Declaração de Savoy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Declaração de Savoy sobre Fé e Ordem é uma confissão de fé redigida pelos independentes (congregacionais) ingleses no ano de 1658. A Declaração recebe esse nome porque foi redigida em uma conferência que reuniu cerca de 200 delegados de 120 congregações no Palácio de Savoy, em Londres.

Ela é resultado do trabalho de uma comissão, composta pelos Drs. Thomas Goodwin, John Owen, Philip Nye, William Bridge, Joseph Caryl e William Greenhill, que tinham sido membros da Assembléia de Westminster, com exceção de Owen.

Trata-se de uma ligeira modificação da Confissão de Fé de Westminster. Algumas coisas foram adicionadas, algumas opiniões foram reduzidas, e fez-se outras adições e alterações no método. A declaração é dividida em trinta e dois capítulos, na mesma ordem que a Confissão de Westiminster, que tem trinta e três capítulos. As mudanças mais importantes referem-se a questões de governo e disciplina da Igreja.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]