The Painted Veil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o filme americano de Ryszard Bolesławski, veja The Painted Veil (1934).
The Painted Veil
O Véu Pintado (PRT)
O Despertar de uma Paixão (BRA)
 Estados Unidos /  China /  Canadá /  Bélgica
2006 •  cor •  125 min 
Direção John Curran
Roteiro Ron Nyswaner
Elenco Edward Norton
Naomi Watts
Género drama
Música Alexandre Desplat
Idioma inglês, mandarim
Página no IMDb (em inglês)

The Painted Veil (O Véu Pintado (título em Portugal) ou O Despertar de uma Paixão (título no Brasil)) é uma co-produção cinematográfica dos Estados Unidos da América e da China, de 2006, filmada em Guilin, na região chinesa de Guangxi. Baseada no livro homônimo de William Somerset Maugham, se passa nos anos 20 e conta a história de um jovem casal europeu que se casa por motivos errados e parte para morar em Xangai. Houve duas versões anteriores: a primeira em 1934, estrelada por Greta Garbo; a segunda em 1957, recebeu o título de "The Seventh Sin", tendo Eleanor Parker no papel principal.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Kitty, uma jovem inglesa superficial e egoísta conhece o jovem Dr. Walter Fane quando está sendo pressionada pelos seus pais a casar-se. Com a paixão proveniente por parte do bacteriologista, eles se casam e vão morar em Xangai onde o doutor é pesquisador do governo inglês. O casamento é fadado ao fracasso, e após problemas conjugais, eles seguem para viver num povoado remoto da China onde está acontecendo uma epidemia de cólera.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Papel
Edward Norton Walter Fane
Naomi Watts Kitty Fane
Diana Rigg Madre Superiora
Liev Schreiber Charlie Townsend
Toby Jones Waddington
Juliet Howland Dorothy Townsend
Anthony Wong Chau-Sang Coronel Yu
Maggie Steed Sra. Garstin
Lorraine Laurence Irmã Maryse
Li Feng Sung Ching
Gesang Meiduo Amah
Alan David Sr. Garstin
Lucy Voller Doris Garstin
Ian Rennick Geoffrey Denison
Henry Sylow Walter Jr.

O Filme e o Livro[editar | editar código-fonte]

Os produtores do filme imprimiram um componente "sentimental" que é absolutamente inexistente no romance de Maugham (que serviu de base para o roteiro), até porque, o escritor inglês, em suas obras, tratava os relacionamentos amorosos sob a ótica de um realismo seco, não raro amargo.

No filme, a frívola Kitty é coagida pelo esposo a se internar numa região chinesa infestada por epidemia de Cólera, onde acaba por se apaixonar por ele. No romance, embora passe a admirar o caráter e o trabalho abnegado do marido, Kitty jamais consegue amá-lo, e ele, por seu turno, não ultrapassa a distância que a traição conjugal da esposa criou entre eles.

No filme, ela tem dúvidas sobre a paternidade do filho que se anuncia em seu ventre. No livro, ela sabe que é do amante.

No filme, a cena da morte de Walter é envolta em uma forte carga de emotividade, com o casal se pedindo desculpas recíprocas. No romance, Kitty já encontra o esposo em coma, e tudo quanto ouve dele é uma frase obscura: "E foi o cão que morreu".

No filme, já viúva, ela reencontra o amante, mas o trata com fria gentileza. No livro, ela volta a ceder às suas investidas, embora, depois, sinta nojo de si mesma por ter cedido.

Trecho do Filme[editar | editar código-fonte]

  • Kitty Fane: Você não é muito de conversar, não?
  • Walter Fane: Não.
  • Kitty Fane: Por quê?
  • Walter Fane: Falo apenas o que é necessário.
  • Kitty Fane: Se as pessoas dissessem apenas o que é necessário, a humanidade já teria perdido o dom da fala.

Saúde Coletiva[editar | editar código-fonte]

O filme trata de um problema de saúde coletiva vivido pelos moradores do vilarejo. Mostra a postura epidemiológica do bacteriologista frente à epidemia de cólera.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Recebeu o Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.