Virginia Brindis de Salas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Virginia Brindis de Salas
Virginia Brindis de Salas.jpg
Biografia
Nascimento
Morte
Nome nativo
Iris Virginia SalasVisualizar e editar dados no Wikidata
Pseudónimo
Virginia Brindis de SalasVisualizar e editar dados no Wikidata
Cidadania
Atividades
Outras informações
Género artístico

Virginia Brindis de Salas (18 de setembro de 1908 – 6 de abril de 1958)[1] foi uma poetisa da comunidade negra uruguaia. A principal poetisa negra do país, ela é também considerada "a mais militante dentre os escritores afro-uruguaios".[2] Sua poesia aborda a realidade social dos uruguaios negros.[3] Pouco se sabe sobre a sua vida; de acordo com Joy Elizondo, ela teria dito que era sobrinha do violinista cubano Claudio Brindis de Salas,[3] embora isso não tenha sido comprovado.

Experiência[editar | editar código-fonte]

Nascida em Montevidéu,[1] filha de José Salas e María Blanca Rodríguez,[4] Virginia Brindis de Salas foi uma contribuinte ativa para o jornal artístico negro Nuestra Raza.[3] Sua escrita fez dela, junto com Pilar Barrios, uma das poucas poetisas uruguaias que tiveram o seu trabalho publicado.[5]

Coleções de poesia[editar | editar código-fonte]

Brindis de Salas publicou duas coleções de poemas. A primeira, Pregón de Marimorena, saiu em 1946,[6] dando a ela uma certa quantidade de reconhecimento. A chilena ganhadora do prêmio Nobel Gabriela Mistral escreveu sobre Brindis de Salas: "Cante, minha amada Virginia, você é a única de sua raça que representa o Uruguai. Sua poesia é conhecida em Los Angeles e no ocidente. Eu ouvi falar do seu trabalho através de amigos diplomatas e que Deus permita que este livro seja a chave que abrirá os cofres da sorte para a única mulher negra uruguaia corajosa que eu conheço."[7] Em 1949 Brindis de Salas publicou Cien Cárceles de Amor[8], que é dividido em quatro seções, cada uma dando destaque a um tipo diferente de música afro: "Baladas", "Chamadas", "Tangos" e "Canções".[3]

De acordo com Caroll Mills Young, em ambas as coleções, Brindis de Salas "evoca poeticamente a realidade social e cultural do Uruguai negro.... Os volumes têm a intenção de promover mudança social no Uruguai; eles exemplificam a cruzada da poetisa por solidariedade, igualdade e dignidade."[9]

No prólogo de Cien Cárceles de Amor Brindis de Salas mencionou um futuro terceiro volume intitulado Cantos de lejanía, mas esse livro nunca foi publicado.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b "Brindis de Salas, Virginia", Autores.uy.
  2. Caroll Mills Young, "The Unmasking of Virginia Brindis de Salas: Minority Discourse of Afro-Uruguay", in Miriam DeCosta-Willis, Daughters of the Diaspora: Afra-Hispanic Writers, Ian Randle Publishers, 2003, pp. 11–24.
  3. a b c d e Joy Elizondo, "Brindis de Salas, Virginia" in Anthony Appiah and Henry Louis Gates, Jr. (eds), Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience, Oxford University Press, 2005, p. 626 –627.
  4. "BRINDIS DE SALAS 'The Black Paganini'. Parental Denial of a Genius", TheCubanHistory.com, 28 January 2016.
  5. Faculty Senate: Faculty Achievement Database - Marshall University
  6. Marvin A. Lewis, Afro-Uruguayan Literature: Post-colonial Perspectives, Bucknell University Press, 2003, p. 89.
  7. Quoted in Caroll Mills Young, "The Unmasking of Virginia Brindis de Salas: Minority Discourse of Afro-Uruguay", in Miriam DeCosta-Willis, Daughters of the Diaspora: Afra-Hispanic Writers (2003), pp. 18.
  8. Margaret Busby (ed.), "Virginia Brindis de Salas", Daughters of Africa, Jonathan Cape, 1992, p. 228.
  9. Caroll Mills Young, in Miriam DeCosta-Willis, Daughters of the Diaspora (2003), p. 22.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]