Webhook

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Um webhook (em português "gancho web") em desenvolvimento Web é um método de ampliar ou alterar o comportamento de uma página da Web, ou aplicação da Web, com callbacks personalizados. Estas ligações de retorno poderão ser mantidas, modificadas, e geridas por terceiros e responsáveis pelo desenvolvimento que poderão não necessariamente estar afiliados com a origem do site da Web ou aplicação. O termo "webhook" foi inventado por Jeff Lindsay em 2007 a partir do termo de programação de computador Hook.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Webhooks são callbacks HTTP definidos pelo utilizador".[2][3]

Contudo, também existem modos para criar um serviço de fila de mensagem no topo de algum HTTP REST, exemplos incluem IronMQ e RestMS.

Por que usar[editar | editar código-fonte]

Vamos imaginar uma situação hipotética em que uma pessoa, José, está aguardando uma encomenda chegar por uma transportadora, e a cada atualização de localidade do pedido é inserida no sistema da transportadora, podendo ser consultada pelo website deles. Para saber se sua entrega já está em sua cidade, José deveria ficar constantemente acessando o site da transportadora e utilizando um código de rastreamento fornecido pela mesma.

Com um webhook, assim que uma atualização pro pedido fosse lançada no sistema da transportadora, José poderia ser notificado automaticamente de que houve uma atualização em seu pedido, evitando assim a necessidade de ter de fazer múltiplas requisições para checar se o estado de seu pedido mudou.

Diversos sistemas utilizam webhooks para facilitar a vida de seus clientes, como, por exemplo, o Nubank, que avisa o cliente sobre cada transação associada à sua conta.

Consultar também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]