Yury A. Dmitriev

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Yury A. Dmitriev (2013)

Yury Alexeyevich Dmitriev (Petrozavodsk - 1956) é um ativista de direitos humanos e historiador local em Carélia (noroeste da Rússia). Desde o início dos anos 90, ele trabalhou para localizar alguns dos locais de execução do Grande Terror de Stalin e identificar o maior número possível de vítimas enterradas neles.[1][2][3] Como resultado de seu trabaho o passado de Karelia é melhor documentado a esse respeito do que quase qualquer outra parte da Federação Russa.[4]

Em 31 de dezembro de 2017, Yury Dmitriev foi um dos 16 jornalistas, escritores e historiadores russos, presos ou perseguidos pelas autoridades, os quais foram reconhecidos no anual Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento realizado em Strasbourg.

Investigação[editar | editar código-fonte]

Dmitriev é particularmente conhecido por sua participação na descoberta e investigação de dois locais, Sandarmokh e Krasny Bor, e sua subsequente transformação em complexos para relembrar as vítimas de comunismo.[2]

Com base na informação dos arquivos, Dmitriev identificou os nove mil homens e mulheres baleados em Sandarmokh e enterradas em 236 valas comunais.[2]

Krasny Bor é uma área arborizada, não muito longe de Petrozavodsk, a capital da Carélia, com uma área de aproximadamente 350 por 150 metros.[5] Segundo relatos de execução nos antigos arquivos da KGB para a Carélia, 1.193 pessoas foram fuziladas e enterradas lá: 580 finlandeses, 432 carelianos, 136 russos e 45 pessoas de outras nacionalidades. Os fuzilamentos ocorreram de 9 de agosto a 15 de setembro de 1937 e de 26 de setembro a 2 de outubro de 1938.[5]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em 2005, Dmitriev foi premiado com o prêmio "Golden Pen of Russia" por suas publicações.[6]

Em 2015 ele recebeu a Cruz de Ouro do Mérito da Polônia por seu trabalho na localização de enterros em massa em Sandarmokh e em Solovki, e identificou as vítimas que eles continham: os poloneses étnicos na União Soviética eram uma das nacionalidades alvo do Grande Terror.[7]

Em 2016 Dmitriev foi premiado com um Diploma de Honra da República da Carélia.

Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Their Names Returned: Russia's Books of Remembrance website (Возвращенные имена.Книги памяти России), Search: "Sandarmokh", "Kniga pamyati Karelii", 4,974 names (acessado em 1 de Julho de 2018 ).
  2. a b c Ayres, Sabra. «An outspoken researcher of Stalin's crimes fights for his own fate and freedom in Russia». Europe. Los Angeles Times. Consultado em ! de Julho de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. Osborn, Andrew (( de Janeiro de 2018). «Russian historian who exposed Stalin's crimes faces enforced psychiatric testing». World News. Reuters. Consultado em 1 de julho de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Daniel, Alexander (24 de julho de 2017). «He roused the Dragon». Rights in Russia. Los Angeles Times. Consultado em 1 de julho de 2018 
  5. a b «Krasny Bor 1937 - 1938». Krasny Bor. Heninen. Consultado em 4 de Julho de 2018 
  6. The Golden Pen of Russia, é um prêmio literário nacional, iniciado a partir de 2005". Dmitriev foi um dos primeiros 23 autores a receber o novo prêmio. (em russo)
  7. Polish Consultate-General, St Petersburg, "Days of Remembrance for the Victims of Political Repression", 20 Agosto 2015 (em Russo e Pôlones).
  8. Livro em pdf.
  9. Volume descrevendo Krasny Bor.
  10. "New books by Yury Dmitriev", Rights in Russia, Weekly Update No. 22 (255), 5 Junho 2017.