TENS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aparelho portátil para aplicação de TENS e os eletrodos

A sigla TENS vem do inglês Transcutaneous electrical nerve stimulation (neuroestimulação elétrica transcutânea) e foi utilizada na década de 70 com objetivos para analgesia, atuando na teoria das comportas de dor. A TENS tem finalidade de proporcionar analgesia.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento da TENS, se deveu aos estudos e desenvolvimento da eletroterapia e, a partir de 1960, com advento da teoria da comporta da dor, combinado com geradores eletrostáticos e condensadores, acabaram por recolocar a eletroterapia como método de tratamento.[2] Sendo que algumas fontes relatam o uso de peixes eletrogênicos há mais de 2500 anos.[3] Aliado a isso, com o aumento de casos de dor na população mundial, o que fomentou pesquisas para o tratamento dessas dores.[4]

Forma de ação[editar | editar código-fonte]

A TENS é um recurso utiliza corrente elétrica aplicada à pele com finalidade analgésica[5] modulando o processo de neurocondução da dor e atuando sobre a liberação de opióides endógenos a nível medular e da hipófise.[6]

Limiar[editar | editar código-fonte]

É o maior estímulo capaz de desencadear um potencial de dor. Existem 3 limiares:

  1. Sensitivo
  2. Motor
  3. Doloroso

O limiar varia de pessoa para pessoa

Este recurso fisioterapêutico atua somente no sintoma do problema, no caso, a dor, e não no que está realmente causando a dor. Sendo assim, deve se ter precaução em sua indicação pois muitas vezes é preferível que o paciente deixe uma sessão com dores, o que fará com que ele poupe uma determinada estrutura, do que sem dores, dando a falsa impressão ao paciente de resolução do problema.[7]

Modo de estimulação[editar | editar código-fonte]

  • Convencional
  • Burst
  • Breve intensa
  • Acupuntura
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Tim Watson, (2008). Electrotherapy: evidence-based practice 12th ed. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. ISBN 0443101795 
  • Robertson, Valma J.; Alex Ward, John Low, Ann Reed (2006). Electrotherapy Explained: Principles and Practice Fourth ed. [S.l.]: Butterworth-Heinemann (Elsevier). ISBN 978-0-7506-8843-7 

Referências

  1. BBC TENS
  2. Morgan, Charles Ricardo; Santos, Franklin Santana (2011). «Estudo da estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) nível sensório para efeito de analgesia em pacientes com osteoartrose de joelho». Revista Fisioterapia em Movimento. v.24 (n.4) 
  3. Kitchen, Sheila (2003). Eletroterapia:Prática Baseada em Evidências. Barueri: Manole. pp. 260–261. ISBN 85-204-1453-2 
  4. Tribioli, Ricardo Alexandre (20 de maio de 2003). «Análise crítica atual sobre a TENS envolvendo parâmetros de estimulação para o controle da dor.». doi:10.11606/D.82.2003.tde-10092003-094654 
  5. Educacao, Portal. «Portal Educação - Artigo». www.portaleducacao.com.br. Consultado em 29 de abril de 2018. 
  6. Melo de Paula, G; Molinero de Paula, VR; Dias, RO (2006). «Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) no pós-operatório de cesariana». Rev. bras. fisioter. Consultado em 29 de abril de 2018. 
  7. Cekmen N, Salman B, Keles Z, Aslan M, Akcabay M (2007). «Transcutaneous electrical nerve stimulation in the prevention of postoperative nausea and vomiting after elective laparoscopic cholecystectomy». J Clin Anesth. 19 (1): 49–52. PMID 17321927. doi:10.1016/j.jclinane.2006.05.025