Cápsula (medicamento)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Diversos tipos de cápsulas

Uma cápsula é uma das diferentes formas farmacêuticas destinadas à veiculação de fármacos. Tem consistência sólida, e é constituída por um invólucro duro ou mole, de forma e capacidade variáveis, que contém uma quantidade de substância activa que normalmente se usa de uma só vez, por via oral.

De acordo com a sua composição, método de fabrico e fins terapêuticos, as cápsulas per os oferecem propriedades particulares. Tendo em conta estes aspectos, várias categorias podem ser distinguidas.

Cápsulas duras[editar | editar código-fonte]

Cápsulas duras
Cápsulas feitas de gelatina.

O invólucro é constituído por duas partes cilíndricas abertas numa das extremidades, apresentando fundo hemisférico. As formulações para este tipo de invólucro englobam maioritariamente substâncias como gelatina, glicerina e água, assim como outros adjuvantes que melhoram as características tecnológicas e de conservação da preparação farmacêutica.

Este tipo de cápsulas podem conter uma ou mais substâncias activas, geralmente sólidas, pulverulentas ou granulosas. O conteúdo é veiculado com excipientes que conferem consistência e preenchem espaços - diluentes - e promovem o deslizamento do pó ou granulado nas paredes da cápsula - lubrificantes.

O enchimento de cápsulas duras à escala laboratorial ou em farmácias, onde em regra são produzidas pequenas quantidades, pode ser feito de forma manual ou semi-automática. A nível industrial as quantidades requeridas são superiores, sendo o enchimento feito de forma automática.

Cápsulas moles[editar | editar código-fonte]

Cápsulas moles

Nestas cápsulas o invólucro é constituído pelos mesmos componentes básicos que são utilizados na produção das cápsulas duras, embora as proporções sejam diferentes. Apresentam maior quantidade relativa de glicerina, em detrimento da gelatina, o que confere maior flexibilidade à cápsula. O invólucro é mais espesso, e é formado, enchido e fechado durante um único ciclo de fabricação.

O conteúdo é líquido ou pastoso, e de natureza oleosa para evitar que o invólucro seja dissolvido.

Cápsulas gastro-resistentes[editar | editar código-fonte]

Destinam-se a resistir ao ataque do suco gástrico, de modo a que a libertação da substância activa ocorra no intestino delgado. São obtidas revestindo cápsulas duras ou moles com substâncias que não se degradam na acidez do estômago, sendo também comum encher as cápsulas com grânulos ou partículas já recobertas com essas substâncias enterossolúveis.

Estas preparações apresentam diversas vantagens para além de impedir a dissolução em meio ácido, tais como prevenir o efeito emético que de algumas substâncias activas e protecção da mucosa gástrica.

Cápsulas de libertação modificada[editar | editar código-fonte]

São cápsulas duras ou moles cujo conteúdo ou invólucro, ou ambos, foram alterados de forma a modificar a velocidade de libertação do fármaco ou local onde esta ocorre. Esta alteração consiste na adição de adjuvantes ou na modificação do método de preparação das cápsulas.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Infarmed. Farmacopeia Portuguesa. VII. ed. [S.l.]: Ministério da Saúde, 2002.