Koko (gorila)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Koko
Informações
Espécie
Sexo
Fêmea
Nascimento
Local de nascimento
Morte
19 de junho de 2018 (46 anos)
Local de morte
Ocupação
Objeto de investigação (d)Visualizar e editar dados no Wikidata
Conhecido por
Uso de língua de sinais, criação de animais de estimação
Website

Koko (San Francisco Zoo, San Francisco, 4 de julho de 1971 - Woodside, 19 de junho de 2018) foi uma gorila cativa aculturada treinada pela Dra. Penny Patterson e outros cientistas na Universidade de Stanford para comunicar certos sinais baseado na Língua de Sinais Americana. Alguns cientistas afirmam que as ações de Koko indicaram uma capacidade de aprender uma língua. Outros afirmam que suas ações eram apenas o resultado de condicionamento operante, no qual ela não entenderia o significado do que estava fazendo, mas aprendeu a completar os sinais apenas porque os pesquisadores a recompensaram por isso. Tal debate requer o exame cuidadoso do que significa “aprender” ou “usar” uma linguagem; linguagem animal para uma maior discussão. Koko também era o único animal não-humano a ter um animal de estimação de outra espécie; ela cuidou de vários gatos no decorrer dos anos.[1]

Nascida em São Francisco, Califórnia, o treinamento de Koko começou na idade de um ano. Patterson com o tempo avaliou o vocabulário de Koko em mais de 1.000 sinais e capaz de entender cerca de 2.000 palavras em inglês.[2] Inúmeros documentários foram feitos sobre Koko, incluindo Koko - A Talking Gorilla de 1977. Em 27 de abril de 1998, Koko participou de um "bate-papo" ao vivo na AOL. Koko viveu a maior parte de sua vida em Woodside.

Em agosto de 2004, Koko esteve nas notícias novamente devido a uma dor de dente. Ela comunicou que estava com dor, e de acordo com seus treinadores foi capaz de indicar o nível de dor numa escala de 1 a 10.[3]

Em 2014, quando Koko foi informada sobre a morte de seu amigo, Robin Williams (que tinha gravado um video com a gorila em 2001) ela manifestou tristeza, mesmo sem ver o corpo. [4]

Morte[editar | editar código-fonte]

Koko morreu dormindo na Califórnia em 19 de junho de 2018[5].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (em inglês) Fischer, Steven R. (1999). A History of Language. [S.l.]: Reaktion Books. pp. 26–28. ISBN 1-86189-080-X 
  2. Wise, Steven M. (2003). Drawing the Line: Science and the Case for Animal Rights. [S.l.]: Basic Books. p. 216. ISBN 0-7382-0810-8 
  3. «'Talking' gorilla demands dentist» (em inglês). BBC. 9 de agosto de 2004. Consultado em 20 de março de 2005. 
  4. «PRESS RELEASE: Koko Remembers Robin Williams» 
  5. Bower, Bruce (21 de junho de 2018). «Koko the gorilla is gone, but she left a legacy». Science News (em inglês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.