Virundum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Virundum(pt-BR) ou Tiocidade (pt), é um neologismo que designa uma percepção imprecisa de uma frase ou conjunto de palavras, que é trocado por uma homofonia. É mais comumente aplicada a um verso de um poema ou uma letra de canção.[1]

Quando este fenômeno ocorre a partir de um verso escrito em um idioma diferente, é chamado pelo termo japonês Soramimi.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o termo Virundum foi cunhado por Paulo Francis, no tabloide O Pasquim, como uma brincadeira por conta de uma má interpretação do Hino Nacional Brasileiro cuja primeira estrofe é "Ouviram do Ipiranga", mas muitas pessoas cantam "O Virundum Ipiranga".[2]

Em Portugal, o neologismo Tiocidade começou por ganhar popularidade entre na comunidade académica da Universidade de Aveiro, onde um aluno de Engenharia Física fez uma interpretação incorreta do verso "Dentro de ti, ó cidade" da música Grândola, Vila Morena interpretada por Zeca Afonso. De forma independente, esta má interpretação tem ocorrido com outros portugueses.[3]

Psicologia[editar | editar código-fonte]

As pessoas são mais propensas a escutar o que esperam do que as coisas que não fazem parte de suas experiências cotidianas; isso é conhecido como "viés de confirmação". Ou seja, se uma letra de uma canção usa palavras ou frases com as quais o ouvinte não está familiarizado, elas podem ser mal interpretadas como usando termos mais familiares.[4]

Além disso, a criação de virunduns pode ser motivada em parte pela dissonância cognitiva, pois o ouvinte acha psicologicamente desconfortável ouvir uma música e não entender as palavras. Essa dissonância será mais aguda quando as letras estiverem em um idioma em que o ouvinte é fluente. O estudioso Steven Connor sugere que os virunduns são o resultado das constantes tentativas do cérebro de entender o mundo, fazendo suposições para preencher as lacunas quando ele não pode determinar claramente o que está ouvindo.[5]

Já o psicologo Steven Pinker observou que os virundus tendem a ser menos plausíveis do que as letras originais, e que, uma vez que um ouvinte "se apega" a uma interpretação específica das letras de uma música, esta pode permanecer inquestionável, mesmo quando a plausibilidade não faz sentido.[6] O fenômeno pode, em alguns casos, ser desencadeado por pessoas ouvindo "o que elas querem ouvir".[7]

No entender do jornalista James Gleick uma música folclórica aprendida pela repetição geralmente é transformada ao longo do tempo quando cantada por pessoas em uma região onde algumas das referências da música se tornaram obscuras.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Alguns exemplos de virunduns ou tiocidades: "A Noite do Prazer", de Cláudio Zoli, comumente tem a frase de seu refrão "Tocando B.B. King sem parar" interpretada como "Trocando de biquíni sem parar"; "Melô do Marinheiro", d'Os Paralamas do Sucesso", tem "entrei de gaiato no navio" ouvida como "entrei de caiaque no navio";[8] e a canção "Purple Haze", de Jimi Hendrix, tinha "kiss the sky" (beijar o céu) tão compreendida como "kiss this guy" (beijar esse sujeito) que o próprio Hendrix começou a cantar essa versão enquanto apontava pro seu baixista Noel Redding.[9] Algumas se combinam com cognatos: "Eyes Without a Face", de Billy Idol, tem seu título entendido no Brasil como “Ajudar o peixe”.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sérgio Rodrigues (10 de abril de 2011). «Crônica 'Mondegreen', virundum: trocando de biquíni sem parar». Revista Veja 
  2. Pedro Alexandre Sanches (18 de abril de 2003). «Novo blog espalha "virunduns" da MPB». Folha de S.Paulo 
  3. raparigadoaviao (3 de maio de 2007). «Tiócidade e Contactar». raparigadoaviao. Consultado em 15 de junho de 2015 
  4. Ira Hyman (8 April 2011). «A Bathroom on the Right? Misheard and Misremembered Song Lyrics». Psychology Today  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Steven Connor (14 February 2009). «Earslips: Of Mishearings and Mondegreens»  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Steven Pinker (1994). The Language Instinct. New York: William Morrow. pp. 182–183. ISBN 978-0-688-12141-9  Parâmetro desconhecido |title-link= ignorado (ajuda)
  7. «The Lascivious 'Louie Louie'». The Smoking Gun. Consultado em 18 de fevereiro de 2009 
  8. 10 erros ao escutar letras de música
  9. 'Scuse Me While I Kiss the Sky: Jimi Hendrix: Voodoo Child
  10. “Trocando de biquini sem parar…”
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.