Saltar para o conteúdo

Leitura labial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A leitura labial, que também pode ser chamada de leitura orofacial[1] ou leitura de fala,[2] é uma das estratégias adotadas para complementar a comunicação através da leitura dos lábios e pode ser usada pelas pessoas em diferentes contextos, por exemplo, durante uma conversa com ruído de fundo ou em casos de perda auditiva.[3] A leitura labial funciona como agente facilitador para que a mensagem seja recebida mais facilmente.[4]

Todos os indivíduos fazem uso da leitura labial, no entanto os ouvintes a usam mas não percebem, utilizando-a somente em situações em que o sinal auditivo esteja difícil de ser reconhecido.[2]

Estudos demonstram que mesmo o leitor labial mais experiente consegue captar apenas em torno de 50% do que se é dito. Boa parte de sua habilidade está ligada à sua capacidade de intuir o que esta sendo dito, completando o restante, proferido de maneira ilegível, ou mesmo naturalmente irreconhecível. Sons (fonemas) como “p” e “m”, “d” e “n” e “s” e “z”, podem ser facilmente confundidos entre si.[5]

Processo[editar | editar código-fonte]

Pessoas com visão, audição e as habilidades sociais normais, inconscientemente, utilizam as informações dos lábios e rosto para ajudar à compreensão auditiva na conversação diária. Cada som da fala (fonema), tem características articulatórias e fonológicas particulares, apesar de muitos fonemas compartilhar o mesmo ponto articulatório, tornando impossível de distinguir o som a partir de apenas informação visual. Alguns pontos articulatórios são menos visíveis quando "dentro da boca ou da garganta", como o caso dos fonemas velares e nasais. Pares sonoros e surdos parecem idênticos quanto ao ponto articulatório e podem ser facilmente confundidos, tais como [p] e [b], [k] e [g], [t] e [d], [f] e [v] e [s] e [z].[6]

É muito mais fácil, para quem faz a leitura labial, entender frases usuais, tais como "bom dia". Pessoas com deficiência auditiva tendem a utilizar muita leitura labial durante a vida para compreender as pessoas. Para a leitura sem o apoio auditivo se exige muita concentração, o que pode tornar o processo extremamente cansativo. Por essas e outras razões, muitas pessoas surdas preferem utilizar outros meios de comunicação com os não-signatários, como mímica e do gesto, escrita e intérpretes de língua gestual.

A leitura labial também pode ajudar essas pessoas na adaptação de aparelhos auditivos, integrando as pistas auditiva e visual, ou seja, os sons da fala e a articulação das palavras.[6]

Acredita-se que a leitura labial pode ser utilizada pela maioria dos indivíduos com problemas de audição, e que quanto maiores forem o contexto e a informação auditiva, com apoio nas pistas visuais, melhor será o desempenho comunicativo.[7]

A leitura labial não é uniforme, ela pode não funcionar caso o dialeto do falante e do receptor sejam diferentes, pois essas variações linguísticas envolvem, também, diferentes pontos articulatórios que podem ser lidos incorretamente. O processo de leitura pode ser prejudicado, ainda, quando o falante articula pouco ou imprecisamente as palavras, possui articulação travada, ou algo impedindo a visualização dos lábios, como por exemplo, o uso de bigode grande.[8] Pode-se dizer que a leitura labial é um procedimento útil em alguma medida, na interação verbal entre surdos e ouvintes, mas não é definidora da compreensão.[9]

Enquanto para os ouvintes a linguagem oral é uma modalidade audiovisual, na surdez ela é considerada uma modalidade visuoverbal, pois, agora, a imagem mental da palavra é visual, e não auditiva. Nesse caso, a associação entre significante e significado é feito através do gesto articulatório/sentido e não mais som/sentido.[8] Desta forma, a visualização labial se torna uma orientação das emissões feitas.[10]

A comunidade surda é uma parte significativa da população brasileira e enfrenta diversos obstáculos quando se trata de acessibilidade na área da saúde. Problemas de comunicação resultam em maior probabilidade de diagnósticos incorretos, erros em registros médicos, situações constrangedoras, falta de adesão à terapia, sofrimento e insatisfação por parte dos usuários.[11]

Durante a pandemia da covid-19, que se iniciou no final do ano de 2019, as máscaras faciais se tornaram de uso frequente e indispensável, com isso a comunicação entre surdos e ouvintes ficou prejudicada. Máscaras transparentes inclusivas entraram no mercado afim de facilitar a troca linguística.[12]

Presbiacusia[editar | editar código-fonte]

Indivíduos com presbiacusia podem compensar as dificuldades de compreensão utilizando a leitura labial para proporcionar uma comunicação mais efetiva, além disso, o reconhecimento de fala não ocorre apenas através do movimento articulatório mas também da observação do orador e caracteristicas como entonação, expressão facial e movimentos corporais. Existe a hipótese de que a inteligibilidade de fala na presbiacusia é  complementada e auxiliada pela leitura labial, de modo que o rosto do interlocutor e a maneira em como se articula funcionam como uma terceira orelha.[1]

Referências

  1. a b Reis, Luis Roque; Escada, Pedro (1 de novembro de 2016). «Presbycusis: do we have a third ear?». Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (em inglês) (6): 710–714. ISSN 1808-8694. PMC PMC9444720Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 27080751. doi:10.1016/j.bjorl.2015.12.006. Consultado em 26 de maio de 2023 
  2. a b Oliveira, Letícia Neves de; Soares, Alexandra Dezani; Chiari, Brasilia Maria (fevereiro de 2014). «Speechreading as a communication mediator». CoDAS (em inglês): 53–60. ISSN 2317-1782. doi:10.1590/S2317-17822014000100008. Consultado em 26 de maio de 2023 
  3. Toffolo, Andreia Chagas Rocha; Bernardino, Elidéa Lúcia Almeida; Vilhena, Douglas De Araújo; Pinheiro, Ângela Maria Vieira (7 de dezembro de 2017). «Os benefícios da oralização e da leitura labial no desempenho de leitura de surdos profundos usuários da Libras». Revista Brasileira de Educação (71). ISSN 1809-449X. doi:10.1590/s1413-24782017227165. Consultado em 21 de março de 2023 
  4. Marques, Ana Cléia de O.; Kozlowski, Lorena; Marques, Jair Mendes (dezembro de 2004). «Reabilitação auditiva no idoso». Revista Brasileira de Otorrinolaringologia: 806–811. ISSN 0034-7299. doi:10.1590/S0034-72992004000600017. Consultado em 5 de abril de 2023 
  5. Monteiro, Carolina (Julho de 2013). «IDADE E ANOS DE ESCOLARIDADE» (PDF). IDADE E ANOS ESCOLARES. Estudo de Insuficiências observáveis em crianças de 7 anos inseridas numa turma de 2º . Ano do Ensino Básico: 'p.53' 
  6. a b Bannwart Dell'Aringa, Ana Helena; Satico Adachi, Elisabeth; Dell'Aringa, Alfredo Rafael (Janeiro de 2007). «Lip reading role in the hearing aid fitting process». Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (em inglês). 73 (1): 95–99. doi:10.1016/S1808-8694(15)31129-0 
  7. Horacio, Camila Paes; Goffi-Gomez, Maria Valéria Schmidt (setembro de 2007). «A contribuição da leitura orofacial na comunicação do neuropata auditivo». Revista CEFAC: 411–416. ISSN 1516-1846. doi:10.1590/S1516-18462007000300015. Consultado em 26 de maio de 2023 
  8. a b SANTANA, Ana Paula (2015). Surdez e linguagem: Aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Summus 
  9. Botelho, Paula. «Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos.» (PDF). Consultado em 24 de março de 2023 
  10. BEVILACQUA, M C e TECH, E A. Elaboracao de um procedimento de avaliacao de percepcao de fala em criancas deficientes auditivas profundas a partir de cinco anos de idade. Topicos em Fonoaudiologia 1996. Tradução . São Paulo: Lovise, 1996. Acesso em: 21 mar. 2023.
  11. Pereira, Antonio Augusto Claudio; Passarin, Nayara de Paula; Nishida, Fernanda Shizue; Garcez, Valéria Ferreira (21 de agosto de 2020). «"Meu Sonho É Ser Compreendido": Uma Análise da Interação Médico-Paciente Surdo durante Assistência à Saúde». Revista Brasileira de Educação Médica: e121. ISSN 0100-5502. doi:10.1590/1981-5271v44.4-20200028. Consultado em 26 de maio de 2023 
  12. compiler., Papim, Angelo Antonio Puzipe, compiler. Di Roma, Alessandra Ferreira,. Educação em tempos de pandemia : novas fronteiras do ensino e da aprendizagem. [S.l.: s.n.] OCLC 1303712907 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]