Tadoma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tadoma é um método de comunicação utilizado pelos indivíduos surdo-cegos,[1] em que a pessoa surdo-cega coloca o polegar na boca do falante e os dedos ao longo do queixo. Muitas vezes, o dedo médio cai ao longo da linha do queixo do falante, com o dedo mindinho abaixo, na garganta ou na região abaixo da linha do queixo, para pegar as vibrações da garganta do falante. O método é às vezes referido como "leitura labial tátil", na qual a pessoa surdo-cega sente o movimento dos lábios, bem como as vibrações das cordas vocais, o movimento das bochechas e o ar quente expelido pelo nariz para a produção de sons nasais, como 'N' e 'M'.[2]

Em alguns casos, principalmente se o falante sabe linguagem gestual, o surdo-cego pode usar o método Tadoma com uma mão, sentindo-se a face do falante, e ao mesmo tempo, pode usar sua outra mão para sentir o Falante gesticular as mesmas palavras. Desta forma, os dois métodos se reforçam mutuamente, dando à pessoa surdo-cega uma melhor chance de entender o que o orador está tentando comunicar. Além disso, o método Tadoma pode fornecer ao surdo-cego uma conexão mais estreita com o discurso oral de que outros métodos de comunicação, como a Libras Tátil. Isto pode, por sua vez, ajudá-los na oralização, seja ao manter as habilidades de fala que possuíam antes da surdez, e em casos especiais, pode ajudá-los no aprendizado da pronúncia de palavras novas.

O método Tadoma foi inventado pela professora americana Sophia Alcorn e desenvolvido na Escola Perkins para Cegos em Massachusetts. A origem do nome é baseada nas duas primeiras crianças a aprenderem o método: Winthrop "Tad" Chapman e Oma Simpson. Esperava-se que os alunos aprendem a falar, tentando reproduzir o que eles sentiram no rosto do falante e garganta enquanto tocavam o seu próprio rosto.[3]

É um método de difícil aprendizado e uso, sendo raramente utilizado hoje em dia. No entanto, um pequeno número de pessoas surda-cegas o usa no dia-a-dia. Helen Keller usou também uma forma de Tadoma.

Referências

  1. «Fact Sheet #005 Tadoma (English)». www.sfsu.edu. Consultado em 19 de fevereiro de 2011. 
  2. Huffman, Valerie (19 de junho de 2007). «Deaf Blind Tadoma Method». www.lifeprint.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2011. 
  3. M. Reed, Charlotte. «THE IMPLICATIONS OF THE TADOMA METHOD OF SPEECHREADING FOR SPOKEN LANGUAGE PROCESSING» (PDF). Massachusetts Institute of Technology. Consultado em 19 de fevereiro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.