Acta Diurna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Actas Diurnas (Actae Diurnae, do latim), são consideradas as primeiras mídias jornalísticas que surgiram no mundo.

Também eram conhecidas por Actas Públicas, Actas Urbanas, Actas Populares ou ainda Diurnálias.

Surgiram em Roma, no Século II a.C., possivelmente no ano de 131 a.C.

Eram tábuas fixadas nos muros com os principais acontecimentos do Império Romano.

São consideradas as percursoras do jornalismo, pela periodicidade e atualidade das informações.

Magistrados e servidores públicos recolhiam as informações e redigiam os textos, considerados os primeiros jornalistas.

Nas oficinas do Estado e de editores privados, os relatos eram manuscritos, copiados por escribas.

Algumas editoras acrescentavam informações próprias, fugindo do controle oficial.

Cabia aos escravos afixar as Actas nos muros de Roma e nas províncias do império.

Cerca de 59 a.C. Júlio César criou as Actas do Senado, com os resumos das sessões da Augusta Assembleia, além de atos administrativos e legislativos.

Pode-se considerar estas Actas' uma espécie de antepassado dos diários oficiais.

Referências

  • SOUZA, Jorge Pedro. Uma história breve do jornalismo no Ocidente. BOCC.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.