Técnica e Ciência como Ideologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Técnica e Ciência como Ideologia é um livro escrito por Jürgen Habermas composto de textos escritos por este em meados da década de 1960 (1966-68 principalmente).

No texto que dá nome ao livro, escrito em 1968, o autor estabelece um debate com a principal tese de Herbert Marcuse (Ideologia da Sociedade Industrial, Industrialização e capitalismo em Max Weber) de que ciência e tecnologia nas sociedades de capitalismo tardio passavam a cumprir um papel ideológico na sociedade mascarando um processo real de dominação de classe.

Habermas questiona a proposição de uma nova ciência e uma nova técnica feita por Marcuse dizendo que estas só poderia ser considerados projetos históricos na medida em que o fossem do ser humano em seu conjunto (enquanto espécie), e não projetos históricos atrelados a interesses de classes específicas como defendia Marcuse.

Este debate gera controvérsias quanto a sua interpretação. Alguns críticos defendem que Habermas, ao contrapor-se à tese de Marcuse cai em defesa da neutralidade da ciência e tecnologia (FEENBERG, 1996). Outros defendem que este de modo algum era o ponto de vista do teórico da ação comunicativa e que, na verdade, sua concepção acerca da ciência e tecnologia é bastante semelhante às versões menos radicais da tese de Marcuse em que não se questiona o próprio fundamento lógico da C&T, mas suas aplicações concretas e historicamente situadas (McCARTHY, 1987).

O último texto do livro (Conhecimento e interesse) trata da aula inaugural de Habermas quando este assumiu a cadeira de professor da Universidade de Frankfurt, mais tarde desenvolvida em livro homônimo. No texto o autor, em debate com Husserl, considera uma ilusão pretender elaborar uma ciência pura. Procura mostrar as raízes humanas mais profundas do trabalho científico, trazendo à tona os interesses que subjazem ao desenvolvimento das ciências.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • FEENBERG, Andrew. Marcuse ou Habermas: duas críticas da tecnologia. Inquiry: an interdisciplinary journal of philosophy, v. 39, 1996. Disponível em: <http://www.sfu.ca/~andrewf/marhabportu.htm>. Acesso em: 15 de agosto de 2007.
  • MARCUSE, Herbert. A Ideologia da Sociedade Industrial. Trad. de Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.
  • MARCUSE, Herbert. Industrialização e capitalismo na obra de Max Weber. In: ______. Cultura e Sociedade – vol. 2. Trad. de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.
  • McCARTHY, Thomas. La teoría crítica de Jürgen Habermas. Madri: Tecnos, 1987.
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.