Terapia comportamental dialética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Terapia Comportamental Dialética é uma forma recente de psicoterapia desenvolvida especificamente para o tratamento de Transtornos de Personalidade Limítrofe.

O nome vem da proposta do Método dialético, que confronta duas ou mais teses (e/ou antíteses) competidoras e busca chegar a uma síntese. Em linhas gerais, a TCD segue essa proposta e busca conciliar e/ou resolver conflitos de forma racional através de sua exposição direta, sem com isso deixar de priorizar a serenidade e qualidade de vida do paciente.

Proposta por Marsha M. Linehan, a TCD tem um componente de psicoterapia individual e outro de terapia em grupo. Seu fundamento teórico vem basicamente do Behaviorismo com elementos do Cognitivismo.

A terapia individual da TCD tende a ser bastante direta e confrontatória, e busca abordar em uma sessão semanal os conteúdos que venham a se apresentar. A prioridade é dada à atenção a comportamentos suicidas e autodestrutivos, e depois a comportamentos que interfiram com a própria terapia. A seguir vêm assuntos ligados à qualidade de vida e à sua melhora.

Durante a terapia individual frequentemente se discute como melhorar as perícias ou habilidades que compõem o modelo da TCD, ou como superar os obstáculos ao seu desenvolvimento.

A terapia de grupo consiste geralmente em uma sessão semanal de duas horas a duas horas e meia, orientada ao desenvolvimento de perícias ou habilidades específicas, organizadas em quatro módulos:

  • Perícias básicas de Atenção plena
  • Perícias de Regulagem de Emoções
  • Perícias de Tolerância à Pressão
  • Perícias de Efetividade de Relações Interpessoais

Os Quatro Módulos[editar | editar código-fonte]

Atenção Plena[editar | editar código-fonte]

Considerada a base de sustentação das demais perícias, a atenção plena (ou mente alerta) tem inspiração no budismo (especificamente no Zen), e consiste em uma postura de atenção ampla e tolerante dirigida a todos os fenômenos que se manifestam na mente consciente - ou seja todo tipo de pensamento, fantasias, recordações, sensações e emoções percebidas no campo de atenção são percebidas e aceitas como elas são.

Regulagem de Emoções[editar | editar código-fonte]

Pacientes de Transtornos de Personalidade Limítrofe e suicidas tendem a vivenciar emoções intensas e um tanto oscilantes. Por esse motivo têm muito a se beneficiar do aprender a regular suas emoções e expressá-las nos momentos mais convenientes. Entre as perícias dialéticas voltadas à regulagem de emoções estão inclusas:

  1. identificar e classificar as emoções
  2. identificar os obstáculos à mudança das emoções
  3. reduzir a vulnerabilidade à mente emotiva (emoções descontroladas)
  4. aumentar e melhorar os eventos emocionais positivos
  5. tomar consciência das emoções presentes em cada momento
  6. adotar ações contrárias à tendência emocional indesejada
  7. aplicar as Técnicas de Tolerância à Pressão (descritas no próximo item)

Tolerância à pressão[editar | editar código-fonte]

Muitas abordagens de saúde mental deixam de abordar a tolerância a pressões externas. Em vez disso, tradicionalmente deixa-se o desenvolvimento dessa capacidade por conta de movimentos religiosos e/ou espirituais. A TCD, porém, lida explicitamente com este componente da saúde mental.

A tolerância à pressão desenvolve-se a partir das perícias de atenção plena e envolve a capacidade de aceitar como são no presente momento tanto a situação externa que se está vivendo quanto a situação interna do próprio paciente, de percebê-la com clareza e tranquilidade sem cair em reações angustiadas ou violentas. Note-se que aceitar a realidade da situação não implica aprová-la ou querer mantê-la como está. A meta não é conformidade, mas serenidade diante do que efetivamente existe.

Os comportamentos de tolerância à pressão envolvem a tolerância e resistência a crises e a aceitação da vida como ela é no momento presente. São ensinadas quatro categorias de estratégias de sobrevivência a crises:

  • Distração
  • Auto-cuidado
  • Melhorar o momento
  • Considerar prós e contras

As habilidades de aceitação incluem

  • Aceitação Radical
  • Condução da mente até a aceitação
  • Contraste da vontade receptiva com o desejo impulsivo

Efetividade Interpessoal[editar | editar código-fonte]

As perícias de Efetividade Interpessoal da TCD envolvem o desenvolvimento da Assertividade e de soluções para problemas interpessoais. Incluem a habilidade de se pedir o que se necessita, de dizer "não", e de se lidar com conflitos interpessoais.

Muitas vezes os pacientes tratados pela TCD tem boa compreensão teórica das perícias interpessoais, mas precisam de treinamento para se acostumar a aplicá-la em sua vida cotidiana.

Neste módulo focalizam-se situações em que se procura causar mudanças (geralmente pedindo que outra pessoa faça algo) e/ou resistir a mudanças propostas pelo meio ("dizendo não"). O objetivo geral é melhorar as chances de que as metas pessoais do paciente sejam atingidas, sem com isso comprometer sua auto-estima ou a qualidade de seus relacionamentos com outras pessoas.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]