Trufa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo doce homônimo, veja Trufa de chocolate.
Como ler uma caixa taxonómicaTrufa
Truffle 4.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Filo: Ascomycota
Subfilo: Pezizomycotina
Classe: Pezizomycetes
Ordem: Pezizales
Família: Tuberaceae
Género: Tuber
P. Micheli ex F.H. Wigg., 1780
Espécies
Tuber aestivum;
Tuber bituminatum;
Tuber bonnetii;
Tuber borchii;
Tuber brumale;
Tuber gibbosum;
Tuber macrosporum;
Tuber maculatum;
Tuber magnatum;
Tuber melanosporum;
Tuber mesentericum;

Tuber nitidum; Tuber puberulum; Tuber rapaeodorum; Tuber rufum; Tuber scleroneuron; Tuber separans; Tuber sinense;

"Turfa - ou simplesmente Trufa ou túbera é o nome popular dado aos corpos frutíferos subterrâneos das espécies de Tuber, um género de fungos da família Tuberaceae. Algumas das espécies têm sabor e aroma agradáveis, sendo consumidas pelo ser humano há mais de três mil anos. Apesar da maioria das pessoas conhecerem o termo "trufa" como as trufas de chocolates popularmente conhecidas, a trufa, é originalmente um fungo, a turfa desse fungo.

A trufa nasce sob a terra, a uma profundidade de 20 a 40 centímetros, próximo à raiz de carvalhos e castanheiras. Possuem aspecto de mármore negro e bege. O trufeiro, especialista em trufas, é quem revolve a terra e retira a trufa do solo sem quebrá-la nem ferir-lhe a superfície. Ela só terá valor se as suas características originais forem preservadas. A colheita é feita recorrendo a porcos ou cães adestrados que as podem localizar por meio do olfato.

Características[editar | editar código-fonte]

Trufas crescem ao criar uma relação de simbiose entre seu micélio e as raízes de árvores, que incluem aveleiras, carvalhos e salgueiros.[1] Na trufa branca, sua cor é amarelo sujo, indo para o bege, lembrando marfim velho. A superfície é lisa. A trufa negra é enrugada, com uma cor negro-amarronzada.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Trufas brancas[editar | editar código-fonte]

Trufa branca cortada em lâminas.

As trufas brancas (Tuber magnatum) OU GUFOLICA são encontradas à beira do Mar Adriático e na região francesa do Drôme. As mais célebres vem da cidade italiana de Alba, no Piemonte, onde entre outubro e novembro são realizadas feiras para vender os melhores exemplares. As melhores safras ocorrem em outonos chuvosos, pois as trufas precisam de muita umidade para crescer.[1]

São muito apreciadas por chefs de cozinha devido ao seu inigualável aroma. A trufa branca exige um cortador específico, com lâminas ultrafinas, pois quanto mais fina for cortada, o sabor é mais intenso. A espessura ideal é a de uma folha de papel. As que exibem uma sutil coloração rosada são consideradas melhores, de aroma mais marcante.

As trufas de Alba podem custar até 15 mil dólares o quilo. Duas vezes os leilões anuais superaram a barreira dos 100 mil euros, com uma trufa de 750 gramas em 2009 a €100 mil,[2] e outra de 900 a €105 mil no ano seguinte.[3]

Combina com massas, risotos e ovo frito. O prato predileto dos apreciadores é o ovo "all'occhio di bue", pois reúne a simplicidade do ovo e a exuberância da trufa branca fresca. Pode ser comida também como um pão.

Giancarlo Zigante e sua cadela Diana encontraram próximo a Buje, Croácia a maior trufa já registrada no mundo. A trufa pesava 1,31 quilogramas (2 lb 14 oz) e foi registrada no Guinness Book of Records.[4]

Trufas negras[editar | editar código-fonte]

As trufas negras (Tuber melanosporum) são encontradas ao largo de França, Espanha, e Itália, responsáveis por quase todo o mercado (45%, 35% e 20%, respectivamente). Sua região mais célebre é o Condado de Périgord.[5] Exalam aroma menos acentuado, superfície mais rugosa e são mais resistentes ao manuseio. O quilo custa em média 700 dólares e pode chegar a 2.000 dólares. Ao contrário das brancas, podem ser lavadas em água, e conseguem ser cultivadas. Após anos de pesquisa, nasceu o carvalho-trufeiro (chene-truffier), que leva uns oito anos antes de produzir o tubérculo. Regiões de cultivo foram instaladas em Reino Unido, Estados Unidos, Espanha e Suécia. Consequentemente Austrália e Nova Zelândia viraram os primeiros países do hemisfério sul a colherem trufas, exemplo seguido pelo Chile.[6]

A trufa negra já foi chamada de "Diamante Negro" ou "Pérola Negra" devido à sua raridade.[7] [8]

Trufas de verão[editar | editar código-fonte]

A trufa de verão (Tuber aestivum) ou trufa da Borgonha (Tuber uncinatum) cresce por toda a Europa.[9] São relativamente largas, indo de 2 a 10 centímetros de diâmetro. A variedade aestivum é colhida entre junho e setembro, enquanto a safra da uncinatum vai de setembro a dezembro.

Referências

  1. a b Nogueira, Marcos. "O Tempero Mais Caro do Mundo". Superinteressante, outubro de 2014
  2. «Trufa branca é leiloada por 100 mil euros na Itália». Terra Networks. Economia.terra.com.br. 
  3. «Trufa branca é leiloada por 105 mil euros na Itália». Terra Networks. Economia.terra.com.br. 
  4. «Largest truffle». Guinnessworldrecords.com. 1999-11-02. Consultado em 2012-06-16. 
  5. [1]
  6. [2]
  7. «Chef catalão traz festival de trufas negras para São Paulo». Site da Folha de S. Paulo. 
  8. . Newton.freitas.nom.br http://www.newton.freitas.nom.br/artigos.asp?cod=194.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  9. [3]
Ícone de esboço Este artigo sobre fungos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.