Transclusão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde Fevereiro de 2008). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Na ciência da computação, a transclusão é a inclusão de parte ou de tudo de um documento eletrônico em um ou mais outros documentos por hipertexto referência. A transclusão geralmente é realizada quando o documento de referência é exibido e normalmente é automático e transparente para o usuário final.[1] Foi o filósofo e sociólogo estadunidense Ted Nelson quem cunhou os termos transclusão e transcopyright em seu livro de 1982, Literary Machines. Pioneiro da Tecnologia da Informação, Ted Nelson já havia inventado novos conceitos nos anos de 1960 - hipertexto e hipermídia.

História e implementação pelo Projeto Xanadu[editar | editar código-fonte]

Ted Nelson, que também originou as palavras "hipertexto" e "hipermídia", inventou o termo "transclusão" em seu livro de 1980 Máquinas literárias . Parte de sua proposta foi a idéia de que micropagamento s poderia ser exigido automaticamente do leitor para todo o texto, não importa quantos fragmentos de conteúdo sejam retirados de vários lugares.

No entanto, de acordo com Nelson, o conceito de transclusão já fazia parte de sua descrição de hipertexto de 1965.[2] Nelson define a transclusão como "o mesmo conteúdo conhecível em mais de um lugar", diferenciando-se de casos mais especiais, como, por exemplo, a inclusão de conteúdo de um local diferente (ele chama "transdelivery") ou uma citação explícita que permanece conectada aos seus origens (que ele chama de "transquotation").

Alguns sistemas de hipertexto, incluindo o próprio Projeto [Xanadu | Xanadu Project] de Ted Nelson, permitem a inclusão de transclusão.[3] Nelson apresentou uma demonstração de transclusão na Web, o Little Transquoter (programado para a especificação de Nelson por Andrew Pam em 2004-2005).[4] Ele cria um novo formato criado nos endereços das porções das páginas da Web; quando desreferido, cada porção na página resultante permanece clicada em seu contexto original.

Referências

  1. Glushko, Robert J., ed. (2013). The Discipline of Organizing. Cambridge, Massachusetts: MIT Press. p. 231. ISBN 9780262518505 
  2. Theodor H. Nelson, "A File Structure for the Complex, the Changing and the Indeterminate." Proceedings of the ACM 20th National Conference (1965), pp. 84-100
  3. Kolbitsch, Josef; Maurer, Hermann (27 de janeiro de 2017). «Transclusions in an HTML-Based Environment» (PDF). Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  4. The Little Transquoter Xanadu.com.au

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]