Tratados de Teoloyucan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Assinatura dos Tratados de Teoloyucan

Os Tratados de Teoloyucan[1] foram os documentos assinados na localidade do mesmo nome, no Estado de México a 13 de agosto de 1914 entre os representantes do corpo de exército do nordeste, Álvaro Obregón, Lucio Blanco que fazia parte dos exércitos revolucionários que se enfrentaram ao governo usurpador de Victoriano Huerta, comandado por Lauro Villar e representado por ele mesmo, Gustavo A. Salas e José Refugio Velazco e o Almirante Othon P. Blanco que dirigia a Armada do regime usurpador estabelecendo as condições em que se verificaria a evacuação da Praça da Cidade de México pelo exército federal e a dissolução definitiva do mesmo.

Sucedeu à queda do governo do então Presidente de México, Victoriano Huerta, ante o triunfo do exército de Venustiano Carranza quando em meados de julho o general Lauro Villar representante do governo do presidente interino Francisco S. Carvajal já não pôde oferecer resistência para negociar, capitulando sem condições.

A 9 de agosto, Alfredo Robles Domínguez do exército constitucionalista entrevistou-se com o general José Refugio Velasco, secretário de Guerra e Marinha do presidente Carvajal e depois de uma longa conversa na qual alegou como razões para a rendição incondicional a invasão estado-unidense de Veracruz e Tampico e a urgência de evitar novos combates lhe convencendo de que o exército federal se retirasse da Cidade de México sem combater. A 11 de agosto o governador huertista da Cidade de México, Eduardo Iturbide acompanhado dos ministros plenipotenciários de Brasil, Grã-Bretanha e Guatemala, assim como o encarregado de negócios de Estados Unidos e o secretário da delegação francesa transladou-se ao acampamento de Obregón em Teoloyucan e num ponto do caminho entre Cuautitlán a Teoloyucan sobre o para-lama de um automóvel assinou-se o tratado onde lembraram as bases e procedimento para a rendição e dissolução do exército federal.[2] Dois dias depois assinou-se o Tratado que estabelecia:

Uma vez dissolvido o exército federal, Carranza emitiu um decreto suprimindo o Colégio Militar que não voltou a abrir suas portas até 1920; o exército constitucionalista evoluiria para converter-se no hoje Exército Mexicano.

No Estado de México, foi adotado pela Legislatura local, que todos os documentos oficiais tenham no encabeçado a Lenda: "2014. Ano dos Tratados de Teoloyucan". O anterior devido ao centenário de ter sido assinados.

História[editar | editar código-fonte]

Em meados de julho de 1914, o governo do general Victoriano Huerta deu-se conta do iminente da vitória revolucionária pelo que no dia 15 de julho desse ano, apresentou sua renúncia à presidência e saiu ao exílio.

O novo governo tentou negociar com os revolucionários, mas eles se negaram já que procuravam a entrega da capital bem como a dissolução do exército federal.

O 11 de agosto de 1914, respeitando a resolução à que tinham chegado o general Velasco (representante do exército federal) e o engenheiro Robles Domínguez (enviado de Venustiano Carranza) o 9 de agosto, a comissão representante do exército federal saiu da capital da república ao frente ia o engenheiro Robles Domínguez acompanhado do ministro de Brasil, Lionel Carden encarregado de negócios dos Estados Unidos, o secretário da delegação Francesa senhor Victor Aygesparse, o jornalista Rómulo Velasco de Ceballos, o arquitecto Ignacio de la Hidalga, Rafael Lara Grajales e Diego Areias Guzmán. Dentro da junta expuseram-se os pontos mas adequados para a rendição e saída do exército federal da capital da república.

No dia seguinte, a comitiva federal incorporou-se, às imediações do quartel do general Álvaro Obregón onde este lhes informou, tanto ao engenheiro Alfredo Robles Domínguez como ao senhor Eduardo N. Iturbe e demais membros presentes na junta, que a partir desse dia o documento da entrega da Cidade de México e a dissolução do exército federal levariam por nome “Tratados de Teoloyucan”. O 13 de agosto de 1914 assinaram-se, sobre o para-lama de um automóvel, os tratados de rendição cujo objectivo principal foi a dissolução do exército federal e a capitulação da Cidade de México.

Levantaram-se duas atas; a primeira assinada pelo general Álvaro Obregón e o governador do Distrito Federal, Eduardo Iturbe, na que se deixou em claro as bases pelas quais as forças constitucionalistas entrariam à capital do país.

Dentro da segunda Ata assinada em representação do exército federal pelo general A. Salas e por parte da armada pelo vice-almirante Othón P. Blanco, o general Álvaro Obregón e o general Lucio Blanco em representação do exército constitucionalista; estabeleceram-se as características nas que se levou a cabo a evacuação da praça de México e a dissolução e desarmamento do exército federal.[3]

Referências

  1. Sáenz, Aarón (1964). Los Históricos Tratados de Teoloyucan. [S.l.]: Ediciones del Patronato de la Historia de Sonora. pp. 120 pp 
  2. Mussachio, Humberto (1989). Diccionario Enciclopédico de México. [S.l.]: México; Andrés León editor. ISBN = 968-6290-37-0 (Tomo II, Pág. 555) 
  3. Tratados de Teoloyucan