Tratado Anglo-Português de 1891

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Tratado Anglo-Português de 1891 foi um acordo entre o Reino Unido e o Reino de Portugal que fixou os limites entre o Protetorado Britânico da África Central (hoje Malawi), e os territórios administrados pela British South Africa Company em Mashonaland e Matabeleland (hoje parte do Zimbabwe) e pela Rodésia do Noroeste (hoje parte da Zâmbia) e Moçambique Português, e também entre os territórios administrados pela British South Africa Company da Rodésia do Nordeste (hoje na Zâmbia) e a Angola Portuguesa. Este tratado pôs fim a cerca de 20 anos de crescente desacordo sobre reivindicações territoriais conflitantes na parte oriental da África Central, onde Portugal tinha reivindicações de longa data com base na descoberta e exploração prévia, mas onde os cidadãos britânicos criaram missões e ações comerciais exploratórias nos planaltos designados por Shire Highlands (hoje no Malawi), a partir de 1860. [carece de fontes?]

Essas divergências foram aumentadas em 1870 e 1880, em primeiro lugar por uma disputa sobre a pretensão britânica de parte da Baía de Maputo (então chamada Baía da Lagoa) e pelo fracasso das negociações bilaterais entre os dois países ao longo dos limites dos territórios portugueses, e, em segundo lugar, como resultado da Conferência de Berlim de 1884-1885, que estabeleceu a doutrina da ocupação efetiva. Após a Conferência de Berlim, Portugal tentou estabelecer uma zona de ocupação efetiva ligando as suas colónias de Angola e Moçambique através de expedições fazendo tratados que estabelecem protetorados sobre os povos locais e obter o reconhecimento de outras potências europeias. O relativo sucesso desses esforços portugueses alarmou o governo britânico de Lord Salisbury, que também estava sob pressão de missionários nas Shire Highlands, e também Cecil Rhodes, que fundou a companhia britânica da África do Sul em 1888 com o objetivo de controlar a maior parte do centro-sul da África como poderia. Por estas razões, e em resposta a um conflito armado menor no Shire Highlands, Lord Salisbury emitiu o ultimato britânico de 1890 que exigia a Portugal a evacuação das áreas em disputa. Lord Salisbury recusou o pedido Português para a arbitragem e, depois de uma tentativa frustrada de corrigir os limites dos seus respetivos territórios em 1890, o Tratado Anglo-Português de 1891 foi aceite por Portugal sob coação.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. M. Newitt, (1995). A History of Mozambique, pp. 325–6, 330–2, 341–7, 353–4.