Tubo de Crookes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Imagem com dois tubos de Crooke: claro e escuro.

Um tubo de Crookes é um experimento elétrico num tubo de descarga, parcialmente no vácuo, inventado pelo físico inglês William Crookes[1] e outros por volta de 1869-1875,[2] através do qual os raios catódicos foram descobertos.[3]

Em uma ampola, William Crookes submeteu um gás a uma pressão menor que a pressão atmosférica e a uma alta tensão. Quando os elétrons saem do cátodo, colidem com moléculas do gás e ocorre a ionização do gás e liberação de luz que ilumina toda a ampola. A partir desses experimento , J. J. Thomson observou que esse fenômeno é independente do gás e do metal utilizado no elétrodo. A partir dessa conclusão, Thomson pôde, posteriormente, descobrir a existência do elétron.

A "ampola de Crookes" é feita de vidro ou quartzo e dentro dela se faz o vácuo. Ela contém duas placas metálicas ligadas a uma fonte de tensão elétrica. A placa ligada ao pólo negativo é chamada de catodo e a outra, ligada ao pólo positivo, é o anodo. Quando a tensão entre o catodo e o anodo fica bem elevada surge um feixe luminoso que sai do catodo e atravessa o tubo. São os "raios catódicos". Esses experimentos fizeram Thomson concluir que os raios eram na verdade um feixe de partículas carregadas negativamente e que possuiam massa.

Referências

  1. Crookes, William (1878). «On the illumination of lines of molecular pressure, and the trajectory of molecules». Phil. Trans. 170: 135–164. doi:10.1098/rstl.1879.0065 
  2. «Crookes Tube». The New International Encyclopedia. 5. Dodd, Mead & Co. 1902. 470 páginas. Consultado em 11 de novembro de 2008 
  3. «Crookes tube». The Columbia Electronic Encyclopedia, 6th Ed. Columbia Univ. Press. 2007. Consultado em 11 de novembro de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.