarCamp». Barcamp.org. Consultado em 5 de março de 2012 
  5. «The Rules of SkeptiCamp». Skepticamp.org. Consultado em 5 de março de 2012 
  6. Stollznow, Karen (24 de dezembro de 2010). «Reed Esau - SkeptiCamp: The Unconference». Point Of Inquiry. Consultado em 21 de fevereiro de 2012 
  7. Loxton, Daniel. «Where Do We Go From Here? Has classic skepticism run its course?» (PDF). Skeptic.com. Consultado em 4 de março de 2012 
  8. Farley, Tim; Easu, Reed (18 de novembro de 2008). «This One Time at SkeptiCamp…». Skepticality. Consultado em 4 de março de 2012 
  9. a b c Esau, Reed. «Raising Our Game - The Rationale to Embrace SkeptiCamp» (PDF). Skeptic Magazine website. Consultado em 1 de março de 2012 
  10. a b Bridgstock, Martin; Sturgess, Kylie (2010). «Brain Food» (PDF). The Skeptic. 30 (2): 18–21. Consultado em 24 de março de 2012 
  11. Esau, Reed (2009). «Reinventing the Skeptic Conference». The Skeptical Inquirer (journal). 33 (6): 28–29 
  12. «Events Archive». SkeptiCamp.org. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 
  13. «SkeptiCamp 2009». The Not-Quite-So-Friendly Humanist. Consultado em 6 de março de 2012 
  14. «SkeptiCamp Madrid 2012». es.Skepticamp.org. Consultado em 6 de março de 2012 
  15. Esau, Reed (18 de junho de 2012). «Leveling Up as a Skeptic - SkeptiCamp at 50 Events». Swift. James Randi Educational Foundation. Consultado em 18 de junho de 2012 
  16. Roy, Rob (24 de dezembro de 2010). «Planning Your First SkeptiCamp». JREF Swift Blog. Consultado em 12 de novembro de 2011 
  17. «Organizing a SkeptiCamp Event». Consultado em 2 de março de 2012 
  18. Plait, Phil (9 de setembro de 2009). «The Passion of the Skepticism». SkepticBlog. Consultado em 1 de março de 2012 
  19. Esau, Reed. «The Future Of Skepticism». The Amazing Meeting 2012. 14:00-19:00. Consultado em 15 de maio de 2013 
  20. Esau, Reed (17 de fevereiro de 2011). «Top 7 Reasons Why SkeptiCamp Sucks». IndieSketics. Consultado em 27 de fevereiro de 2012 

Links externos[editar | editar código-fonte]

Informação geral sobre o SkeptiCamp[editar | editar código-fonte]

Sites dos SkeptiCamps[editar | editar código-fonte]