Usuário(a):Fredericotr/Testes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
YouTube
YouTube, LLC
YouTube Logo.svg
Slogan Broadcast Yourself
Proprietário(s) Google Inc.
Gênero Compartilhamento de vídeos
País de origem  Estados Unidos
Idioma(s) vários
Lançamento 14 de fevereiro de 2005
Posição no Alexa Estável(junho de 2013)[1]
Desenvolvedor Chad Hurley
Steve Chen
Jawed Karim
Endereço eletrónico www.youtube.com

YouTube é um site que permite que seus usuários carreguem e compartilhem vídeos em formato digital. Foi fundado em fevereiro de 2005 por três pioneiros do PayPal,[2] um famoso site da internet ligado a gerenciamento de transferência de fundos.

O YouTube utiliza os formatos Adobe Flash e HTML5 para disponibilizar o conteúdo. É o mais popular site do tipo (com mais de 50% do mercado em 2006[3]) devido à possibilidade de hospedar quaisquer vídeos (exceto materiais protegidos por copyright, apesar deste material ser encontrado em abundância no sistema). Hospeda uma grande variedade de filmes, videoclipes e materiais caseiros. O material encontrado no YouTube pode ser disponibilizado em blogs e sites pessoais através de mecanismos (APIs) desenvolvidos pelo site.

Possivelmente interessado em expandir o mercado de publicidade de vídeos através de seu AdSense e também em se consolidar como um dos maiores serviços de Internet do mundo, foi anunciada em 9 de Outubro de 2006 a compra do YouTube pelo Google, pela quantia de US$1,65 bilhão em ações.[4] O resultado desta aquisição fez com que o Google encerrasse as atividades do Google Video.

A revista norte-americana Time (edição de 13 de novembro de 2006) elegeu o YouTube a melhor invenção do ano por, entre outros motivos, "criar uma nova forma para milhões de pessoas se entreterem, se educarem e se chocarem de uma maneira como nunca foi vista"[5]

Em 2010, no aniversário de cinco anos do YouTube, foi divulgado que até então o site não havia sido lucrativo para seus proprietários.[6]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

YouTube vem do inglês you: você e tube - canal, ou, no caso, gíria utilizada para designar a televisão. No caso, You television ficaria algo como "Voçe na Televisão", "Você transmite", etc., lembrando que, assim como o português, a língua inglesa permite a criação de verbos com base em substantivos.

História[editar | editar código-fonte]

Sede do YouTube em San Bruno, Califórnia.

O YouTube foi fundado por Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim, que eram empregados da PayPal.[2] Antes de trabalhar na PayPal, Hurley estudou design na Indiana University of Pennsylvania, e Chen e Karim estudaram ciência da computação juntos na University of Illinois at Urbana-Champaign.[7]

O domínio "YouTube.com" foi ativado em 15 de fevereiro de 2005[8] e o site foi desenvolvido nos meses seguintes. Os criadores do site ofereceram uma prévia do site ao público em Maio de 2005, seis meses antes do lançamento oficial.

Em 9 de outubro de 2006, foi anunciado que a companhia seria comprada pelo Google por 1,65 bilhão de dólares em ações. O negócio entre Google e YouTube veio depois que o YouTube apresentou três acordos com empresas de comunicação em uma tentativa de evitar processos sobre infração de direitos autorais. O YouTube continuou operando independentemente, com seus co-fundadores e 67 empregados trabalhando dentro da empresa.[9] A aquisição do YouTube foi fechada em 13 de Novembro, e foi na época a segunda maior aquisição do Google.[10]

Problema com o nome de domínio[editar | editar código-fonte]

O sucesso do YouTube afetou os negócios do "Universal Tube & Rollform Equipment", cuja URL original do site, utube.com, foi tão visitada em uma hora que se sobrecarregou e saiu do ar por causa do grande número de visitantes que não tinham certeza do modo correto que se escrevia o url do YouTube.[11] No início de Novembro de 2006, a Universal Tube entrou com uma ação legal na corte dos Estados Unidos contra o YouTube,[12] pedindo que o domínio YouTube.com fosse transferido para eles,[13] sem obter exito. A partir de Junho de 2008 a url utube.com contém um simples aviso, enquanto a "Universal Tube & Rollform Equipment" se mudou para utubeonline.com, actualmente o site contém apenas publicidade na parte de baixo e um banner a redirecionar para o novo site. De acordo com a ferramenta de busca de domínios WHOIS, Universal Tube ainda é dona do domínio "utube.com".[14]

Usos e operações[editar | editar código-fonte]

Em março de 2006, cerca de vinte mil novos vídeos foram carregados no YouTube diariamente. As visualizações diárias são estimadas na casa dos milhões, já que cerca de trinta milhões de vídeos são vistos diariamente. O serviço possui vinte empregados, sendo que quatro deles são estagiários da Universidade de Stanford, contratados como "censores" para analisar os materiais que os visitantes tenham marcado como "questionáveis". O escritório do YouTube fica na Califórnia.[15] Naquele escritório, trabalham apenas 67 pessoas, segundo o próprio YouTube. Qualquer usuário pode visitar o YouTube, existem diversos vídeos gratuitos. Tem a opção de contas, porém só serão necessário para acessar alguns vídeos que são classificados para maiores de 18 anos de idade, nos demais não é preciso estar logado.

O sistema[editar | editar código-fonte]

Formato de vídeo[editar | editar código-fonte]

A tecnologia de reprodução dos vídeos do YouTube é baseada no Adobe Flash Player. Essa tecnologia permite que o site exiba os vídeos com qualidade comparável a tecnologias mais estabelecidas no mercado (como o Windows Media Player, QuickTime e RealPlayer) que geralmente requerem um download e instalação de um plugin no navegador para a visualização. Flash também necessita de um plugin, mas Adobe considera que o plugin do Flash 7 esteja presente em mais ou menos 90% dos computadores com acesso à Internet.[16] Os vídeos do YouTube são reproduzidos usando o Flash Video (.flv) e codec de vídeo Sorenson Spark (H.263).[17][18]

Os usuários podem ver o vídeo no modo janela ou tela cheia, e é possível trocar entre os modos no meio da reprodução sem a necessidade de carregar de novo o vídeo por causa da função full-screen do Adobe Flash Player 9. O vídeo também pode ser reproduzido com players como GOM Player, gnash, VLC assim como outros players baseados em FFmpeg.

Os vídeos enviados ao YouTube estão limitados a quinze minutos e arquivos de no máximo dois Gb. Só pode ser enviado um vídeo por vez através da interface padrão, ou múltiplos vídeos usando o plugin para Windows.[19] Quando o YouTube foi lançado em 2005, era possível enviar vídeos mais longos que dez minutos, assim as contas não poderão enviar vídeos mais longos que dez minutos, mas as contas antigas ainda possuem esse recurso, fazendo com que alguns vídeos do YouTube tenham uma duração maior do que o limite atual. Esse limite de duração foi introduzido em Março de 2006, quando o YouTube descobriu que a maioria dos vídeos excedendo esse limite eram uploads de programas de televisão e vídeos não autorizados.[20][21]

YouTube aceita o envio de filmes na maioria dos formatos, incluindo .wmv, .avi, .mov, mpeg, .mp4, DivX, FLV e .ogg. O site possui suporte a 3GP, permitindo que vídeos sejam enviados diretamente do celular.[22]

Desde abril de 2011, todos os vídeos carregados para o site são convertidos para WebM.[23]

Qualidade de vídeo padrão e alta[editar | editar código-fonte]

O vídeo padrão é em Flash com 320x240 pixels usando o codec de vídeo H.263. Em março de 2008 o YouTube lançou a opção de ver alguns de seus vídeos em formato "High Quality". Os vídeos de alta qualidade estão disponíveis em duas versões, ambas com um tamanho máximo de 480x360 pixels. Ao escolher a opção "ver em qualidade maior" ou adicionar "&fmt=6" para a url do vídeo, o vídeo é reproduzido usando o codec H.263 com monosound, e adicionando "&fmt=18" é reproduzido usando o codec H.264/MPEG-4 AVC com áudio ACC incorporando dois canais de áudio permitindo som estéreo.[24] O YouTube decide quais vídeos são capazes de melhorar a qualidade baseado no padrão do upload original.[25]

Quando perguntado por que YouTube não escolheu o formato HD, o site respondeu: "Nossa filosofia geral é ter certeza que a maior quantidade possível de pessoas tenham acesso ao YouTube e que os vídeos comecem rápido e tenham uma reprodução tranquila. Essa é uma razão para você não nos ver correndo para nos chamar de 'Super Duper YouTube HD', porque a maioria das pessoas não querem esperar um longo tempo para o vídeo começar."[26]

Formato de áudio[editar | editar código-fonte]

Os vídeos contêm um audio mono MP3 como parte do arquivo Flash Video. Os vídeos na qualidade padrão possuem uma bit rate de 64 kbit/s e 22050 Hz, puxando uma largura de banda de mais ou menos 10 kHz. Audio dos vídeos de alta qualidade são de 96 kbit/s e 44 100 Hz mono.

vídeos reproduzidos com o "&fmt=18" adicionado ao url do vídeo possuem dois canais de audio com 120 kbit~/s, 44100 kHz usando som AAC[24] dando a eles potencial para um audio estéreo. Esse modo de codec é o padrão para os vídeos reproduzidos na Apple TV, iPhone, ou iPod Touch.

Acessibilidade do conteúdo[editar | editar código-fonte]

No YouTube

YouTube aceita arquivos de vídeo com formatos comuns e os converte para vídeos em Flash para torná-los disponíveis para ver online. Desde Junho de 2007, vídeos novos enviados ao site tem sido codificados usando o codec H.264 para permitir a reprodução dos vídeos em aparelhos que suportem "H.264 streaming".

Fora do YouTube

Cada vídeo do YouTube é acompanhado de um pedaço de HTML markup que pode ser usado para fazer a ligação com o vídeo ou embed em uma página fora do site do YouTube, a menos que o usuário que fez o upload do vídeo escolhar desabilitar esse recurso. Uma pequena alteração no markup permite que o vídeo comece a reprodução quando a página carrega. Essa opção é especialmente popular em usuários de sites de relacionamentos. Os vídeos do YouTube podem também ser acedidos por um gadget que está disponível na página iGoogle[27]

Os vídeos do YouTube foram criados para serem vistos enquanto se está conectado a Internet, e nenhum recurso oficial permite o download dos vídeos para serem vistos offline.[28] Entretanto existem alguns sites[29] aplicativos (incluindo o Free Download Manager) e extensões para navegadores (como extensões para o Firefox) que permitem o download dos vídeos.[30] Alternativamente, quando se está usando o Internet Explorer, arquivos.flv podem ser copiados da pasta Temporary Internet Files do Windows, ou para o diretório /tmp em sistemas GNU, para uma pasta permanente. Os arquivos.flv podem então serem vistos e editados diretamente ou convertidos para outros formatos usando vários aplicativos, como o VLC media player.

Em telefonia móvel

YouTube lançou seu site mobile, YouTube Mobile, em 15 de junho de 2007. Ele foi baseado em xHTML e usa vídeos 3GP com codec H.263/AMR e streaming RTSP. Ele é acedido via interface web em m.youtube.com ou através da YouTube's Mobile Java Application.

Na televisão

O "YouTube TV Channel" começou a ser exibido na Information TV 2 no dia 7 de janeiro de 2008. O canal está exibindo vídeos do site do YouTube.

Na Apple TV, iPhone e iPod touch

Apple Inc. anunciou em 20 de junho de 2007 que o YouTube estaria acessível no Apple TV depois da instalação de uma atualização de software gratuita. A funcionalidade inclui navegação pelas categorias, busca por vídeos, e a habilidade de se logar no site diretamente do Apple TV. Está disponível milhares dos vídeos do YouTube mais populares, e tem planos de adicionar milhares de novos vídeos a cada semana. O objetivo era adicionar todo o catálogo do YouTube no verão de 2007. De acordo com o Apple VP David Moody, a causa do atraso foi a necessidade de todo o conteúdo do YouTube ser encodado para o padrão de vídeo preferido pela Apple Inc., H.264.

Apple anunciou no dia 20 de junho de 2007 que o YouTube estaria disponível no iPhone no lançamento. A reprodução se dá através de Wi-Fi ou EDGE. Os vídeos para o iPhone também são encodados no formato H.264. Todos os vídeos são visualizados na orientação horizontal do iPhone. Como os vídeos do YouTube tem a razão de 4:3 e os do iPhone são 3:2, os vídeos precisam ser visualizados com barras pretas nos lados ("Pillar Boxed") ou ser feito o zoom para diminuir as barras. Inicialmente nem todos os vídeos do YouTube estavam disponíveis para o iPhone, porque nem todos estavam encodados para o H.264. Há duas versões de cada vídeo do YouTube, uma com maior resolução para uso com Wi-Fi, e outra com menor resolução para usar com EDGE ou 3G. Diferente da versão para Apple TV, os usuários não podem logar no site, mas podem criar uma lista de favoritos a parte apenas para o iPhone.

Anotações[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2008 o YouTube lançou uma versão beta para testes do recurso Anotações, que mostraria notas ou links dentro do vídeo. As Anotações vão permitir que informações sejam adicionadas ao vídeo, por exemplo histórias com múltiplias possibilidades (usuários clicam para escolher a próxima cena), e links para outros vídeos do YouTube. Inicialmente, as Anotações não iriam aparecer nos vídeos embedded fora do site do YouTube,[31] mas a partir de Agosto de 2008 está também disponível para os vídeos embed.[32]

Video rankings[editar | editar código-fonte]

YouTube recompensa vídeos com honras, os mais populares sendo os "mais vistos"[33] que são divididos em quatro categorias: hoje, essa semana, esse mês, e todos os tempos.

Questões legais[editar | editar código-fonte]

YouTube tem sido alvo de ações de censura em vários países por causa do conteúdo que ele hospeda. O site já foi bloqueado em vários países desde o seu lançamento, como Austrália[34] Indonesia, Irã, Paquistão, Síria, Sudão, Tailândia, Tunísia e Turquia.

Brasil, China e Marrocos[35] chegaram a bloquear o site, mas depois o bloqueio foi desfeito. Outros países tem bloqueios parciais. Nos Emirados Árabes Unidos algumas páginas estão banidas. Na Arábia Saudita a página para confirmar a data de nascimento está bloqueada, impedindo acesso a conteúdo adulto. Apesar de bloqueios em alguns países ainda é possível usar "proxies" para contornar essas restrições.

Na China o YouTube foi bloqueado no dia 18 de outubro de 2008 por causa de censura da bandeira Taiwanesa. As URLs do YouTube foram redirecionadas para o buscador da China, Baidu. O site foi depois desbloqueado em 31 de outubro[36]

Na Turquia, Algumas páginas de vídeo foram banidas no dia 1 de outubro de 2007, mas foram liberadas dois dias depois. Em 22 de Janeiro de 2008 a Turquia baniu o YouTube mais uma vez, e novamente foi liberado depois de três dias. O YouTube está atualmente bloqueado na Turquia desde maio de 2008 depois de controvérsias sobre um vídeo insultando Mustafa Kemal Atatürk[37]

Em um vídeo de entrevistas da Fox News Atlanta, foi mencionado que "uma substancial porção da população da Turquia" usa "proxies" para contornar essas restrições. A entrevista mencionou especificamente um exemplo de proxy, o site VTunnel.com, que recebe mais de 1 milhão de visitas por dia só da Turquia[38]

ID de áudio e ID de vídeo[editar | editar código-fonte]

O YouTube lançou a ferramenta "ID de áudio e ID de vídeo", para que os proprietários de conteúdo. Assim quando um usuário enviar um vídeo protegido por direitos autorais, o vídeo ou será bloqueado ou terá anúncios.[39]

Endereços relacionados com o Youtube[editar | editar código-fonte]

Toda a interface do site está agora disponível em idiomas e versões locais em vários países:

País URL Língua Lançamento
 Austrália http://au.youtube.com/ Inglês para a Austrália 02007-10-22 22 de outubro de 2007[40]
 Brasil http://br.youtube.com/ Português para o Brasil 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Canadá http://ca.youtube.com/ Inglês para o Canadá e Francês (Canadá) 02007-11-06 6 de novembro de 2007[42]
 República Checa http://cz.youtube.com/ Tcheco 02008-10-09 9 de outubro de 2008[43]
 França http://fr.youtube.com/ Francês 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Alemanha http://de.youtube.com/ Alemão 02007-11-18 18 de novembro de 2007[44]
 Hong Kong http://hk.youtube.com/ Chinês tradicional 02007-10-17 17 de outubro de 2007[45]
 Israel http://il.youtube.com/ Inglês 02008-09-16 16 de setembro de 2008
 Índia http://in.youtube.com/ Inglês para a Índia 02008-05-07 7 de maio de 2008[46]
 Irlanda http://ie.youtube.com/ Inglês para a Irlanda 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Itália http://it.youtube.com/ Italiano 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Japão http://jp.youtube.com/ Japonês 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Coreia do Sul http://kr.youtube.com/ Coreano 02008-01-23 23 de janeiro de 2008
 México http://mx.youtube.com/ Espanhol do México 02007-10-10 10 de outubro de 2007
 Países Baixos http://nl.youtube.com/ Neerlandês 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Nova Zelândia http://nz.youtube.com/ Inglês para a Nova Zelândia 02007-10-22 22 de outubro de 2007[40]
 Polónia http://pl.youtube.com/ Polonês 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Rússia http://ru.youtube.com/ Russo 02007-11-13 13 de novembro de 2007
Flag of Spain.svg Espanha http://es.youtube.com/ Espanhol 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
 Suécia http://se.youtube.com/ Sueco 02008-10-22 22 de outubro de 2008
Taiwan http://tw.youtube.com/ Chinês tradicional 02007-10-18 18 de outubro de 2007[45]
 Reino Unido http://uk.youtube.com/ Inglês para o Reino Unido 02007-06-19 19 de junho de 2007[41]
Portugal Portugal http://www.youtube.pt/ Português 02008-05-07 7 de maio de 2008

O Google tenta competir com websites de compartilhamento de vídeos como o Dailymotion na França. Ele também fez um acordo com estações de televisão locais como a M6 e a France Télévisions para transmitir legalmente os conteúdos em vídeo.

Outros domínios registados á semelhança do Youtube: (Consultado em 07/05/2014)

Dono / Registo URL
Google Inc. / MarkMonitor Inc. https://youtube.com/
Google Inc. / MarkMonitor Inc. http://youtube.net/
Google Inc. / MarkMonitor Inc. http://youtube.org/
Cyber Trading Co. / Tucows Domains http://yt.com/
Desconhecido / MONIKER LLC http://yt.net/
SEDO / Domains By Proxy http://yt.org/

YouTube nos eventos mundiais[editar | editar código-fonte]

Eleições[editar | editar código-fonte]

Pela visibilidade e facilidade de acesso, o YouTube passou a ser usado por alguns políticos como meio de propaganda de suas candidaturas. Os votantes podem assim ver as propostas do candidato, e fazer vídeos apoiando ele (ou se opondo a ele).

Recentemente, políticos franceses e italianos, como Antonio Di Pietro, passaram a usar o site como parte de suas campanhas.

Nas eleições presidenciais de 2008 dos Estados Unidos a CNN apresentou um debate onde os candidatos respondiam perguntas selecionadas de uma lista de perguntas submetidas por usuários do YouTube. Por causa do uso da tecnologia para juntar questões de uma grande variedade de usuários, o debate tem sido considerado como o "debate presidencial mais democrático de todos os tempos"[47]

Os meios de comunicação dos Estados Unidos comentou várias vezes que o YouTube teve papel significativo na derrota do senador George Alle nas eleições de 2006 por causa de um vídeo dele fazendo alegações racistas. "Se não fosse o vídeo hostil e os blogs, Allen teria tido uma vitória esmagadora. Mas o vídeo chegou no YouTube, e depois para as redes de TV, acabando assim com as esperanças de Allen se reeleger.[48][49][50][51]

YouTube Video Awards[editar | editar código-fonte]

Em 2006 YouTube apresentou o anual "YouTube Video Awards"[52] As categorias incluem "o mais adorável vídeo de todos os tempos" e "o mais criativo". O YouTube nomeia os concorrentes e os usuários decidem o vencedor. Apenas vídeos originais e criados pelos usuários são nomeados. Nomeações para o concurso de 2006 incluem "Peter Oakley (geriatric1927)", "LonelyGirl15", "thewinekone", "Renetto", "Nezzomic", e "Chad Vader"[53][54]

Vídeos com direitos autorais[editar | editar código-fonte]

O YouTube fechou uma parceria com a Rede Globo para exibir vídeos da maior emissora do país. Segundo o principal executivo do Google no Brasil, Alexandre Hohagen, "Isso traz mais credibilidade depois de muita discussão sobre uso de conteúdo pelo YouTube no mundo inteiro". Os primeiros vídeos da Globo que serão disponibilizados no YouTube serão o da novela teen "Malhação". A Rede Record possui uma conta no site desde 30 de junho de 2006. Através dela, divulga a sua programação. Desde Janeiro de 2009, está fragmentando as suas novelas e telejornais.

YouTube Live[editar | editar código-fonte]

Pela primeira vez, no dia 22 de Novembro de 2008, o YouTube passou a ser ao vivo. Uma página produzida pelos directores do YouTube, mostrou um espectáculo ao vivo no site. Celebridades do YouTube como "What the Buck", e celebridades mundiais como Akon e Wil.I.Am estiveram presentes. Os MythBusters também fizeram seu programa. Isto pode ser realizado por causa da utilização do programa "flip". [carece de fontes?]

Em 30 de novembro de 2010, o Brasil teve sua primeira transmissão ao vivo através do Youtube live. Um show de sertanejo com 3 horas de duração. Participaram os seguintes artistas; João Bosco e vinicius, Michel Teló, Luan Santana, Bruno e Marrone e Victor e Léo.[55]

Editor de vídeos on line[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2010 o You Tube lançou o editor de vídeos on line onde é possível transições entre cenas, troca de trilhas de áudio, união e cortes do vídeos publicados.[56]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Categoria:YouTube

Referências

  1. «Youtube.com Site Info» (em inglês). Alexa Internet. Junho de 2013. Consultado em 23 de junho de 2013 
  2. a b Graham, Jefferson (2005 - nov-21). Video websites pop up, invite postings USA Today. Gannett Co. Inc.. (em inglês) visitado em 28 de julho de 2006. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "usatoday" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. Reuters (2006-jul-16) YouTube serves up 100 million videos a day online USA Today visitado em 13 de outubro de 2006.
  4. La Monica, Paul R. (2006-out-09) Google to buy YouTube for $1.65 billion CNN.com. (em inglês) visitado em 9 de outubro de 2006.
  5. G1 (2006-nov-07) Revista Time elege YouTube a melhor invenção do ano
  6. R7 (2010-fev-15) YouTube completa cinco anos com muita popularidade, mas ainda sem dar lucro R7.com visitado em 8 de abril de 2011.
  7. University of Illinois Department of Computer Science (2006). "YouTube: Sharing Digital Camera Videos"
  8. «Info for YouTube.com». Alexa.com (em English). Amazon.com. 26 de julho de 2006. Consultado em 26 de julho de 2006 
  9. «Google to buy YouTube for $1.65 billion». 9 de outubro de 2006. Consultado em 9 de outubro de 2006 
  10. «Google closes $A2b YouTube deal». theage.com.au. 14 de novembro de 2006. Consultado em 3 de março de 2007 
  11. Christian Zappone. "Help! YouTube is killing my business!: An Ohio company's sales get 'killed' as YouTube surfers cripple utube.com, a pipe equipment seller's web site." CNNMoney.com, October 12, 2006; retrieved November 17, 2006.
  12. Rhys Blakely. "Utube sues YouTube" Times Online, November 02, 2006; retrieved November 17, 2006.
  13. «"Utube.com v. YouTube.com: Ohio pipe firm says confused web surfers are hurting its business" The Smoking Gun,. 2 de novembro de 2006. Consultado em 17 de novembro de 2006 
  14. «WHOIS results for www.utube.com». DomainTools. Consultado em 21 de novembro de 2013 
  15. Woolley, Scott (Mar. 13, 2006). "Raw and Random", p. 27. Forbes.
  16. «Adobe Flash Player Version Penetration Adobe» 🔗 
  17. «JISC Standards Catalogue - H.263» 
  18. «Coding Horror: Did YouTube Cut the Gordian Knot of Video Codecs?» 
  19. «Multi-Video Upload». YouTube. Consultado em 4 de junho de 2008 
  20. «YouTube Account Types - Longer videos» 
  21. «YouTube caps video lengths to reduce infringement» 
  22. «In which formats YouTube officially accepts uploaded videos» 
  23. YouTube Blog (19 de abril de 2011). «Mmm mmm good - YouTube videos now served in WebM». Consultado em 22 de abril de 2011. [...] all new videos uploaded to YouTube are now transcoded into WebM. 
  24. a b Baekdal, Thomas. «YouTube in High-resolution». Consultado em 8 de junho de 2008 
  25. «Comparison of normal YouTube vs YouTube High quality» 
  26. «VYouTube launches HQ videos» 
  27. «Official YouTube Gadget». Consultado em 9 de junho de 2008 
  28. «Can I download videos to watch later?». YouTube. Consultado em 9 de junho de 2008 
  29. «FlashLoad.net, [http://javimoya.com/blog/youtube_en.php Javimoya.com], etc»  Ligação externa em |título= (ajuda)
  30. «Firefox VideoDownloader» 
  31. «How do I create or edit video annotations?». YouTube. Consultado em 4 de junho de 2008 
  32. «Video Annotations Now Display On Embeds». YouTube blog. Consultado em 17 de agosto de 2008 
  33. YouTube.com. «YouTube page on "most viewed"»  Parâmetro desconhecido |acessoano= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |accessmonthday= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda)
  34. AustralianIT (6 de março de 2007). «States still hold out on YouTube»  Texto "accessdate2007-10-11" ignorado (ajuda)
  35. «YouTube again accessible via Maroc Telecom». rsf.org. Consultado em 30 de maio de 2007 
  36. «Reference» 
  37. «Turkish court lifts YouTube ban after online censorship protest» 
  38. «Palin's Hacked E-mail has Georgia Connection». MyFoxAtlanta. Setembro 2008. Consultado em 19 de novembro de 2008 
  39. «"Bloqueie, monetize ou controle as métricas de visualização"» 
  40. a b «YouTube Launches in Australia & New Zealand» 
  41. a b c d e f g h i «Google launches YouTube France News - PC Advisor» 
  42. «YouTube Canada Now Live» 
  43. «Czech version of YouTube launched. And it's crap. It sucks» 
  44. «YouTube Germany Launches» 
  45. a b «Chita • 檢視主題 - YouTube 台灣版推出» 
  46. «YouTube now has an Indian incarnation» 
  47. Luke O'Brien (14 de Junho de 2007). «YouTube and CNN Discuss "Most Democratic" Presidential Debate Ever». Wired Magazine (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2008 
  48. Jose Antonio Vargas (17 de Junho de 2007). «'Ron Paul, who?' no longer applies GOP hopeful big hit in YouTube videos». San Francisco Chronicle (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2008 
  49. Andrew Kantor (16 de Novembro de 2006). «We would be well served to delete others' missteps in Web's archive». USA Today (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2008 
  50. Carrie Budoff (2 de Fevereiro de 2007). «Senators Fear Having A "Macaca" Moment: Smallest Slip-Ups Can Tank A Campaign, Thanks To YouTube». CBS News (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2008 
  51. Andrew Sullivan (4 de Fevereiro de 2007). «Video power: the potent new political force». The Sunday Times (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2008 
  52. «YouTube.com/ytawards» 
  53. Coyle, Jake (19 de março de 2007). «YouTube to announce awards for user video». MSNBC / Associated Press 
  54. staff (19 de março de 2007). «YouTube to present video awards». BBC News 
  55. «"YouTube Live chega ao país com transmissão de show sertanejo"». IDG Now! 
  56. Youtube lança editor de vídeos online

Ligações externas[editar | editar código-fonte]