Caveat emptor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Caveat venditor deverá ser fundido aqui. (desde setembro de 2012)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Caveat emptor é uma expressão latina e significa, literalmente, "(toma) cuidado, comprador". Em uma tradução livre, significa o risco é do comprador. A situação oposta é o caveat venditor.

Significado[editar | editar código-fonte]

Ao colocar à venda um produto sob as regras do caveat emptor, o vendedor diz que não garante a qualidade ou procedência do produto.

Cabe ao comprador avaliar a situação do bem e entender que defeitos ocultos não serão reembolsados.

Esse tipo de venda é comum em leilões de carros, onde não é possível fazer um test drive ou uma revisão prévia do automóvel.

Compra o que se vê. Qualquer defeito que o carro tiver, faz parte do pacote.

Cabe ao consumidor munir-se de informações e cuidados para tomar a decisão de compra, não recaindo sobre o ofertante responsabilidades maiores, além de atuar dentro dos limites da lei (Smith, N.C. Marketing strategies for ethics era. Sloan Management Review, Summer 1995).

caveat venditor[editar | editar código-fonte]

significa, literalmente, "(toma) cuidado, vendedor". Em uma tradução livre, significa o risco é do vendedor e remete ao entendimento de que o vendedor deve honrar o produto que vende.

Explicação[editar | editar código-fonte]

No Caveat Venditor, o vendedor do produto deve dar garantia. Caso o produto venha estragado ou tenha procedência duvidosa, o vendedor deverá trocar por um novo ou devolver o dinheiro.

O vendedor pode, entretanto, estabelecer limites à garantia, desde que previamente pactuado com o comprador.

Esse tipo de situação impera nas relações de consumo no Brasil, desde a vigência do Código de Defesa do Consumidor.