Voos da morte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fokker F 28 da Marinha da Guerra argentina no aeroporto militar do Aeroparque
Shorts SC.7 Skyvan da Prefeitura, usado para os voos da morte
O aeroporto militar que se encontra no extremo sul (esq) do Aeroparque era utilizado para os voos da morte

Os "voos da morte" (em espanhol Vuelos de la muerte) foram uma atroz prática da Guerra suja na Argentina, durante o chamado "Processo de Reorganização Nacional" (1976-1983). Mediante os "voos da morte" milhares de detidos-desaparecidos foram atirados ao mar vivos e drogados, de aviões militares. Estima-se que os voos vitimaram 4 mil pessoas, inclusive líderes das Mães da Praça de Maio.[1]

As constâncias[editar | editar código-fonte]

As evidências sobre o assassinato de opositores arremessando-os de aviões são inquestionáveis e não há controvérsia sobre isso. Já em 1977, durante o regime militar apareceram vários corpos nas costas dos balneários atlânticos de Santa Teresita e Mar del Tuyú, cerca de 200 km a sul da Cidade de Buenos Aires. Os cadáveres foram enterrados como “NN” (Nome Desconhecido, do latim Nomen Nescio) no cemitério de General Lavalle, mas previamente os médicos policiais que intervieram informaram que a causa de morte fora o “choque contra objetos duros desde grande altura”.[2]

Em 1995, o ex-repressor da ESMA Adolfo Scilingo, contou ao jornalista Horácio Verbitsky a metodologia de extermínio à qual os próprios verdugos referiam como "voos". O testemunho foi publicado como livro, com o título de “O voo”. Scilingo, nos seus testemunhos, detalha o procedimento, a autorização da Igreja católica, a utilização de injeções anestésicas, o tipo de aviões (Electra,[3] Skyvan;[4] p. 30), a larga participação dos oficiais, a utilização do aeroporto militar que se encontra em Aeroparque (cidade de Buenos Aires)...

Embora existam poucos dados, o desaparecimento dos cadáveres dos detidos-desaparecidos atirando-os no mar desde aviões parece que foi um método generalizado, além das tumbas clandestinas. Além da ESMA, há referências aos mesmos em El Olimpo,[6] em La Perla , em El Campito (Campo de Maio). Neste último, o Centro clandestino de detenção (CCD) foi instalado próximo ao aeródromo precisamente para facilitar o translado dos detidos aos aviões. A Força Aérea uruguaia reconheceu em 2005 que eram realizados voos da morte em combinação com as Forças Armadas argentinas (Operação Condor).[7] Scilingo declarou também frente do juiz espanhol Baltasar Garzón que foram recolhidos prisioneiros na base que a Marinha da Guerra possui em Punta Indiano (Província de Buenos Aires).[8]

O CCD conhecido como "Quinta de Funes" em Rosário encontrava-se situado a 400 metros do aeroporto e há constâncias de que detidos ali foram jogados ao mar, na zona da Baía de Samborombán (província de Buenos Aires).[9][10]

Em Novembro de 2004 a Equipa Argentina de Antropologia Forense (EAAF) descobriu que os restos de uma pessoa enterrada como NN no cemitério de General Lavalle (Província de Buenos Aires) correspondia a um desaparecido. Procederam então a revisar os livros do cemitério e descobriram que essa pessoa e outras cinco foram encontradas nas praias entre os dias 20 e 29 de Dezembro de 1977, suspeitando então que poderiam ser todas vítimas de um mesmo "voo da morte". Poucos dias depois os corpos foram exumados. No lapso duns meses foi-se estabelecendo que se tratavam dos restos das mães da Praça de Maio, Esther Ballestrino, María Eugenia Ponce, Azucena Villaflor,[11] a militante Angela Auad,[12] e a monja francesa Léónie Duquet.[13] Em Abril de 2006 esperava-se encontrar também a Alice Domon, outra monja francesa sequestrada e torturada com o grupo.

A Equipa Argentina de Antropologia Forense determinou também que os corpos apresentavam "fraturas múltiplas nos membros superiores e inferiores no crânio, compatíveis com a queda desde altura contra uma superfície dura que poderia ter sido o mar".[14]

Todas elas agiam na Igreja da Santa Cruz, no bairro de San Cristóbal, foram sequestradas de 8 a 10 de Dezembro de 1977, levadas para a ESMA, torturadas durante por volta de 10 dias, deslocadas em avião e jogadas vivas ao oceano, à altura do balneário turístico de Santa Teresita, por volta de 20 de Dezembro de 1977. Os seus corpos foram arrastados pelas correntes até a praia e enterrados rapidamente pela polícia local como NN, não sem antes fazer constar que a morte fora por uma queda desde grande altura. A descoberta encerra um capítulo importante da reconstrução da memória histórica durante a Guerra Suja na Argentina.

Em 29 de novembro de 2017, o Tribunal Oral Federal N. 5 condenou à prisão perpétua os tripulantes do voo do dia 14 de dezembro de 1977.[15]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cué, Carlos E. (10 de dezembro de 2017). «Argentina fecha o círculo do crime mais cruel da ditadura». EL PAÍS 
  2. «Scilingo: "os voos da morte eram aprovados pela hierarquia da Igreja"». Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  3. Lockheed L-188 Electra[ligação inativa]
  4. Shorts SC.7 Skyvan 3M-400[ligação inativa]
  5. «Scilingo: "Os voos da morte eram aprovados pela hierarquia da Igreja"». Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  6. El Olimpo del horror
  7. Uruguay: la Fuerza Aérea admite que hubo vuelos de la muerte
  8. «Catálogo del horror de la lista de genocidas argentinos». Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 12 de março de 2007 
  9. «El informe de los antropólogos es la clave». Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 24 de setembro de 2006 
  10. TD Informes Especiales reconstruyó las historias de vida de los más de treinta muertos y desaparecidos[ligação inativa]
  11. a b «Por primera vez hallan cuerpos de 'vuelos de la muerte'». Consultado em 10 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2007 
  12. Identificam outro NN
  13. Identificaron el cuerpo de una de las monjas francesas
  14. Identifican los restos de una de las dos monjas francesas
  15. Jorge, Jonas. «Argentina. Prisão perpétua para os pilotos dos voos da morte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 10 de dezembro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]