Oralismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Oralismo é um método de ensino para surdos, defendido principalmente por Alexander Graham Bell (1874-1922 no qual se defende que a maneira mais eficaz de ensinar o surdo é através da língua oral, ou falada. Surdos que foram educados através deste método de ensino são considerados surdos oralizados.

História[editar | editar código-fonte]

Este método ganhou força quando no Congresso Internacional de Educadores de Surdos, realizado em Milão nos dias de 9 a 12 de setembro de 1880 houve uma votação para proibição da língua de sinais como método de educação de surdos, ressaltando que no Congresso houve a presença de 1 (um) surdo somente, e Edward Gallaudet tentou argumentar a importância em se manter o método combinado, oralidade e língua de sinais, mas não foi suficiente, e a oficialização do Oralismo tornou-se o único método aceito mundialmente para educação de surdos a partir desta data. O insucesso desta fase, começou a ser observado no início do século XX, quando surdos não conseguiam oralizar-se e passaram a ser denominados de deficientes, surgindo uma nova fase, que foi derrubada no Congresso Mundial de Surdos em Paris, no ano de 1971, e surgiu a fala da Comunicação Total.


Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.