Confissão de Fé Escocesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Confissão de Fé Escocesa é uma Confissão de Fé Reformada. Foi escrita em 1560 por seis líderes da Igreja da Escócia, entre eles John Knox.

História[editar | editar código-fonte]

Em Agosto de 1560 o Parlamento Escocês concordou com a Reforma da Religião no país. Para permitir aos políticos decidirem quais seriam as doutrinas adotadas, seis líderes da Igreja escreveram a Confissão. O texto foi inspirado pela teologia de João Calvino, embora seja uma produção inteiramente independente deste.

O Parlamento Escocês aprovou a Confissão. Já a rainha, Maria I da Escócia, a recusou. A Confissão tornou-se lei apenas em 1567. Ela permaneceu a exposição oficial das doutrinas da Igreja Escocesa até 1648, quando foi substituída pela Confissão de Fé de Westminster.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Dividida em 25 capítulos, tratando de doutrinas a respeito de Deus (1), do homem (2), das Escrituras Sagradas (19), do pecado (3), da Igreja (5, 16, 18, 20, 21, 22, 23, 25), da Salvação (4, 8, 12, 13, 14, 15, 17), de Cristo (6, 7, 9, 10, 11) e do magistrado civil (24). Cada capítulo contém numerosas referências escriturísticas.

Autores[editar | editar código-fonte]

A Confissão foi escrita por John Knox e outros cinco líderes da Reforma Protestante na Escócia: John Winram, John Spottiswoode, John Willock, John Douglas, e John Row. No entanto, a atribuição da autoria geralmente reforça o papel de John Knox.

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.