SkeptiCamp

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eventos abertos SkeptiCamp

SkeptiCampssão conferências céticas, de pequeno a médio porte e de auto-organização popular, em que os membros da audiência são também os apresentadores.[1] A ênfase é o Ceticismo científico, e todos, desde os céticos casuais até os mais experientes participam.[2] O objetivo é compartilhar maneiras de divulgar o pensamento crítico para outros.[3]

O SkeptiCamp usa um modelo de evento que tem por base um conjunto de práticas adaptadas a partir do modelo de conferência do BarCamp. Como no BarCamp, todos participam, seja fazendo uma apresentação, interagindo com os palestrantes, ajudando a organizar e executar o evento, ou fazendo o que eles aprenderam e compartilhando com o mundo.[4] Uma diferença do BarCamp é que os apresentadores devem estar preparado para citar suas fontes para qualquer alegação que seja susceptível a ser questionada. A intenção desta regra é permitir que os outros possam avaliar o conteúdo de cada conversa por si mesmos.[5]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Passado[editar | editar código-fonte]

Reed Esau, fundador do SkeptiCamp, Recebendo o prêmio James Randi por Ceticismo de Interesse Público, TAM 2012.

O conceito SkeptiCamp foi fundado em 2007 por Reed Esaú,,[6] e foi parcialmente inspirado no ensaio de Daniel Loxton sobre o estado do movimento Cético ,"Where Do We Go From Here?",[7] e de participar da The Amaz!ng Meeting 2007, conferência anual que incide sobre ciência, ceticismo e pensamento crítico.[8]

Da apresentação de Loxton, Esaú escreveu: "Loxton atinge a marca de reconhecer que o entusiasmo está a desempenhar um papel fundamental no futuro do ceticismo organizado ... Os recentes desenvolvimentos habilitados por tecnologias sociais nos dá novas ferramentas para tirar proveito desse entusiasmo [9]"

A bagagem de Esaú como engenheiro de software lhe proporcionou familiaridade com o conceito de indústria de TI chamada BarCamp, um formato de conferência destinada a distribuir conhecimento dentro da comunidade técnica.[10] Esau escolheu o modelo BarCamp como base para SkeptiCamp com um objetivo semelhante:. "A oportunidade conferida pela SkeptiCamp enfatiza partilha de conhecimentos no seio das comunidades locais dos céticos. Ele estende a mão a cada um de nós e fornece um caminho concreto para crescer como um cético e ganho de proficiência nesses tópicos que dirigem nossos interesses neste domínio em benefício não só de nós mesmos como de nossos colegas céticos[9]"

O formato SkeptiCamp também permite a formação de grupos ad hoc, e evita a sobrecarga associada com canais de conteúdo mais formal. Atividades como a formação de uma organização sem fins lucrativos, eleição de oficiais, publicação de um boletins informativos, solicitação de contribuições e manutenção a liderança entusiasta enquanto evita a exaustão do organizador não são problemas com este modelo.[9]

Fort Collins, Colorado, 2011
Daniela Meli e Luis Garcia Castro, Madrid, Spain, 2012

Eventos[editar | editar código-fonte]

O primeiro SkeptiCamp foi realizada em agosto de 2007, em Denver, e foi organizado por Reed Esau junto com Rico Ludwig e Crystal Yates-White.[11] Desde a sua criação, pelo menos, 70 SkeptiCamps de que se têm conhecimento foram realizados.[12] O primeiro SkeptiCamp fora do Estados Unidos ocorreu em Vancouver, em junho de 2008. O primeiro SkeptiCamp fora da América do Norte foi organizada pelos Céticos de Edimburgo na Escócia, em agosto de 2009.[13] O primeiro SkeptiCamp não-Inglês ocorreu em Madrid, em janeiro de 2012.[14]

Nos Estados Unidos, SkeptiCamps foram organizados no Arizona, no Colorado, Georgia, Illinois, Kentucky, Maryland, Massachusetts, Minnesota, Missouri, New Hampshire, Nova Iorque, e Ohio. O conceito SkeptiCamp também tem sido muito popular fora dos Estados Unidos, com eventos em todo o Canadá, como em Alberta, British Columbia, Manitoba e Ontário, bem como Aireys Inlet, Melbourne e Sydney, na Austrália; Edimburgo, no Reino Unido; Madri e Alicante, na Espanha.

Das cidades que sediaram um SkeptiCamp em 2010, 83% sediaram outro em 2011.[15]

Participatição[editar | editar código-fonte]

SkeptiCamps são geralmente livres de custo, embora eles não foram feitos para ser livre de esforço. Todos são encorajados (embora não de forma obrigatória) a participar, de alguma forma, como ajudando na organizar o evento (ou iniciando uma SkeptiCamp em um novo local), [16] [17] ou dando uma palestra. [16][17] or giving a talk.[18] Mas todos são incentivados para contribuir com os seus pensamentos, ideias e atividades para as discussões.[10]

Formato[editar | editar código-fonte]

Não há um formato prescrito para eventos céticos abertos, mas eles geralmente envolvem a locução sem curadoria de pessoas da comunidade local de céticos. O foco não é, geralmente, na divulgação cética, mas sim sobre a partilha e desenvolvimento de habilidades para os céticos, essas coisas são o pré-requisito para real divulgação cética.[19] Para alguns eventos, palestrantes aparecem e inscrevem-se para os espaços de tempo na data de o evento, mas muitos outros têm palestrantes se inscrevendo no site do evento, sendo o horário exato dos palestrantes depois determinado pelos organizadores do evento. Para a maior parte, as apresentações são de 15 minutos a uma hora de duração, embora o evento mais antigo, SkeptiCamp Denver, geralmente limite as falas 25 minutos, e tem falas de 15 minutos também. Para seu evento de 2012, os organizadores Denver introduziram o conceito de "conversa relâmpago" de cinco minutos; Skepticamps locais têm permitido eventos de sala única e de várias salas com palestras simultâneas.[carece de fontes?]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Grosseiro[editar | editar código-fonte]

Há, por vezes, a expectativa de um evento organizado mais profissionalmente, ou a sensação de que as apresentações deveriam ser mais polidas. Isto é combatido com a observação de que o valor do modelo SkeptiCamp reside sim na sua acessibilidade, a riqueza, interação e oportunidades de crescimento pessoal.[20]

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Loxton, Daniel (2009). «The Paradoxical Future of Skepticism» (journal). The Skeptical Inquirer [S.l.: s.n.] 33 (6): 24–27. Consultado em March 22, 2012. 
  2. «SkeptiCamp Main Page». SkeptiCamp Wiki. Consultado em 2012-03-01. 
  3. Plait, Phil. «Camp Skeptic». Discover Magazine, Bad Astronomy blog. Consultado em 2012-03-01. 
  4. «The Rules of BarCamp». Barcamp.org. Consultado em 2012-03-05. 
  5. «The Rules of SkeptiCamp». Skepticamp.org. Consultado em 2012-03-05. 
  6. Stollznow, Karen (2010-12-24). «Reed Esau - SkeptiCamp: The Unconference». Point Of Inquiry. Consultado em 2012-02-21. 
  7. Loxton, Daniel. «Where Do We Go From Here? Has classic skepticism run its course?» (PDF). Skeptic.com. Consultado em 2012-03-04. 
  8. Farley, Tim; Easu, Reed (2008-11-18). «This One Time at SkeptiCamp…». Skepticality. Consultado em 2012-03-04. 
  9. a b c Esau, Reed. «Raising Our Game - The Rationale to Embrace SkeptiCamp» (PDF). Skeptic Magazine website. Consultado em 2012-03-01. 
  10. a b Bridgstock, Martin; Sturgess, Kylie (2010). «Brain Food» (PDF). The Skeptic [S.l.: s.n.] 30 (2): 18–21. Consultado em 24 March 2012. 
  11. Esau, Reed (2009). «Reinventing the Skeptic Conference». The Skeptical Inquirer (journal) [S.l.: s.n.] 33 (6): 28–29. 
  12. «Events Archive». SkeptiCamp.org. Consultado em 2012-02-27. 
  13. «SkeptiCamp 2009». The Not-Quite-So-Friendly Humanist. Consultado em 2012-03-06. 
  14. «SkeptiCamp Madrid 2012». es.Skepticamp.org. Consultado em 2012-03-06. 
  15. Esau, Reed (2012-06-18). «Leveling Up as a Skeptic - SkeptiCamp at 50 Events». Swift. James Randi Educational Foundation. Consultado em 18 June 2012. 
  16. Roy, Rob (2010-12-24). «Planning Your First SkeptiCamp». JREF Swift Blog [S.l.: s.n.] Consultado em 2011-11-12. 
  17. «Organizing a SkeptiCamp Event». Consultado em 2012-03-02. 
  18. Plait, Phil (2009-09-09). «The Passion of the Skepticism». SkepticBlog [S.l.: s.n.] Consultado em 2012-03-01. 
  19. Esau, Reed. «The Future Of Skepticism». The Amazing Meeting 2012. 14:00-19:00. Consultado em 15 May 2013. 
  20. Esau, Reed (2011-02-17). «Top 7 Reasons Why SkeptiCamp Sucks». IndieSketics [S.l.: s.n.] Consultado em 2012-02-27. 

Links externos[editar | editar código-fonte]

Informação geral sobre o SkeptiCamp[editar | editar código-fonte]

Sites dos SkeptiCamps[editar | editar código-fonte]